sábado, 10 de setembro de 2016

DEZ PASSOS COM SPURGEON NA ESCOLA DO SOFRIMENTO



Por Josemar Bessa

Nos dias de Spurgeon turistas americanos que retornavam da Inglaterra eram recebidos com duas perguntas: "Você viu a rainha?” e 'Você ouviu Spurgeon?'” "(AP Peabody," Spurgeon, " North American Review 86 [1858], 275). Na verdade, a memória do ministério de Spurgeon se tornou imortal.


Mas Spurgeon em si foi muito mortal. O pregador não foi de forma nenhuma à prova de balas. Na verdade, na maior parte de sua vida, Spurgeon cuidou de feridas profundas e lutou para lidar com uma miríade de doenças físicas e dramas emocionais.

Em 1867 Spurgeon sofreu seu primeiro ataque de nefrite crônica, ou doença de Bright (inflamação renal semelhante ao lúpus). Aos 35 anos ele foi diagnosticado com gota, uma inflamação das articulações ( numa época sem os alívios da medicina moderna). Em 1886, ele disse: "Quando eu estou nos dias mais difíceis da crise de gota, se alguém anda pesadamente e ruidosamente do outro lado da sala, eu sinto dor" ( MTP 49: 234). Em uma carta ao seu irmão, ele escreveu: "De tanta dor eu pensei que uma cobra havia me mordido e enchido minhas veias com veneno" ( Autobiography 3: 134).

Tantas dicas medicinais chegaram de amigos e familiares que Spurgeon disse que ele "estaria morto há muito tempo se tivesse tentado metade delas" ( ST 4, fevereiro de 1875).

Spurgeon também sofria de profundas crises de tristeza. "Não creio que haja qualquer pessoa neste lugar que já tenha tido ataques mais fortes de depressão de espírito do que eu mesmo tenho tido pessoalmente" ( MTP 15: 640). Depois de testemunhar sete pessoas pisoteadas até a morte, ele disse: "A simples visão da Bíblia me faz chorar – como posso pregar de novo?" ( MTP 37: 383-84).

Embora seja difícil diagnosticar os mortos, uma coisa é certa: Spurgeon viveu no centro das atenções e ao mesmo tempo da sombra profunda.

Em um sermão " Songs in the Night ", Spurgeon revelou a luta do cristão tentando louvar a Deus no escuro:

“É fácil cantar quando podemos ler as notas na luz do dia; mas é um cantor mais hábil aquele que pode cantar quando não há um raio de luz através da qual se possa ler, - que canta com o coração, e não a partir de um livro que ele possa ver, porque ele não tem meios de leitura, salvo o livro de seu próprio espírito vivo, de onde as notas de gratidão derramam cânticos de louvor na noite escura” ( MTP 44: 98-99).

O ministério de Spurgeon provocou um incêndio em todo o mundo porque foi forjado, com certeza, no fogo. "Eu acho que teria sido menos doloroso ter sido queimado vivo na fogueira do que passar por esses horrores e depressões de espírito" ( MTP 53: 137-38).

No entanto, mesmo no calor da crítica pública, assassinato de caráter, contratempos físicos e desafios emocionais, Spurgeon experimentou a bondade profunda de Deus.

Spurgeon viu as dificuldades como o martelo de Deus moldando pecadores em santidade e canalizou sua sofrimento em seus sermões. Não admira como a classe que trabalhava e sofria terrivelmente foi magnetizada por ele. "Você deve passar pelo fogo", disse ele, "se você quiser ter simpatia com outras pessoas que pisam as brasas" ( MTP 32: 590).

Aqui estão dez citações com seus contextos, forjados na bigorna da própria aflição de Spurgeon:

1. "A tempestade tem um gosto tênue em sua boca".

"Talvez, neste exato momento, no porão, ou em alguma cabine, nono meio do barulho e tumulto da fúria do oceano, quando muitos estão alarmados, há cristãos com faces calmas, esperando pacientemente a vontade de seu Pai, se deverá ou não andar em direção a porta do céu, ou para ser poupado para voltar à terra, no meio de provações e lutas da vida mais uma vez. Eles sentem que eles são bem tratados, eles sabem que a tempestade é um tênue sabor em sua boca, e que Deus o manterá e nada pode prejudicá-los; nada pode acontecer com eles, mas apenas o que Deus permitir ".

“Safe Shelter” (MTP 15, Sermon 902, p. 650).

2. "A maior bênção terrena que Deus pode dar a qualquer um de nós é a saúde, com exceção da doença".

"A saúde está diante de nós como se fosse a grande coisa a se desejar acima de todas as outras coisas. É assim? Atrevo-me a dizer que a maior bênção que Deus pode dar a qualquer um de nós é a saúde, com exceção de doença. A doença tem sido frequentemente mais útil para os santos de Deus do que a saúde. Se alguns homens, que eu saiba, pudessem ser favorecidos com um mês de reumatismo, seriam, pela graça de Deus, adocicados maravilhosamente. "

C. H. Spurgeon, “The Minister in These Times” in An All-Round Ministry (Banner of Truth, 2000), p. 384, italics in the original.

3. "Os homens nunca vão se tornar grande no conhecimento de Deus até que se tornem grandes em sofrimento".

"Os homens nunca vão se tornar grande no conhecimento de Deus até que se tornem grandes em sofrimento. 'Ah!' Lutero disse: 'aflição é o melhor livro na minha biblioteca;' e deixe-me acrescentar, a melhor folha no livro de aflição é a mais negra de todas as folhas, a folha chamada peso, quando o espírito afunda dentro de nós, e não podemos suportar como poderíamos desejar. E mais uma vez; esse peso é de uso essencial para um cristão, se ele será usado por Deus para o bem aos outros. . . . Não há nenhum servo de Deus tão suave como aqueles que foram esfolados. Aqueles que estiveram na câmara da aflição sabem como confortar aqueles que estão lá. Não acredito que qualquer homem vai se tornar um bom médico, a menos que ele ande nos hospitais com paciente; e tenho a certeza de que ninguém vai se tornar mais parecido com Cristo, ou tornar-se um Consolador, a menos que ele se encontre no hospital da vida, bem como caminhando através dele, e tendo que sofrer ele mesmo primeiro."

“The Christian’s Heaviness and Rejoicing” (NPSP 4, Sermon 222, p. 461).

4. "É melhor ser ensinado pelo sofrimento do que ser ensinado pelo pecado!"

"Talvez não haja nenhuma maneira de nos ensinar tão completamente a baixeza do nosso coração como quando somos deixados segundo nossos recursos; talvez nunca saberemos nossa loucura, a menos que soframos como um tolo desmascarado pela dor, mas oh nos livre, Senhor! Evite por tua graça! É muito melhor ser ensinado pelo sofrimento do que ser ensinado pelo pecado! Melhor sofrer no calabouço de Deus do que se deleitar no palácio do diabo".

“Hezekiah and the Ambassadors, Or Vainglory Rebuked” (MTP 12, Sermon 704, p.438).

5. "As nossas enfermidades se tornar o veludo negro sobre o qual o diamante do amor de Deus ainda parece mais brilhante".

"A graça é dada para nos livrar do pecado, que é uma grande bênção; mas o que é o bem maior da graça exceto quando ela está presente no momento em que o julgamento vem? Certamente, a graça que não permanece firme na hora da tentação ou aflição, é um tipo muito espúrio da graça; e é melhor se livrar dela, se nós a temas, pois não é verdadeira. Quando um filho de uma mulher piedosa morre, o marido infiel vê a fé da mãe sendo consolada na dor. Quando o navio vai para baixo e se perde no mar, o comerciante ímpios se surpreende com renúncia do comerciante que está em Cristo. Quando dores disparam através de nosso corpo e a morte medonha aparece a vista, as pessoas vêem a paciência do cristão morrendo. Nossas enfermidades se tornam então o veludo negro sobre o qual o diamante do amor de Deus se mostra mais intensamente brilhante. Graças a Deus eu posso sofrer, graças a Deus eu posso ser objeto de vergonha e desprezo; para, que desta forma, Deus seja glorificado. "

“A Wafer of Honey” (MTP 52, Sermon 2974, p. 80).

