terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Qual a Magia da Virada de Ano?



Como eu gosto de escrever com base em textos bíblicos estou meio que sem inspiração para escrever sobre o ano novo. Onde nas Escrituras eu poderia encontrar uma passagem, uma narrativa, um salmo ou qualquer outra referência que me desse o apoio para escrever que a passagem de um ano para o outro representa um novo começo, uma vida nova, a hora de tomar resoluções, uma espécie de momento mágico de virada onde as coisas que deram errado em 2014 ficaram para trás e tudo se faz novo em 2015?

Eu sei que não preciso de um versículo explícito sobre um assunto para poder falar dele biblicamente, se tão somente eu puder derivar de vários textos o conceito em foco. Mas mesmo assim continuo com problemas. Não encontro no Antigo Testamento nenhuma referência de que a mudança de um ano para o outro tivesse qualquer significado meio que miraculoso. Ao que parece, os judeus marcavam a passagem de um ano para o outro (que acontecia no primeiro dia do sétimo mês, aparentemente) com uma convocação ao som de trombetas para uma reunião solene, onde eram oferecidos sacrifícios ao Senhor (cf. Lev 23:23-25; Num 29:1-6). 

Existe muita polêmica entre os estudiosos sobre o Ano Novo judaico, quanto à data e à maneira como era celebrado. A razão principal é a falta de maiores informações sobre o evento, diante da enorme quantidade de informações sobre as festas religiosas como Páscoa e Pentecostes, o que mostra que a festa de Ano Novo não era tão importante assim. De qualquer forma, o Ano Novo era celebrado em Israel como um memorial ao Senhor, com direito a sacrifícios e convocação com trombetas. Não encontro nada que diga que os israelitas prometiam que naquela convocação fariam no novo ano aquilo que não fizeram no ano findo. Na verdade, o que encontro é que os israelitas tinham que amar a Deus e fazer a vontade dele o ano todo, cada ano de suas vidas. A celebração era provavelmente de gratidão a Deus.

No Novo Testamento não encontramos absolutamente nenhum sinal de que os cristãos celebravam a passagem de ano. Mas, tem uma reclamação de Paulo de que os crentes da Galácia, seguindo costumes judaicos, estavam guardando “dias, e meses, e tempos, e anos” (Gal 4:10).

Posso entender os cultos e festividades do Ano Novo como expressões culturais dos cristãos que aproveitam a oportunidade para fazer um balanço espiritual de suas vidas e igrejas no ano findo e propósitos e alvos para o ano que chega. Mas sempre fica a pergunta: se eu não estou andando com Deus em 2014, devo esperar a virada do ano para prometer fazer em 2015 aquilo que não fiz o ano todo? O que a Bíblia me diz é que “hoje” é o dia da salvação e que “agora” é o tempo de arrependimento e retorno a Deus, e que devo buscar ao Senhor “enquanto” eu posso achá-lo (Isa 55:6; 2Cor 6:2; Heb 3:13). 

Uma das primeiras das 95 teses de Lutero foi que o arrependimento (penitência) é um estado de espírito constante no cristão e não uma mortificação pontual feita no confessionário ou na hora da missa – ou na virada do ano, se posso acrescentar uma palhinha...

Apesar de tudo, podemos aproveitar o momento cultural de maneira positiva, para render graças a Deus pelas bênçãos derramadas no ano findo. E pedir que Ele nos abençoe no ano que se inicia. Aqui vai minha sugestão de uma oração a ser feita na virada do ano: 

Senhor, te dou graças por todas as bênçãos recebidas em 2014. Peço perdão de todo coração por todas as coisas erradas que fiz e pelas certas que deixei de fazer neste ano que finda [talvez aqui fosse bom fazer uma lista para deixar claro que não é só conversa]. Suplico a tua graça e misericórdia para que eu possa andar nos teus caminhos em 2015, para que eu possa me arrepender e me corrigir imediatamente após meus erros, e para que eu não fique achando desculpas e adiando aquilo que eu sei que devo fazer, de maneira que na virada para 2016 eu não tenha que vir fazer esta oração de novo. Em nome de Jesus, amém”.

Um abençoado 2015 a todos.

Fonte: O Tempora, O Mores


Quem poderá nos defender dos excessos de pastores egocêntricos?

.


Por Thiago Oliveira


Lamentavelmente escrevo esse texto sabendo que muitos vão aqui comentar coisas do tipo: “Ele faz isso, mas ganha muitas almas para Jesus, e você o que faz além de julgar?” ou “Ele fez o que de errado? Ora, deixem ele falar do Evangelho.” Daí você se pergunta, quem é ele e o que ele faz/fez. Ok, vou explicar.

