terça-feira, 12 de março de 2013

Pastor escreve sobre a importância do sexo no casamento



Josué Gonçalves dá dicas para homens e mulheres que desejam ter uma vida sexual plena
por Leiliane Roberta Lopes

Pastor escreve sobre a importância do sexo no casamentoPastor escreve sobre a importância do sexo no casamento

Para o pastor Josué Gonçalves a intimidade sexual no casamento não é diferente do deleite espiritual. Em sua coluna no site Verdade Gospel o líder do Ministério Família Debaixo da Graça usa textos bíblicos para ensinar a importância do sexo.
Quando o casal perde esta intimidade o casamento passa a ter problemas, como muitos casais relatam ao pastor. Gonçalves tenta então encontrar a causa do desajuste para poder então solucionar o problema e fazer com que o casal volte a ter prazer no cônjuge.
“O normal é gostar e sentir falta da prática do ato sexual no casamento”, diz o pastor.
No artigo ele cita algumas passagens de provérbios e lembra que a insatisfação sexual no casamento é a causa do adultério. “A Bíblia é muito clara quando diz que uma ‘alma satisfeita ou farta’ despreza o favo de mel, ou seja, quando o marido e a esposa saem de casa com as necessidades da alma, inclusive sexual, satisfeitas, fica bem mais fácil resistir todas as possíveis tentações do maligno.”
Para que haja a plena satisfação sexual em ambos, o pastor Josué Gonçalves ensina as diferenças entre homem e mulher dizendo que o prazer irá aumentar o amor do casal, reduzir as tenções e proporcionar mais intimidade.
Leia o artigo na íntegra:
Ajustamento sexual no casamento, à luz da Bíblia
Por que há tantos casais infelizes sexualmente no casamento? Na lista de prioridades do relacionamento conjugal, que lugar o sexo ocupa? A insatisfação sexual é um indicador sensível de que o plano de Deus para o casamento está desalinhado. A solução para este problema pode começar a partir da compreensão do que é o sexo, sob a perspectiva divina.
Um dos propósitos de Deus para com o sexo é despertar e satisfazer no homem e na mulher, a fome de intimidade. Sexo não é apenas um incidente no casamento. Embora não tenha sido criado para ser o cerne da intimidade, o sexo é a música do matrimônio. Pode parecer um pouco estranho para muitos, mas a verdade é que Deus espera que nós O procuremos e O conheçamos na intimidade sexual com o nosso cônjuge. Intimidade e deleite espiritual não são opostos à intimidade sexual; na verdade, a intimidade espiritual se encontra em meio ao deleite relacional e carnal da união. É por isso que o escritor aos Hebreus escreveu que o “ato sexual – o coito” é digno de honra tanto quanto o matrimônio (Hb 13.4).
Você já parou para pensar na reação de Adão quando despertou do seu sono e viu ao seu lado a mulher preparada pelo Criador para completá-lo? O elevado grau de prazer de Adão, está explicitado na sua declaração: “Então disse o homem: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; ela será chamada “varoa”, porquan-to do varão foi tomada. Portanto, deixará o homem a seu pai e sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e serão uma só carne” (Gn 2.23-24). Que declaração de amor intenso! Quando Adão contempla Eva pela primeira vez, irrompe num cântico. Não consegue conter sua alegria, e compõe um hino erótico. Não foi o diabo quem criou o sexo, a sexualidade e o erotismo. O erotismo é criação alegre de Deus, seu prazer em deleitar o coração erógeno de suas criaturas. Com muita beleza escreveu o poeta: “Seja bendita a sua fonte! Alegre-se com a esposa da sua juventude. Gazela amorosa, corça graciosa; que os seios de sua esposa sempre o fartem de prazer, e sempre o embriaguem os carinhos dela” (Pv 5.18,19 BNVI). Os casais precisam saber que o segredo para alcançar a plenitude do prazer no ato conjugal é compreendendo a sexualidade como uma importante janela para o coração de Deus.
Descobrindo as causas do desajuste sexual
A Bíblia diz: “Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias…” (Ec 9.9ª), “Beba das águas da sua cisterna, das águas que brotam do seu próprio poço” (Pv 5.15 BNVI). O sexo é tão importante para a manutenção do casamento, quanto a água para a preservação da vida, eis a razão porque o texto diz “bebe das águas da sua cisterna”. No trabalho de aconselhamento de casais, é comum eu ouvir de algumas mulheres: “Se o meu marido não precisasse de sexo, eu passaria muito bem sem”. Essa maneira de pensar revela alguma disfunção sexual que precisa ser tratada, porque o normal é gostar e sentir falta da prática do ato sexual no casamento. Muitas vezes, a causa do problema, não está na mulher e sim no homem. Quando o casal descobre a causa da disfunção ou do desajuste sexual, há mais facilidade na na busca pela solução.