6. "Cristão, Jesus não sofreu de modo a excluir o teu sofrimento".

"Cristão, Jesus não sofreu de modo a excluir o teu sofrimento. Ele carregou uma cruz, não para que você possa escapar da sua, mas para que você possa suportar. Cristo nos isenta do pecado, mas não da tristeza. Lembre-se disso e espere sofrer ".

C. H. Spurgeon, Morning and Morning (New York: Sheldon and Company, 1865), April 5, p. 96.

7. "Não há Universidade para um cristão como a da tristeza e provação".

"Israel precisava adquirir educação. O Senhor não estava indo para levar uma multidão de escravos para Canaã... para se comportarem como escravos lá. Eles tiveram que ser tutelados. O deserto foi a Oxford e Cambridge para estudantes de Deus. Lá eles foram para a Universidade, e Ele os ensinou e os treinou, e tiveram que obter sua graduação antes de entrar na terra prometida. Não há Universidade para um cristão como o da tristeza e provação ".

“Marah Better Than Elim” (MTP 39, Sermon 2301, p.151).

8. "Há momentos em que não conseguimos mais chorar, mas o Espírito geme em nós".

"Não somos nós mesmos que choramos? Sim, com certeza; e ainda assim o Espírito clama em nós também. As expressões estão corretas. O Espírito Santo pede e inspira o clamor. Ele coloca o grito no coração e na boca do crente. É seu clamor e gemido porque Ele sugere, aprova e nos educa através dele. Nós nunca teríamos gemido assim, se ele não tivesse primeiro nos ensinado o caminho. . . . Há momentos em que não podemos chorar em tudo, e, em seguida, ele grita e geme em nós. Há épocas em que dúvidas e medos são abundantes, e assim nos sufocam com suas emanações que não podemos sequer levantar um grito, e então o Espírito que habita em nós nos representa, e fala para nós, e intercede por nós, chorando em nosso nome. "

“Adoption –The Spirit and the Cry” (MTP 24, Sermon 1435, p. 537, italics in the original).

9 . "Meu caro amigo, quando o teu sofrimento te leva para o pó, adorore lá!"

"Meu caro amigo, quando o teu sofrimento te pressionar e te levar para o pó, adore lá! Se esse lugar tem vindo a ser teu Getsêmani, então ali apresente teu grande clamor e lágrimas "ao teu Deus. Recorde as palavras de Davi, "eu derramo o meu coração," - mas não pare por aí, termine com ele, - “eu derramo o meu coração diante dele." Vire o recipiente de cabeça para baixo; isso é uma coisa boa para esvaziá-lo, pois essa dor pode fermentar em algo mais azedo. Vire o recipiente de cabeça para baixo, e deixe cada gota correr para fora; mas que seja diante do Senhor. 'Ó, derrame teu coração diante dele: Deus é o nosso refúgio. "Quando estão abatidos debaixo de um pesado fardo de tristeza, em seguida, se prostre e adore o Senhor em uma entrega total de si mesmo à vontade divina. "

“Job’s Resignation” (MTP 42, Sermon 2457, p. 134).

10. "Não tenha medo da tempestade, ela traz a cura em suas asas, e quando Jesus está com você no barco a tempestade somente acelera o navio para seu porto desejado".

"Eu, pregando a vocês nesta hora, quero dar o meu testemunho de que os piores dias que eu já tive, acabaram por ser meus melhores dias... e quando Deus parecia mais cruel para mim, ele então sido tem sido mais gentil. Se houver qualquer coisa neste mundo para o qual eu o adore mais do que por qualquer outra coisa, é pela dor e aflição. Estou certo de que nestas coisas o mais rico amor e ternura se manifestou para mim. Os vagões do Pai Nosso ressoam mais fortemente quando eles estão nos trazendo o frete mais rico da abundancia de sua graça. Cartas de amor do céu são muitas vezes enviados em envelopes negros. A nuvem que é negra com horror é grande com misericórdia. Não temas a tempestade, ela traz a cura em suas asas, e quando Jesus está com você no barco, a tempestade apenas pode acelerar o navio para seu porto desejado. "

“Ziklag; Or, David Encouraging Himself in God” (MTP 27, Sermon 1606, p. 373).

***
Fonte: Josemar Bessa, via Ministério Beréia

A FAMÍLIA: JUNTOS NA PRESENÇA DE DEUS – PARTE 2





Por John Piper e Nöel Piper

Ainda não leu a Parte 1? Leia Aqui

ALGUMAS SUGESTÕES PRÁTICAS, INICIANDO PASSO POR PASSO

Nós descobrimos que a “escola” para aprender a louvar começa em casa quando tentamos fazer o bebê ficar quieto para pedir a bênção de Deus na refeição, quando a criança está quieta ouvindo uma história, quando a criança está aprendendo a prestar atenção na Palavra de Deus e orar durante a devocional em família.

Na igreja, mesmo quando nossas crianças estavam na idade de amamentar, eu comecei a ajudá-los a dar os primeiros passos para uma eventual participação no culto de domingo. Eu usei outros momentos para treinar, batismo, concertos do coral, apresentações missionárias ou qualquer outro evento especial que prenderia a atenção de uma criança de 3 anos. Eu “promoveria” isso para a criança como algo alegre. Essas participações ocasionais, gradualmente foram desenvolvendo em participação freqüente nos cultos enquanto que, ao mesmo tempo, estávamos começando a freqüentar cultos de manhã cada vez mais regularmente.

Escolhi não usar o culto para crianças como uma rota de escape quando o culto se torna longo ou quando a criança fica inquieta. Não quero dizer à criança que ela deve ir ao culto quando parecer interessante e então poderá ir brincar. Quero evitar um padrão que poderá reforçar a idéia que todos os cultos são bons até a pregação da Palavra de Deus, então poderá sair.

Claro que tem momentos que a criança fica inquieta ou barulhenta mesmo com o esforço dos pais. Eu oro pela compreensão das pessoas ao meu redor e tento lidar com o problema sem perturbar. Mas, se a criança não ficar quieta, eu levo para fora para uma rápida disciplina e para o bem dos outros que querem adorar. Então tenho que decidir se saio e fico atrás ou se fico na área reservada para pais com crianças pequenas Dependerá como a criança reagirá e se tem um momento apropriado para você sair ao longo do culto. Se ficarmos na área reservada para família fora do templo, eu tento manter meu filho quieto como se ainda estivéssemos no templo. Quanto tiverem 4 anos, nossos filhos assumirão que ficarão conosco nos cultos semanais.
PREPARAÇÃO DURANTE A SEMANA

Conversar antes e depois do culto ao longo da semana será importante para ajudar a criança a aprender a gostar de cultuar e se comportar no culto.

Ajude suas crianças a se familiarizarem com o pastor. Permita que elas o cumprimentem ao saírem do culto. Converse com elas sobre quem são os líderes da igreja, fale os nomes deles. Sugira que a professora de Escola Dominical convide o pastor para falar alguns minutos com as crianças se assim o horário permitir.

Se você souber qual será a passagem bíblica da mensagem para a próxima semana, leia junto com seu filho ao longo da semana. Os olhos das crianças brilharão quando reconhecerem as palavras do púlpito no próximo domingo.

Converse sobre o que tem de especial essa semana: um solo de trompete, um amigo que vai cantar, o missionário pelo qual vocês têm orado estará presente ou qualquer outra coisa especial.

Algumas vezes você poderá considerar as partes rotineiras do culto e preparar suas crianças: “Temos lido sobre José. O que você acha que o pastor falará sobre ele?”, “O que será que o coral cantará essa manhã?”, “Talvez possamos sentar ao lado do nosso amigo com deficiência e ajudá-lo com o hinário para ele participar do culto melhor.”