O Pr. Lucinho Barreto, da Igreja Batista da Lagoinha pregou no último Sábado (06/12) um sermão intitulado “E agora, quem poderá me defender?” Até aí tudo bem... Sobre a pregação, a intenção era falar sobre depender de Deus. Ótimo! Só que o Lucinho chega no púlpito vestido de Chapolin Colorado (veja aqui) e é ovacionado por isso. Diante dos aplausos ele arremata o bordão do famoso personagem do recém falecido Roberto Bolaños: “Não contavam com minha astúcia!”

No púlpito, o Lucinho conta diversas piadinhas e até faz referência a uma música da funkeira Anita (Pre-pa-ra). Ele grita, se ajoelha, acena, assobia, gargalha... enfim, um típico showman. Seria muito bom para uma empresa tê-lo como palestrante motivacional. Talvez algum programa televisivo fizesse sucesso com um apresentador tão eletrizante quanto ele. Mas para ser um mensageiro bíblico, o Lucinho com a sua personalidade narcisista, está distante do que Deus requer para o ofício de ser porta-voz da Palavra revelada.

Em seu excelente livro, Supremacia de Deus na Pregação, o Pr. John Piper fala que o alvo da pregação deve ser a glória de Deus. Ou é isso, ou de nada vale pregar. A partir do momento que um pastor ou mensageiro da Palavra começa a desfocar desse alvo, deixando de manter a sobriedade, este deixou de glorificar ao seu Senhor e até passa a querer ser o centro das atenções. E muitos em nosso meio costumam associar sobriedade com frieza. Se um pastor conduzir os ouvintes a quietude, muitos acharão que a mensagem foi enfadonha, morosa, lúgubre, etc. Segundo Piper (pág 49), muitos pastores têm se deixado levar por tal pensamento e o resultado disso é:
“...uma atmosfera de pregação e um estilo de pregação contaminados com trivialidades, leviandade, negligência, irreverência e uma sensação generalizada de que nada de proporções eternas e infinitas está sendo feita ou dita aos domingos”.

Obviamente que o pregador não precisa ser engessado ou robótico. Ele deve ser vibrante, entusiasmado, afinal, é do Evangelho que ele fala. E não há nada mais vibrante do que o Evangelho, não é mesmo? Charles Spurgeon, um dos maiores evangelistas da história da Igreja tinha um humor peculiar. O pastor presbiteriano Augustus Nicodemus é, atualmente, um bom exemplo de alguém que faz o bom uso do humor e conta suas anedotas vez ou outra. No entanto, leviandade é diferente de bom humor. Lógico que uma risada é sadia e que a alegria é marca de todo o cristão satisfeito em Cristo Jesus. Mas para tudo existe limite. Transformar um sermão num roteiro de stand-up comedy não é uma ideia sensata. A pregação é a forma que Deus estabeleceu para falar aos pecadores e auxiliar na perseverança dos santos. Se as pregações virarem palhaçada, como alguém dará crédito a esta mensagem?


O próprio Lucinho é exemplo disso. Ele inventou de “cheirar a Bíblia” para dizer que os jovens precisam ser loucos por Jesus. Sua iniciativa, com perdão do termo, abobada, virou matéria de um programa de TV e o apresentador não aguentou e mandou que a matéria deixasse de ser exibida, ao vivo (veja aqui). Um incrédulo censurou o Lucinho, que para a repórter que o entrevistava, disse que fazia essas coisas para atrair os adolescentes, pois estes acham os assuntos sobre Deus (ou religião) muito chatos.

É justamente nesse afã de querer incrementar o Evangelho que as bizarrices começam a se proliferar. Como disse anteriormente, alegria é inerente do cristão e o apóstolo Paulo escrevendo aos filipenses fala muito sobre alegria (Fl 4.4). Porém, na mesma carta, Paulo chora por causa dos inimigos da cruz de Cristo (Fl 3.18). Ou seja: nem tudo são flores! Se o alvo da mensagem é a glória de Deus, e Ele é glorificado quando chamamos pecadores ao arrependimento, esta mensagem não pode ser trivial. Se vestir de Chapolin é algo tão despojado que fere o caráter sóbrio da pregação que diz “arrependei-vos e convertei-vos”. Não só a sobriedade como também a seriedade desta mensagem, pois a resposta a ela resultará em vida eterna ou morte eterna.