A alma farta pisa favos de mel
“A alma farta pisa o favo de mel, mas para a alma faminta todo amargo é doce” (Pv 27.7). Nenhuma outra causa tem levado homens e mulheres ao adultério, como a insatisfação sexual crônica. A Bíblia é muito clara quando diz que uma “alma satisfeita ou farta” despreza o favo de mel, ou seja, quando o marido e a esposa saem de casa com as necessidades da alma, inclusive sexual, satisfeitas, fica bem mais fácil resistir todas as possíveis tentações do maligno. Quando o homem e a mulher são infelizes sexualmente no casamento, os dois tornam-se presas fáceis do diabo. Paulo, o apóstolo, quando escreveu sua carta-resposta para a igreja que estava em Corinto, tratou deste assunto com muita preocupação, dizendo: “Mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido” (1 Co 7.2). Ele também deixou claro que não basta ter uma mulher ou ela um homem, é necessário que os dois sejam felizes sexualmente, por isso ele insiste: “O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher ao marido. A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também da mesma maneira o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher” (1 Co 7.3,4).
A dúvida de muitos casais é: “Como praticar o ato sexual de forma que alcancemos a plenitude do prazer, segundo Deus planejou? Como satisfazer a alma?”. A realização sexual no contexto do casamento depende do conhecimento de alguns pontos básicos sobre as diferenças afetivo-sexuais entre homem e mulher. Vejamos algumas delas: 1) O homem é tendente ao amor estético, e a mulher é tendente ao amor ético; 2) O homem é tendente ao amor quantitativo (instintivo, passageiro), e a mulher é tendente ao amor qualitativo (afetivo e que dura); 3) O homem é tendente a querer primeiro o corpo dela, e depois a pessoa dela e a mulher é tendente a querer primeiro a pessoa dele e depois o corpo dele; 4) O homem é estimulado sexualmente pela visão (erotismo visual, Ct. 7:1-9), e a mulher é estimulada pelo que ouve e pelo toque (erotismo sentimental e abrangente); 5) Para o homem o ato sexual é um prazer corporal, somático, físico e localizado, e para a mulher o ato sexual é um prazer emotivo, em todo o seu corpo, partindo dos órgãos da cópula; 6) O homem precisa de sexo para se manter vivo no casamento, e a mulher precisa de carinho, companheirismo, segurança, estabilidade e sexo; 7) No homem, o sexo é descontínuo e centralizado, na mulher, o sexo é contínuo e descentralizado.
O que o sexo significa para o casal? Para o homem e a mulher, o ato conjugal satisfaz o instinto sexual, aumenta o amor um pelo outro, reduz as tensões no lar e proporciona a mais íntima experiência da vida conjugal.
Conselhos práticos que podem ajudar os casais que buscam ajustamento
1. Nunca seja egoísta, pense na realização do cônjuge (1 Co 7.2-5).
2. Elimine os complexos através da oração e da compreensão.
3. Lembre-se, o cansaço pode ser a causa do fracasso.
4. Desenvolva uma comunicação franca nesta área.
5. Procure não praticar o ato com a tensão de um problema.
6. Reserve tempo para o exercício do ato.
7. A privacidade do casal é de fundamental importância.
8. O asseio é uma necessidade de todos.
9. A preocupação com uma possível gravidez pode ser a causa da baixa qualidade da relação sexual.
10. Nunca se esqueça que o homem se excita pelo que vê, já a mulher, mais pelo que ouve.
11. Nunca tenha o sexo como obrigação, o ato conjugal deve ser espontâneo.
12. Cuidado com a contaminação do leito, que deve ser sem mácula.
13. Cuidado com as relações “pornográficas” (Rm 1.26,27).
Lembre-se, o sexo é a música do matrimônio, quanto mais os músicos tocarem, mais habilidosos vão ficando. Meu conselho final é que os casais não devem parar de tocar a música da sexualidade no casamento, porque enquanto houver música, haverá alegria e vida conjugal plena.
“O Sexo não é tudo, mas a infelicidade sexual pode gerar um mau humor crônico que afetará todas as áreas da vida do casal”.
Visite o site do pastor Josué: www.amofamilia.com.br.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...