Existem dois elementos adicionais e importantes para a preparação do culto: uma caneta e papel para as anotações e ida ao banheiro (sair durante o culto não é recomendável).

O QUE ACONTECE DURANTE O CULTO?

Primeiro, eu entrego o boletim para a criança que queira. Isso ajudará com que ela sinta que está participando do culto. Em silêncio, antes do culto começar, eu mostro a liturgia do culto.
Durante o culto, nós ficamos sentamos ou levantamos junto com a congregação. Eu compartilho a minha Bíblia ou hinário com a minha criança porque o uso da Bíblia ou hinário é importante no culto.

O início do sermão é um sinal para iniciar as anotações. Quero que as atividades das crianças sejam relacionadas com o culto. Não leve livros que não têm nada a ver. Eu deixo com que ela olhe as figuras da Bíblia dela. Anotações não significam apenas riscar, mas de fato anotar coisas importantes.

As crianças se desenvolverão mais no entendimento sobre o culto à medida em que anotarem. Primeiro, farão desenhos conforme o que ouvem no sermão. Você pode escolher uma palavra que sabe que será falada várias vezes no sermão e dizer para a criança ouvir atentamente e anotar no seu papel cada vez que o pastor pronunciar a palavra.

Mais tarde, talvez a criança queira copiar as palavras da Bíblia. Quando sabe escrever, ele fará as frases que ouviu no sermão. Quando menos esperar, a criança estará esboçando o sermão.

ALVOS E NECESSIDADES

  • O treinamento que faço para o culto tem três alvos principais:
  • Que as crianças aprendam cedo e da maneira que podem a cultuar Deus de coração;
  • Que os pais possam cultuar também;
  • Que as famílias não causem distrações para as pessoas ao redor.
  • Assim, existem algumas expectativas que ensino para os pequeninos e espero dos adultos também:
  • Sentar, ficar em pé ou fechar os seus olhos nos momentos adequados ao longo do culto;
  • Sentar de maneira correta, não relaxadamente ou deixar a criança no chão, mas com respeito a Deus e as pessoas ao seu redor;
  • Manter a Bíblia, papéis e boletim sem muito barulho;
  • Ficar alerta. Fazer anotações ajuda. Os pequenos podem dormir, mas geralmente não dormem;
  • Olhar para o líder no púlpito. Não ficar olhando para as pessoas ou para o relógio;
  • Se a criança consegue ler rápido, deve cantar com as palavras. Pelo menos, manter os olhos fixos nas palavras e tentar pensar nelas ao cantar. Se não consegue ler ainda, deve tentar ouvir e entender.


CRIAR UM AMBIENTE ONDE VOCÊ ESTÁ SENTADO

Eu tento criar um ambiente ali no banco para tornar mais fácil ao longo do culto. Nos anos passados, eu sentava no meio das duas crianças que estavam tendo problemas entre elas. Escolhíamos os bancos onde pudéssemos ver o pastor melhor. Cada criança tem uma Bíblia, oferta e boletim nas mãos. 
Assim não precisam procurar durante o culto. Durante o prelúdio, se eu notar alguma coisa diferente no boletim que precisa ser esclarecido (uma leitura responsiva, oração em conjunto, por exemplo), eu mostro para a criança poder participar.

APÓS O CULTO

Quando o culto terminar, minhas primeiras palavras serão de apreciação para a criança que se comportou. Ao mesmo tempo, posso comentar sobre algo que esperamos que seja melhor na próxima vez.

Mas… e se a minha expectativa não foi cumprida e não houve um bom comportamento? A primeira coisa a fazer quando o culto terminar é o silêncio e, imediatamente, procurar um lugar onde poderei conversar com a criança sobre o que aconteceu.

ENCERRAMENTO

Nas raras ocasiões quando meu marido, que é pastor, pode sentar ao nosso lado, o caçula vai direto para o colo dele e fica mais atento e quieto do que o normal. Que coisa maravilhosa para a mente da criança associar a proximidade e calor do colo dos pais a um momento especial com Deus!

A criança tem o mesmo sentimento de estar ao lado dos seus pais ou de um abraço ao redor dela ou a mão amorosa ao redor.

O momento da família junta com o foco em Deus será um momento sem palavras, crescendo cada vez mais na mente e coração da criança.

***
Artigo foi publicado originalmente do Desiring God, via Mulheres Piedosas

** John Piper é um dos ministros e autores cristãos mais proeminentes e atuantes dos dias atuais, atingindo com suas publicações e mensagens milhões de pessoas em todo o mundo. Ele exerce seu ministério pastoral na Bethlehem Baptist Church, em Minneapolis, MN, nos EUA desde 1980.
* Noël Piper é casada com John Piper desde 1968. Eles têm quatro filhos, uma filha e um número crescente de netos. Escritora e Palestrante, ela tem sido constantemente convidada para falar em missões e conferências. Ela congrega na Igreja Batista Bethlehem em Minneapolis, onde seu marido tem sido pastor desde 1980.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

ESPERE PARA NAMORAR ATÉ QUE POSSA CASAR




Por Marshall Segal

Quando jovens deveriam começar a namorar?

Sua resposta depende de por que você pensa que você (ou qualquer outra pessoa) deve começar a namorar em primeiro lugar. Qualquer um pode ver que os custos são geralmente altos: términos esmagadores, pecados sexuais, traições surpreendentes, rejeições repentinas, corações devastados — a dor do amor que nunca andou até o altar.

Então, por que muitos de nós ainda mergulhamos tão rapidamente no namoro?

Bem, em parte porque Satanás mascara os riscos muito bem (Apocalipse 12:9). Ele coloca o romance como um requisito para uma vida boa e projeta todo o resto como sendo vazio, solitário e sem propósito em comparação. Ele tira proveito de nossos desejos e nos convence de que devemos “amar” para que realmente vivamos, de que os maiores prazeres e as experiências mais plenas são encontrados num relacionamento com um namorado ou namorada (ou então com um esposo ou esposa). Ele ameniza as desilusões amorosas e adoça cada pecado sexual com um lindo — mas venenoso — glacê.
Satanás e sua influência dentro e por meio do mundo levam milhões de nós a namorar muito e muito cedo. Isso porque ele ama o que esse tipo de namoro faz conosco.

Eu tive minha primeira “namorada” na sexta série, meu primeiro beijo naquele verão (de outra garota) e, depois disso, uma namorada nova praticamente a cada ano durante o ensino médio. Desde muito novo, eu estava procurando por atenção, segurança e intimidade em garotas ao invés de procurar em Deus. Eu namorei mais cedo que a maioria e mais que a maioria. Meus anos de adolescência foram como um longo novelo de relacionamentos, os quais eram muito sérios para nossas idades. Eles duravam muito tempo e, por isso, terminavam muito dolorosamente. Eu disse “eu te amo” muito cedo e para muitas. E o diabo se sentou no melhor lugar da plateia, amando cada minuto da minha história tão precoce de namoro.

Por que Qualquer Pessoa Deveria Namorar?
A guerra espiritual pelos nossos corações é real, e os riscos são altos, então é vital questionar por que nós pensamos que devemos namorar em primeiro lugar. Por que eu tive uma namorada quando estava com 12 anos (ou 13, 14 e até mesmo 15)?

Muitos de nós desejamos apenas ser felizes, valorizados e pertencer a algum lugar. Imaginamos nossas necessidades mais profundas sendo satisfeitas na intimidade de se estar com uma (ou um) jovem especial.

Todos nós queremos que nossos corações suspirem por alguém ou por alguma coisa. O romance e o mistério do casamento parecem deter as maiores vantagens terrenas do prazer e da amizade. Nós ansiamos ser conhecidos e amados; ansiamos pertencer a alguém, à história de outra pessoa. Nós também desejamos que alguém faça parte da nossa. E todos nós desejamos que nossas vidas valham algo. Queremos contribuir com algo significante para uma causa importante. Queremos fazer a diferença. Não queremos desperdiçar nossas vidas.

Muitos de nós namoramos porque estamos tentando preencher essas necessidades por meio do amor. Se você nos perguntasse, diríamos que estamos “buscando o casamento”, mas muitos de nós não estamos nem sequer perto do casamento — seja em idade, maturidade, educação ou estágio da vida. Nós estamos, na verdade, em busca da felicidade, do pertencimento e da significância, que pensamos que encontraremos no romance.

O que Eu Faria Diferente?

Se eu pudesse fazer tudo de novo, eu não teria namorado no 1º ano do ensino médio (nem no segundo, sequer nos meus dois primeiros anos da faculdade). Eu teria esperado para namorar até que pudesse casar.

Essa reviravolta dentro de mim aconteceu quando comecei a entender as grandes diferenças entre namorar e casar. Um casal de namorados pode até se sentir como casados algumas vezes, mas um casal de namorados nunca é um casal de casados. Entender as distinções entre esses dois relacionamentos nos protegerá de todo o tipo de dor e fracasso no namoro.

O maior prêmio em qualquer vida, independentemente do status de relacionamento, é conhecer Cristo e ser conhecido por ele, é amá-lo e ser amado por ele. O maior prêmio no casamento é a intimidade centrada em Cristo com o cônjuge — conhecer e ser conhecido, amar e ser amado pelo esposo ou esposa. O maior prêmio no namoro é a clareza centrada em Cristo a respeito do casamento (ou em direção ao casamento). Intimidade romântica é mais segurança no contexto do casamento, e o casamento é mais seguro no contexto da clareza. Se queremos ter e aproveitar esse tipo de intimidade centrada em Cristo, precisamos nos casar. E, se queremos nos casar, precisamos buscar clareza sobre com quem nos casar.

Espere para Namorar

Legalmente, pelo menos nos EUA, não podemos nos casar até que tenhamos 18 anos (exceto em Nebraska e Mississippi, onde é preciso ser ainda mais velho —19 e 21 anos, respectivamente).

Além da mera idade, porém, precisamos pensar em algumas perguntas sérias sobre maturidade e estabilidade. Nosso namorado ou namorada amadureceu o suficiente para ter qualquer ideia do que gostaria de ser como esposo ou esposa pelos próximos 50 anos? Nós amadurecemos o suficiente?
Algum de nós (ou ambos) será capaz de prover financeiramente para uma família? A fé dele ou dela em Jesus foi testada o suficiente por provas para que estejamos seguros de que é real?

Alguns, sem dúvida, odiarão este conselho — eu tenho certeza que odiaria —, mas todos nós precisamos reconhecer que, apesar de podermos namorar por muito tempo antes de casar, isso não significa que devemos fazê-lo. Não podemos namorar pensando em casar quando o casamento sequer está no radar ainda. Você talvez já esteja sonhando com o casamento (eu estava), mas é realístico que vocês dois se casem logo?

Espere para namorar até que possa casar. Meu conselho — pegue-o ou largue-o — é esperar até que você possa casar prudentemente com ele ou ela nos próximos 18 meses. Isso não significa que você deve casar tão rápido assim. A parte importante é que você pode (se Deus deixou claro que essa é a vontade e o tempo dele para você). Você não achará “18 meses” em nenhum lugar na Bíblia, então você não deveria tratar isso como uma lei de Deus. Mas você pode testar — com o Senhor, com seus pais e com amigos cristãos próximos — se isso parece sábio e seguro para você e para seu coração.

O que Fazer Enquanto Esperamos

Só porque estamos esperando para namorar, não significa que estamos esperando sentados. A vida nunca é somente nem principalmente sobre amor e casamento. Nossa vida agora é sobre Jesus — seu amor por nós e seus planos para nós —, independentemente se estamos solteiros ou casados, se temos 16 ou 60 anos.

Deus tem muito mais no estoque para você do que qualquer relacionamento poderia oferecer. Ele quer dizer algo espetacular por meio de você e da sua vida jovem. Ele quer usar você e seus dons para mudar vidas de outras pessoas. Se ele deseja que você se case, ele quer fazê-lo um futuro esposo ou esposa forte e cuidadoso. Ele quer mostrar ao mundo onde encontrar felicidade por meio da sua alegria.

Você não precisa de um namorado ou namorada para experienciar nenhum dos sonhos de Deus nos seus anos jovens. Então, se não é para namorar, o que fazer?

1. Seja um exemplo de coragem e fé para outros.
1 Timóteo 4:12

Talvez você ainda não possa votar nem mesmo dirigir, mas você pode fazer sua vida dizer algo sobre Jesus. Seu discurso – a linguagem e a atitude que você usa com sua família e amigos — diz algo sobre Jesus agora. Seu comportamento — as decisões que você faz todos os dias sobre o que fazer ou não, as maneiras com que você se encaixa com o resto do mundo ou não — fala ao mundo sobre Deus. Seu amor — a maneira pela qual você trata as pessoas em sua vida — diz algo sobre como você tem sido amado por Deus. Sua santidade — seu comprometimento em confiar em Deus e em sua palavra e em priorizar ele acima de qualquer prazer ou experiência prematura — prega o evangelho aos seus pares escravizados em seus próprios desejos.

2. Viva para servir, não para ser servido.

“Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus. Se alguém fala, fale de acordo com os oráculos de Deus; se alguém serve, faça-o na força que Deus supre, para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo […]” (1 Pedro 4:10-11)

A maioria das pessoas jovens é tão consumida pelas suas próprias necessidades e desejos que se esquecem das necessidades das pessoas ao seu redor. Mas você é capaz de muito mais do que mexer em redes sociais, comprar e jogar videogames. Olhe, por exemplo, para o que os adolescentes realizaram nas Olimpíadas: jovens de 15 ou 16 anos ganhando ouro contra os melhores do mundo.

E se você decidir usar os dons que Deus lhe deu para fazer a diferença na vida de alguém? Você poderia servir em algum ministério na igreja, mentorear alguém mais jovem ou perguntar ao seu redor sobre as necessidades de sua vizinhança. Você é capaz de muito mais do que o mundo espera de você. Viva de tal forma “que, em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo” através de você.

3. Empenhe-se para se tornar o futuro cônjuge que Deus o chama para ser.

“As mulheres sejam submissas ao seu próprio marido, como ao Senhor; porque o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, sendo este mesmo o salvador do corpo. […] Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela.” (Efésios 5:22-25)

Alguns de nós talvez nasceram querendo casar, mas nenhum de nós nasceu pronto para casar. O chamado para amar o cônjuge é o chamado para viver a melhor história jamais contada — o próprio Deus veio em carne para morrer por sua noiva pecadora, a Igreja. Nossos instintos naturais não são de morrer para nós mesmos por outra pessoa, mesmo que seja uma pessoa de quem gostemos muito.
Até que você esteja pronto para namorar, Deus estará preparando-o para amar bem, transformando-o de um degrau de prontidão para outro (2 Coríntios 3:18).

4. Choque todos ao redor de você com alegria enquanto você espera.

“[…] não cessamos de orar por vós e de pedir que transbordeis de pleno conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual; a fim de viverdes de modo digno do Senhor, para o seu inteiro agrado, frutificando em toda boa obra e crescendo no pleno conhecimento de Deus; sendo fortalecidos com todo o poder, segundo a força da sua glória, em toda a perseverança e longanimidade; com alegria.” (Colossenses 1:9-11)

Ninguém precisa procurar tão longe para encontrar pessoas solteiras azedas, homens e mulheres jovens queixando-se de solidão enquanto todo mundo está namorando alguém. É muito mais difícil encontrar pessoas jovens achando sua identidade, felicidade e segurança em outro lugar.
Surpreenda seus amigos (e todo mundo) sendo contente com o fato de esperar para namorar até que possa casar uma vez que você já tem tudo o que precisa em Deus.

***
Traduzido por Rebeca Romero. Via Mulheres Piedosas

“NÃO ME VEJO COMO DEFICIENTE, MAS COMO UM SER CRIADO POR CRISTO”, DIZ PARALÍMPICO DANIEL DIAS




Apesar da deficiência, Daniel Dias recebeu o título de principal nome do esporte paraolímpico do Brasil. “Tem coisas que a gente não tem que explicar, tem coisas que a gente tem que mostrar que é o agir de Deus”, afirma.

Quinze pódios paralímpicos, 30 medalhas em Mundiais, 27 em Jogos Parapan-Americanos e seis recordes mundiais. Embora tais conquistas rendessem a Daniel Dias o título de principal nome do esporte paraolímpico do Brasil, o atleta nem sempre aceitou sua deficiência.


Daniel nasceu em Campinas, no interior de São Paulo, com má formação congênita dos membros superiores e da perna direita. Foi criado em um lar evangélico e repleto de amor, mas questionou a Deus em muitos momentos de sua infância.

“Por vezes eu questionei questionei a Deus: ‘por quê eu?’. Quando eu entrei para a escola, eu era ‘o diferente’. As crianças me olhavam, eu ficava sem jeito. Houve momentos que fui chamado de Saci, aleijado… Momentos que feriram muito a criança Daniel”, ele conta à organização Atletas em Ação.

Tudo mudou quando, assistindo os Jogos Paralímpicos de Atenas, Daniel descobriu o esporte para pessoas com deficiência. Ele saiu de Camanducaia, em Minas Gerais, e se mudou para São Paulo, a fim de se aprimorar na natação.

Em apenas oito aulas, Daniel aprendeu os quatro tiros da natação: borboleta, costas, peito e nado livre. “Foi onde eu vi a mão de Deus me mostrando: esse é o seu dom. Use para falar de mim”, conta o atleta.
Em dois anos, Daniel já estava representando o Brasil em uma competição internacional. Em 2008, ele competiu nos Jogos Paralímpicos de Pequim, onde conquistou 9 medalhas — mais que qualquer competidor. Nas Paralimpíadas de Londres, Daniel ganhou 6 medalhas de ouro e quebrou 6 recordes mundiais.



O histórico no esporte rendeu a Daniel o troféu Laureus, espécie de “Oscar do Esporte”, como melhor atleta paraolímpico de 2008. Até então, apenas três outros brasileiros haviam recebido este prêmio: Pelé (Futebol, 2000) Ronaldo Fenômeno (Futebol, 2003) e Bob Burnquist (Skateboarding, 2002).

“Você assistir as Paralimpíadas, quatro anos depois você estar presente em uma e sair de lá, ainda, como o maior medalhista. Tem coisas que a gente não tem que explicar, tem coisas que a gente tem que mostrar que é o agir de Deus”, comenta o atleta.

Hoje, Daniel afirma com convicção que as pessoas não devem colocar limites em suas vidas, pois o impossível é uma questão de opinião. “É engraçado, porque eu me olho no espelho e não me vejo como uma pessoa com deficiência. Eu me vejo como um ser que foi criado por Cristo”, ressalta.

“Através de todas essas conquistas, eu estou começando a entender o porquê Deus me criou assim. Mas o principal [motivo] é para servi-Lo, é para estar aqui como um discípulo Dele”, afirma Daniel. “Tudo isso que a gente está falando de conquistas vai passar, mas o amor de Cristo jamais passa”.

“Cristo não me olha por eu não ter um braço, uma perna. Cristo olha o nosso coração. Ali naquele momento eu me sinto livre, me sinto como qualquer pessoa. Eu vejo que naquele momento a deficiência não existe”, finaliza.

***
Com informações Guia Me, via Consciência Cristã

Politicamente correto ou vergonhosamente omisso?

image from google


Em nome do “politicamente correto” os cristãos estão se tornando vergonhosamente omissos. A falta de coragem em falar a verdade é mascarada pelo “respeito” e pela “tolerância” que na realidade não é nem uma coisa nem outra, mas, sim, diante da omissão da mensagem que deve ser proclamada, custe o que custar, doa em quem doer.

Em nome do “politicamente correto”:

1) Noé teria visto sua família morrer no dilúvio, pois, anunciar o castigo de Deus ao mundo seria (hoje) uma propaganda terrorista;

2) Moisés teria ficado calado quando viu o egípcio matando aquele hebreu, afinal, seria loucura da parte dele se levantar contra o sistema estabelecido;

3) Ana, mãe de Samuel, hoje teria sido processada por “abandono de incapaz” quando cumpriu sua promessa a Deus de dedicar-Lhe o filho que Ele lhe desse;

4) Elias teria sido um intolerante, agitador e incitador de perseguição quando zombou dos sacerdotes de Baal e de seu culto idólatra, e depois mandou que fossem mortos todos aqueles prevaricadores idólatras;

5) Eliseu teria sido condenado tanto pelo IBAMA por ter usado duas ursas, e pelo MP pelo assassinato daqueles meninos que zombavam do ungido do Senhor;

6) Jeremias seria achincalhado por ser “do contra”, pois, onde já se viu um profeta profetizar “coisas ruins” quando todos os outros profetas só “profetizavam” coisas boas? Na verdade, os falsos profetas (assim como em nossos dias) sempre pregaram o que o povo quer ouvir e não o que Deus de fato manda, como o fez Jeremias;

7) E Ezequiel? Ah! Esse profeta boca suja que deveria passar por uma sessão de psicanálise na melhor linha freudiana, pois, ele só falava de sexo e órgãos genitais, sexo, e órgãos genitais… para repreender o povo.

8) Daniel e seus companheiros seriam condenados (e foram) por rebeldia contra o rei. Onde já se viu um servo de Deus se rebelar contra os governantes?

9) João Batista seria (e foi) chamado de endemoninhado, pois, somente quem tem o capeta no couro come gafanhotos com mel (ainda que em nossos dias algumas culturas saboreiem “iguarias” como essa, mas, aí, dessas culturas dizemos que é normal, e, criticá-las seria “etnocentrismo”);

10) E Jesus? Em nome do “politicamente correto” Ele seria chamado de agitador, perturbador da ordem estabelecida, megalomaníaco (se declara Deus!), absolutista, pois, Se declara como “a Verdade” e não como mais uma verdade.

11) Paulo, Pedro, João, Tiago e os demais apóstolos não passam de um bando de aproveitadores que “institucionalizaram” a Igreja de Cristo dando ensejo para que os muitos pilantras se aproveitassem da ganância travestida de ingenuidade de muitos.

Definitivamente, em nome do politicamente correto a omissão tem se instalado no coração dos cristãos que se acovardam, não têm coragem de chamarem de mal o mal, de denunciarem o pecado seja em quem e aonde for.

“A Igreja de Cristo não foi chamada para fazer relações públicas, mas, sim, dar um ultimato à sociedade” (Rev. Marcos Agripino).

Não fomos chamados para dialogar com o mundo, mas, sim, monologar, pois, pregação é monólogo (e muitas vezes ficamos sozinhos enquanto falamos).

***
Autor: Rev. Olivar Alves Pereira
Fonte: Noutesia

terça-feira, 6 de setembro de 2016

A FAMÍLIA: JUNTOS NA PRESENÇA DE DEUS – PARTE 1



Por John Piper e Nöel Piper

O louvor centralizado em Deus é extremamente importante na vida da igreja. Nós nos achegamos na hora de louvor no domingo de manhã com seriedade, sinceridade e expectativa. Nós tentamos banir tudo aquilo que é irreverente ou insignificante.

Nem todos os cultos são dessa maneira. O domingo de manhã é o Monte da Transfiguração – o lugar magnífico de glória e louvor. Domingo ou quarta-feira à noite é o Monte das Oliveiras – o espaço familiar para um momento com Deus e a comunhão.

Nesse artigo, esperamos cumprir dois objetivos: 1) demonstrar que pais (ou algum adulto responsável) devem trazer os pequeninos para o culto de louvor ao invés de mandá-los para o culto infantil; 2) dar algumas instruções práticas de como fazê-lo.
Não queremos afirmar que a nossa maneira de louvor e adoração é a única correta. Nem todas as nossas idéias se adaptam à maneira que outras igrejas fazem.

Por exemplo, não temos o sermão para as crianças como parte do culto matutino. Seria bom para as crianças, mas enfraqueceria a intensidade espiritual do culto. Para tudo tem o seu tempo. E nós cremos que pelo menos uma hora na semana devemos manter uma intensidade máxima de reverência a Deus.

O GRANDE OBSTÁCULO

Existem diversos motivos por que incentivamos os pais a trazerem as crianças para o culto. Mas, esses argumentos não pesarão muito para os pais que não amam louvar ao Senhor.

O grande obstáculo para as crianças no culto é o fato dos pais não apreciarem o momento de louvor e adoração a Deus. As crianças sentem a diferença entre obrigação e prazer. Portanto, a primeira e mais importante tarefa para os pais é se apaixonar pelo louvor a Deus. Você não pode assumir o que você não possui.

AJUNTAMENTO

É difícil superestimar a boa influência de famílias fazendo coisas valiosas como família semana após semana, ano após ano.
Cultuar é a coisa mais valiosa que o ser humano pode fazer. O efeito de 650 cultos que uma criança vai com o pai e mãe entre as idades de 4 e 17 é incalculável.

SENTIR O ESPÍRITO DO CULTO

Pais têm a responsabilidade de ensinar suas crianças pelos seus exemplos, os ensinamentos e valores de cultuar. No entanto, os pais devem querer suas crianças com eles ao cultuar para que as crianças sintam o espírito e forma de louvor dos seus pais.

As crianças devem ver seus pais abaixando suas cabeças em oração durante o prelúdio e outros momentos de louvor e adoração. Eles devem ver como os pais cantam louvores a Deus com alegria e como eles ouvem a Palavra de Deus. Eles devem sentir o espírito de seus pais encontrando-se com o Deus vivo.

Alguma coisa parece incompleta quando os pais desejam apenas levar seus filhos nos primeiros anos de formação e colocá-los com outras crianças e adultos para formar sua atitude e comportamento no culto. Os pais deveriam ficar orgulhosos por serem modelos para seus filhos do tremendo valor da reverência na presença do Deus Poderoso.

NÃO DEVE SER UMA EXPECTATIVA EXCESSIVA

Ficar sentado e quieto por uma hora ou duas não é uma expectativa excessiva para uma criança de 6 anos que foi ensinada a obedecer os pais. Requer uma medida de disciplina e isso é exatamente o que queremos encorajar os pais a trabalharem isso nos primeiros 5 anos dos seus filhos.

Desta maneira, o desejo de ter filhos no culto é parte de uma preocupação mais extensa que as crianças estão sendo criadas/educadas para então se tornarem “sob disciplina, com todo o respeito…” (1 Timóteo 3:4)

As crianças podem ser ensinadas nos primeiros 5 anos de vida a obedecerem seus pais quando dizem, “Fiquem quietos!”. Cultos alternativos não resolvem a falta de controle dos pais sobre seus filhos, mas uma renovação na disciplina em casa é necessária.

NEM TUDO PASSA EM VÃO

As crianças absorvem grande parte de tudo no culto. Isto é verdade mesmo que falem que está monótono.

Música e palavras se tornam familiares. A mensagem da música começa a penetrar. O formato do culto se torna mais natural. O coral dá uma impressão especial com o tipo de música que as crianças não ouvirão em nenhum outro lugar. Mesmo que alguns dos sermões passem despercebidos, experiências mostram que as crianças ouvem e lembram de coisas marcantes.

O conteúdo das orações, cânticos e sermões dão aos pais oportunidades sem igual para ensinar seus filhos as grandes verdades da fé. Se os pais aprenderem a indagar seus filhos após o culto e explicar as coisas para eles, a capacidade das crianças de participar vai subir.
Nem tudo o que as crianças experimentam deve ser colocado no nível delas para fazer bem a elas. Algumas coisas devem ser, mas nem todas.

Por exemplo, ao aprender uma nova língua, você deve ir passo a passo, do alfabeto ao vocabulário, para a gramática. Ou você pode fazer um curso intensivo onde você mergulhará no ensino e tudo o que você ouve é a língua que você não conhece. A maioria dos professores de língua concordará que o último citado é o mais eficaz.

O culto no domingo não é inútil para as crianças apenas por que muito passa despercebido por elas. Elas podem e aprenderão essa nova língua mais rápido do que imaginamos, isto se houver atitudes positivas e alegres dos pais.

UM SENTIMENTO DE MARAVILHA

Existe uma solenidade e algo tremendo que as crianças devem experimentar na presença de Deus. Isto talvez não aconteça no culto infantil.

Um profundo sentimento do desconhecido e misterioso pode crescer na vida de uma criança sensível através da solenidade do culto, se seus pais estão buscando fervorosamente a Deus também. O mover profundo da magnificência de Deus pode chegar no coração jovem e suave através de momentos dos grandes hinos, momento silencioso, ou durante o sermão. Isso é de um valor imensurável no cultivo de um coração que ama a Deus.

Não cremos que as crianças que têm ido ao culto das crianças por muitos anos entre as idades de 6 e 12 anos, serão melhores treinadas a participar do culto de louvor mais do que se tivessem passado anos ao lado dos pais. Aliás, o oposto provavelmente é o caso.

Será mais difícil acostumar crianças de 10-12 anos para um culto de louvor do que crianças de 5-6 anos. O cimento está mais molhado e diversas possibilidades de moldar os impulsos do coração se foram.

***
Artigo foi publicado originalmente do Desiring God, via Mulheres Piedosas

** John Piper é um dos ministros e autores cristãos mais proeminentes e atuantes dos dias atuais, atingindo com suas publicações e mensagens milhões de pessoas em todo o mundo. Ele exerce seu ministério pastoral na Bethlehem Baptist Church, em Minneapolis, MN, nos EUA desde 1980.
* Noël Piper é casada com John Piper desde 1968. Eles têm quatro filhos, uma filha e um número crescente de netos. Escritora e Palestrante, ela tem sido constantemente convidada para falar em missões e conferências. Ela congrega na Igreja Batista Bethlehem em Minneapolis, onde seu marido tem sido pastor desde 1980.

A legitimidade da ordenação dos reformadores

image from google


I. A principal causa eficiente deste chamado é Deus, quem chama o ministro internamente, e provendo-o com seus dons. O corpo que pode compor os ministros é toda a igreja, ou no mínimo a igreja representativa, pastores e presbíteros, ou o conjunto de pessoas da igreja [plebs], e não apenas bispo ou pastor. Os apóstolos não restringiram o privilégio de escolha somente a eles (At 1:23, 6;14:23).

II. Três atos são necessários para um legítimo chamado [para o ministério]: exame, eleição e confirmação.

III. O exame envolve tanto a vida como a doutrina. A vida precisa examinada antes da doutrina; se o comportamento é imoral, ele não pode ser admitido para um exame na doutrina.

IV. O procedimento para eleição é este: pessoas são nomeadas após sincera oração à Deus, do número daqueles que são escolhidos, e dentre eles é selecionado pelo voto da maioria, se votando por viva voz ou pelo levantar das mãos.

V. A confirmação é a indução da pessoa eleita, em que ele é designado para a igreja com oração pública, e seus chamado será confirmado pela imposição das mãos. Bispos não têm um poder superior e autoridade pelo direito divino.

VI. Os papistas ensinam falsamente que este chamado não é legítimo, se o último é feito pelos presbíteros e não pelo bispo.

VII. A igreja reformada aceitou o chamado dos que reformaram a igreja no tempo de nossos pais, não porque ele veio do papado, que foi um câncer na igreja, mas porque eles eram divinamente chamados por Deus e habitados com dons necessários. É objetado que eles eram chamados sob a autoridade papal, então, que deveriam ser rejeitados, pois o seu chamado expirou. Replicamos que é falso acusa-los de rejeição; eles não rejeitaram o evangelho, pelo qual foram chamados para pregar mesmo estando sob o papa, mas eles rejeitaram a corrupção do evangelho. Nem há alguma razão para afirmar que eles foram chamados para pregar a doutrina da igreja romana; se Roma coloca a sua doutrina sob o nome de evangelho, um ministro que encontrando contrária à real verdade do evangelho, poderia falar contra ela pelo privilégio de seu chamado. 

VIII. Nem podem apresentar algum fundamento sobre qual eles são capazes de desafiar o chamado dos nossos ministros de acordo com as regras acima. Antes de tudo respondemos àqueles que nos questionam por qual autoridade ensinamos no modo que Cristo respondeu a quem lhe perguntou: “o batismo de João, de onde vem, do céu ou da terra?” (Mt 21:25). Similarmente dizemos “a doutrina de nossos antepassados, que ouvimos entre nós até os dias de hoje, de onde procede? Se ela está em desacordo, deixamos que mostrem em que artigos; se ela está concordando, então eles não podem atacar o chamado de nossos ministros. Onde quer que a verdadeira doutrina seja encontrada, há ali verdadeiro chamado. E o chamado que corresponde ao exemplo dos apóstolos e a igreja primitiva é legítimo. É óbvio que o nosso chamado é desta natureza.

3. O direito de tomar decisões em matéria de doutrina é que, através dele, o entendimento da igreja em questões de doutrina e resolve controvérsias que perturbam a igreja.

***
Autor: Johannes Wollebius
Fonte: Extraído de Texto de Johannes Wollebius, "Compendium Theologiciae Christianae" in: John W. Beardslee III,Reformed Dogmatics: seventeenth-century Reformed Theology through the Writings of Wollebius, Voetius, and Turretin(Grand Rapids, Baker Books, 1977), pp. 144-145.
Tradução: Rev. Ewerton B. Tokashiki, em 25 de Agosto de 2016.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

O SANTO E O MORALISTA





Por Antônio Carlos Costa. 

Há uma diferença muito grande entre preocupar-se com a lei e ser legalista. As escrituras aprovam -a preocupação movida pelo amor- com o cumprimento da vontade moral de Deus; e, ao mesmo tempo, condenam a obsessão neurótica com a lei, movida pelo medo. Qual a diferença entre ser santo e ser legalista?

1. O santo se relaciona com Deus em amor. O moralista procura cumprir a lei em temor servil. 

2. O santo vive em liberdade sob o espírito da lei, e não no claustro do detalhismo ético. Ele vê a moral cristã à luz do conjunto mais amplo de preceitos morais e do seu escopo principal: a glória de Deus e a felicidade humana; em vez de vê-la sob as trevas da meticulosidade ética, capaz de conduzi-lo à negligência do propósito essencial da lei. 

3. O santo submete sua vida ao que as Escrituras revelam. O legalista procura impressionar a Deus com tolices criadas pelo homem. Para o santo, boa obra é apenas aquela que é praticada em amor e sujeição a preceito ético claramente revelado. 
4. O santo sabe que entrará no reino dos céus pelo sacrifício de um outro que foi espancado e morto em seu lugar. O moralista não consegue entender uma relação com Deus que não seja baseada em desempenho. 

5. O santo cai e se levanta, confiando mais na misericórdia de Deus do que na sua inocência. O moralista só se perdoa depois de haver expiado pessoalmente a sua culpa. 

6. O santo se relaciona com Deus através de Cristo. O moralista se relaciona com Deus através da lei. 

7. O santo ficou viúvo da lei e casou com Cristo. O moralista mantém o matrimônio com a senhora lei. 

8. O santo é cara de pau. Participa da festa do amor do Pai como se nada tivesse acontecido. O moralista recusa-se ir para o salão de festa sem antes passar pela senzala. 

9. O santo usa as Escrituras para revelar o amor gracioso de Deus pelos pecadores. O moralista usa a Bíblia para justificar a sessão de apedrejamento do que pecou. 

10. O santo surpreende-se com a doçura da graça de Deus. O moralista espanta-se com a estreiteza do caminho que leva ao céu. 

11. O santo é bom e justo. O moralista costuma ser apenas justo. Em suma, o santo é justo, o legalista é justiceiro. 

12. As crianças adoram a companhia do santo. O moralista as espanta. 

13. O santo não se sente livre para ser mau porque Deus é bom. O moralista tende a ser tão mau quanto o seu Deus. 

14. O santo tem sempre alguém na vida com quem pode falar sobre suas fragilidades morais. O moralista procura ocultá-las até de si mesmo. 

15. O santo encontrou na vida um Deus amável a quem cultua em amor. O moralista encontrou na vida um justiceiro celestial a quem cultua de olhos secos. 

16. O santo é progressista. O moralista é conservador. O santo conserva o que ainda é útil, santo e bom. O moralista conserva o que é relativo, temporal e anacrônico. 

17. O santo celebra a vida. O moralista só se sente bem quando está mal. 

18. O santo não busca uma santificação que o desnaturalize. O moralista tenta viver como anjo.

19. O santo surpreende-se com a condescendência divina face à sua fraqueza moral. O moralista não entende como não é mais abençoado face ao seu desempenho ético. 

20. O santo se relaciona com Deus através de Cristo. O moralista se relaciona apenas com Deus. Por isso, o santo encontra o Pai, o moralista, o Diabo. 


domingo, 4 de setembro de 2016

ORANDO PELOS POLÍTICOS DE QUEM NÃO GOSTO





Por Darin Smith

Com o ambiente político dinâmico de hoje, é muito fácil ficar se queixando e não orar por nossos líderes. É bem verdade que muitos são merecedores, infelizmente, dos comentários que recebem. Todavia, a Bíblia nos diz para orar por nossos líderes.

“Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens, em favor dos reis e de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranquila e mansa, com toda piedade e respeito” (1 Timóteo 2.1-2).

Deus nos convoca a orar por todos.

Os versos acima revelam que orar por todas as pessoas (e, em especial, pelas autoridades civis) é:
  • Uma prioridade: “Antes de tudo”;
  • Diversificado: “súplicas, orações, intercessões, ações de graças”;
  • Inclusivo: “todos os homens”;
  • Específico: “reis e de todos os que se acham investidos de autoridade”;
  • Orientado: “para que vivamos vida tranquila e mansa, com toda piedade e respeito”.

Mas, pelo que, especificamente, devemos orar por aqueles que estão em posição de autoridade? Aqui estão seis ideias de versículos bíblicos selecionados:

1 - Ore para que os líderes venham a conhecer Jesus como Senhor e Salvador.

Como todo e qualquer indivíduo, aqueles que estão na magistratura civil e na política precisam do perdão oferecido somente pela fé em Jesus Cristo. De fato, Paulo diz que orar para que nossos líderes conheçam a Cristo pessoalmente é uma oração sublime (1 Timóteo 2.1-4). Todos saem ganhando com um político vivendo uma vida centrada no evangelho.

2 - Ore para que os líderes tenham discernimento e sabedoria dados por Deus.

Aqueles que exercem autoridade de governo são diariamente encarregados de tomar decisões difíceis que afetam seres viventes tais quais eu e você – e milhões de outros! Ore para que eles tenham a sabedoria de que fala Tiago 3.13-17:

“Quem entre vós é sábio e inteligente? Mostre em mansidão de sabedoria, mediante condigno proceder, as suas obras. Se, pelo contrário, tendes em vosso coração inveja amargurada e sentimento faccioso, nem vos glorieis disso, nem mintais contra a verdade. Esta não é a sabedoria que desce lá do alto; antes, é terrena, animal e demoníaca. Pois, onde há inveja e sentimento faccioso, aí há confusão e toda espécie de coisas ruins. A sabedoria, porém, lá do alto é, primeiramente, pura; depois, pacífica, indulgente, tratável, plena de misericórdia e de bons frutos, imparcial, sem fingimento”.

3 - Ore para que os líderes tenham audácia e coragem para permanecerem na verdade de Deus.

Políticos são, muitas vezes, pressionados a assumir compromissos. Não fazê-lo pode custar suas carreiras. Ore para que Deus os dê a convicção e a firmeza para permanecerem na verdade que é eterna e não artificial.

“Sede vigilantes, permanecei firmes na fé, portai-vos varonilmente, fortalecei-vos” (1 Coríntios 16.13).

4 - Ore para que os líderes sejam humildes como Cristo.

Você realmente já parou para pensar na quantidade de poder, pessoas, lugares e personalidades às quais os líderes de governo têm acesso? Dizer que isso pode rapidamente lhes “subir à cabeça” é o eufemismo do século!

Na Providência de Deus, ore para que os líderes se lembrem que é somente quando eles dobram seus joelhos perante um Deus três vezes santo que eles verdadeiramente permanecem mais elevados.

“Ele te declarou, ó homem, o que é bom e que é o que o SENHOR pede de ti: que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus” (Miqueias 6.8).

5 - Ore para que os líderes tenham força sobrenatural.

Quantos líderes de governos têm-se envolvido em escândalos relacionados a dinheiro, sexo, álcool e uso excessivo de drogas e tomada de poder? Ore para que eles cresçam em seu conhecimento do Deus trino, para que possam evitar a tentação e ter a força necessária e determinada por Deus para evitar armadilhas que destroem não apenas suas carreiras, mas suas famílias e ideais.

“E disse-lhes: Por que estais dormindo? Levantai-vos e orai, para que não entreis em tentação” (Lucas 22.46).

6 - Ore para que os líderes sejam convencidos do pecado e busquem o perdão de Deus.

A Escritura nos leva considerar como atendemos aos padrões da Palavra de Deus. Você ora para Deus convencê-lo através de sua Palavra? Você ora para que isso aconteça com seus líderes? Ore para que o Senhor revele o pecado de maneira que você possa confessar e arrepender-se.

A inclinação de Davi não foi fugir de Deus, mas ir até ele. Ele teme a Deus por causa do que a Escritura diz sobre ele e sobre o pecado do homem – então ele vai a Deus em humilde confiança. Ele roga por perdão e socorro. Ore para que isso se dê com seus líderes.

“Quem há que possa discernir as próprias faltas? Absolve-me das que me são ocultas. Também da soberba guarda o teu servo, que ela não me domine; então, serei irrepreensível e ficarei livre de grande transgressão. As palavras dos meus lábios e o meditar do meu coração sejam agradáveis na tua presença, SENHOR, rocha minha e redentor meu!” (Salmo 19.12-14).

Considerações finais

Paulo está contando com as orações dos cristãos para a salvação das nações e daqueles que as lideram. Lembre-se: o imperador era Nero. Você sabe, o rei que queimou cristãos em estacas em suas festas ao ar livre e lançou-os aos leões. Amigo, não importa quem são nossos líderes ou em que país estamos. Devemos orar por eles. Devemos orar por nossa nação e por cada nação, nossa cultura e cada cultura, nossos líderes e todos os outros. O famoso pregador Charles Spurgeon disse: “Não sabemos o que Deus poderia fazer por nós se não fizéssemos senão orar”.

Orar pelo rei Dario fez parte do cargo público ocupado por Daniel (Daniel 6). Se quisermos que nossas orações façam um bem maior para um maior número de pessoas, precisamos incluir, em nossas orações, aquelas pessoas cujas decisões criam as circunstâncias nas quais os propósitos do evangelho prosperam. É importante orar pelos líderes do governo porque as circunstâncias que eles criam interrompem ou fazem avançar o progresso do evangelho.

Agora é a hora de orar por aqueles que foram eleitos e pelo governo que cumprirão. Você poderia fazer isso?

***
Traduzido por Leonardo Bruno Galdino - Ministério Fiel, via Voltemos ao evangelho

Depressão, o cárcere da alma

A depressão foi definida por Andrew Solomon como um parasita que suga a seiva da nossa vida. É como engolir seu próprio funeral e vestir-se de uma roupa de madeira. A depressão é o cárcere da alma, a masmorra das emoções, o cativeiro que priva milhões de pessoas de nutrirem na alma, a esperança do amanhã. A depressão é classificada como uma doença e, essa doença, que possui múltiplas causas, atinge ricos e pobres, jovens e velhos, doutores e analfabetos, religiosos e ateus. A depressão é uma doença que provoca muitas outras. Se não tratada convenientemente pode desembocar em tragédias irremediáveis. A depressão é a principal causa do suicídio no mundo.
John Piper, em seu livro O Sorriso Escondido de Deus, trata deste assunto com esmerado cuidado. Há duas posições que circulam no meio evangélico sobre o assunto, que revelam um desequilíbrio perigoso. A primeira delas liga a depressão à ação demoníaca. Os defensores dessa vertente afirmam que as pessoas deprimidas estão oprimidas e até possuídas por demônios. A segunda interpretação vincula a depressão a algum pecado específico ainda não confessado. Assim, uma pessoa fica deprimida porque esconde algum pecado que precisa ser confessado e abandonado. Não subscrevemos essas duas interpretações. Julgamo-las deficientes e assaz injustas. É muito verdade que uma pessoa pode ficar deprimida em virtude de seu envolvimento com demônios e também como resultado de algum pecado escondido. Porém, uma pessoa pode ser assolada pela depressão, mesmo levando uma vida cheia do Espírito Santo. Assim como um indivíduo pode ser cheio do Espírito e ter um problema cardíaco, também uma pessoa pode estar plena da presença de Deus e enfrentar o drama da depressão.
Se há várias causas que provocam a depressão, também há vários sintomas que a revelam. O primeiro sintoma é que a pessoa deprimida é tomada por uma desesperança crônica e passa a enxergar a vida pelas lentes escuras do pessimismo. Não vê uma luz no fim do túnel nem janelas de escape. Foi o que aconteceu com o profeta Elias. Pensou que somente ele havia restado dos profetas de Deus em Israel, quando na verdade sete mil ainda não haviam se dobrado a Baal. O segundo sintoma é olhar para a vida pelas lentes do retrovisor. Uma pessoa deprimida sente uma saudade mórbida dos bons tempos que se foram e se desespera diante das incertezas do seu futuro. Sente-se num calabouço existencial e sem ânimo e forças para sair desse cárcere da alma. Nessa saga cheia de pavores, flerta com a própria morte. Não que seu desejo seja de fato morrer, mas é que sente uma dor tão profunda na alma que o único alívio que consegue vislumbrar é o alívio da morte. Não podemos subestimar esses presságios que rondam a alma de uma pessoa depressiva. Isso é uma espécie de alarme, uma trombeta que precisa de encontrar ouvidos sensíveis. É por essa razão, que o terceiro sintoma de uma pessoa deprimida é um completo desânimo quanto ao futuro. É o desejo de fechar as cortinas da vida e colocar um ponto final na existência.
Como devemos lidar com a depressão? Como ajudar uma pessoa deprimida? Primeiro, precisamos orar por ela e com ela. Depois, precisamos cientificar-nos se essa pessoa está recebendo o tratamento médico adequado para a sua doença. Ainda, precisamos estar perto dela, oferecendo-lhe um ombro amigo, um ouvido atento e um coração generoso. Finalmente, precisamos compartilhar com ela a esperança do evangelho, o poder da graça de Deus e o consolo das Escrituras. Deus nos vivifica segundo a sua Palavra. Ele tira a nossa alma do cárcere. Ele acende uma luz de esperança no túnel escuro do nosso sofrimento. Deus arranca os gemidos da nossa alma e coloca em nossos lábios, um cântico de vitória. Em síntese, trata-se da depressão com remédio, terapia e fé.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...