Em 2 Timóteo 4.3 lemos o seguinte Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos. Isso é um retrato do que estamos vivendo. Incomodados com a agressão que é a Palavra de Deus (ou você acha que uma espada que penetra na divisão das juntas e medulas não causa dor?), os homens de nosso tempo forjam um pseudo-evangelho que massageia o ego e diz tudo aquilo que queríamos ouvir, e não o que devemos ouvir. Spurgeon, certa feita disse que chegaria um dia em que no lugar dos pastores alimentando as ovelhas haveria palhaços entretendo os bodes. Ele estava muito certo.

O egocentrismo de pastores feito Lucinho e outros que para serem notados e ganharem fama nas redes sociais vestem coisas bizarras (veja aqui) e falam palavrões, são um câncer que vem destruindo a Igreja progressivamente. Aonde estão os homens que pregam a cruz? Aonde estão os pastores que não querem o aplauso dos homens? Aonde estão as pregações que falam que Deus lançará no inferno os pecadores resolutos?

Não desanime, ainda existem homens comprometidos com o Evangelho ao ponto de negarem o aplauso dos seus ouvintes. Duvida? Então, se não conhece, recomendo a você a assistir ao vídeo dessa pregação aqui do Paul Washer. E para terminar, contarei uma anedota que não me lembro onde li ou ouvi, sobre o já citado Charles Spurgeon. Mas ela diz que numa certa conferência na Inglaterra vitoriana, alguns jovens ao verem o pastor do primeiro dia pregar ficaram maravilhados e diziam entre si: “Você viu aquele pregador? Nossa como ele prega bem. Que oratória. Que sermão!”. No segundo dia, Spurgeon foi o preletor e após a conclusão da sua mensagem os jovens, novamente admirados, falavam uns com os outros: “Você viu como Jesus é perfeito? Como Jesus é bom! Como Jesus é admirável! Quão lindo é Jesus”.

Que Deus nos presenteie com pastores segundo o Seu coração! Soli Deo Gloria!

***
Fonte: Electus
Divulgação: Bereianos
.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Consciência Cristã promoverá Encontro Internacional de Cientistas


O evento contará com um total de 111 preleções, realizadas durante os 16 eventos paralelos e 10 plenárias.
por Gospel Prime

Consciência Cristã promoverá Encontro Internacional de Cientistas

O 17º Encontro para uma Consciência Cristã será marcado pela estreia de novos eventos paralelos, e um deles é 1º Encontro Internacional de Cientistas Cristãos. Este evento paralelo acontecerá entre os dias 14 e 17 de fevereiro, todas as tardes, na Igreja Presbiteriana Central de Campina Grande (PB). Para esse evento, já foi confirmada a presença de Josh McDowell, apologista norte-americano, além de Marcos Eberlin, Adauto Lourenço e Ricardo Marques.
Josh McDowell é um apologista, evangelista e escritor cristão evangélico norte-americano. Com mais de 70 livros publicados, algumas das suas obras mais conhecidas são Mais que um Carpinteiro, Evidência que Exige um Veredito e A Testemunha. Bem conhecido como um orador articulado, Josh já ministrou para mais de 25 milhões de pessoas, dando mais de 26 mil palestras em 125 países.
Fora Josh McDowell, outros três palestrantes estão confirmados para o evento, a exemplo de Adauto Lourenço. Ele que é autor de vários livros, entre eles “Gênesis 1 e 2″ e “Como tudo começou” da Editora Fiel, Adauto Lourenço é formado em Física pela Bob Jones University, nos Estados Unidos, e possui Mestrado pela Clemson University, USA. É conferencista internacional, está envolvido ativamente com o Criacionismo Científico, e faz palestras em Igrejas, Conferências, Escolas e Universidades no Brasil, Portugal, Estados Unidos e África.
Marcos Eberlin também palestrará durante 1º Encontro Internacional de Cientistas Cristãos . Ele é Doutor em Química pela UNICAMP. Ele fez seu pós-doutorado no Laboratório Aston de Espectrometria de Massas da Universidade de Purdue, USA. Atualmente, é professor titular da UNICAMP, onde coordena o Laboratório ThoMSon de Espectrometria de Massas. Eberlin também é membro da Academia Brasileira de Ciências e comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico. Ganhador de vários prêmios importantes, como Zeferino Vaz de Reconhecimento Acadêmico e Scopus – Capes de excelência em publicações e formação de pessoal, o químico preside a Sociedade Internacional de Espectrometria de Massas, além de ser editor associado do periódico Advances da Royal Society of Chemistry.
Marcos Eberlin já publicou cerca de 450 artigos científicos com mais de 6000 citações em áreas diversas da Química e Bioquímica, e Ciências dos Alimentos, Farmacêutica e dos Materiais.
Por último, Ricardo Marques, biólogo, mestre em Ciência pela UFC. Paleontólogo, cadastrado no Directory of Palaeontologists of the World. Zoólogo, astrobiólogo pela University of Edinburg, biólogo forense, membro da International Crime Scene Investigators Association. Perito ambiental, consultor Classe 5.0 (registro técnico-federal/IBAMA). Psicanalista clínico e neuropsicólogo, membro da Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento (SBNeC) e da International Mind, Brain and Education Society (IMBES). Educador, pesquisador, professor universitário e conferencista.
Autor de várias publicações, inclusive artigos e livros científicos e materiais didáticos e paradidáticos. Analista de inteligência, membro da Associação Brasileira dos Analistas de Inteligência Competitiva (ABRAIC). Um dos fundadores e coordenador do Núcleo Cristão de Informação – NCI.
As palestras discutirão temas controversos da ciência, dentro de uma perspectiva acadêmica e cristã. O objetivo é demonstrar que a ciência não é fonte de conhecimentos absolutos, já que ela muda a todo momento, mas que, se ela for abordada de forma honesta, não entrará em contradição com o que é ensinado nas Escrituras.
Para assistir a todas as palestras da Consciência Cristã, que acontecerá no Complexo do Parque do Povo, em Campina Grande, o participante deverá fazer gratuitamente a sua inscrição. Esta inscrição pode ser realizada online no site do evento (www.conscienciacrista.org.br).


quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

O Natal é de Jesus

.


Por Rev. Ericson Martins


A cada ano, ao aproximar-nos das festividades do Natal, nos deparamos com diversas polêmicas, das mais variadas, quanto ao seu real significado.  

1. Há aqueles que duvidam da legitimidade dessas festividades porque, possivelmente, o mês do nascimento de Jesus não poderia ser considerando o mês de Dezembro em nosso calendário. Duvidam, inclusive, da necessidade de comemorar essa data para a fé cristã;

2. Outros rejeitam veementemente o Natal representado por um simbolismo que, em geral, combina a figura da criança divina com as conhecidas “árvores de Natal”, presentes, velas, guirlandas, neves, ursos polares, sinos, e até com a figura do “Papai Noel”;

3. Também, há aqueles que são simplesmente indiferentes por assumirem que essas festividades fazem parte de um grande esquema comercial alimentado pelo consumismo e pela ignorância quanto ao significado do natal de Jesus, o qual independe de festas e compras;

4. Pelo fato do Natal ser uma data comemorativa essencialmente cristã, muitos simplesmente a ignora por pertencerem à outras religiões, por serem ateus ou mesmo agnósticos; 

5. Mas há ainda um grupo de pessoas que encara o Natal apenas como uma grande oportunidade para reunir a família e se fartar de alimentos preparados especialmente para a ocasião. Nesse sentido, pensa ser necessária a exigência meramente ocasional de cobrir as mágoas familiares, as infidelidades conjugais, a omissão da responsabilidade na educação dos filhos, etc, para que o Natal encontre o seu significado em tal reunião. Embora o encontro da família seja altamente positivo, definitivamente ele não dá significado bíblico ao Natal.

O Natal diz respeito à Jesus Cristo, o Filho de Deus, o qual veio como Homem resgatar o seu povo da eterna condenação do pecado, reconciliando-o definitivamente com Deus, visto que o seu nascimento pressupôs a sua missão. Aliás, as festividades do Natal só encontram a sua verdadeira e mais significativa razão nos resultados da missão de Jesus, iniciadas por seu nascimento virginal, sofrimento, sacrifício, ressurreição ao terceiro dia, ascensão aos céus e pelo seu testemunho transformador em todo o mundo, chamando pessoas ao arrependimento para viverem nova vida, pelo Espírito, diante de Deus. 

Celebrar o Natal sem a experiência de gratidão por tamanho plano de salvação que Deus bondosamente executou por seu Filho Jesus, é apenas uma atividade social, vazia da adoração àquele que é unicamente digno de atenção: JESUS CRISTO.

O Natal é de Jesus, portanto, comemore-o pelo o que ele é e pela salvação que ele oferece, mesmo que não tenha familiares em sua volta, mesmo que não tenha presentes para compartilhar, mesmo que não esteja cercando uma mesa farta de alimentos,... porque Deus está com você se você está com Jesus!
***
Fonte: PIPG - Boletim Semanal, Ano XXIII - Nº 103

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Vinacc lança programação final da 17ª Consciência Cristã

A Paraíba Impactando o Brasil!

O evento contará com um total de 111 preleções, realizadas durante os 16 eventos paralelos e 10 plenárias.
por Gospel Prime



Vinacc lança programação final da 17ª Consciência Cristã
A menos de 60 dias para a Consciência Cristã 2015, a programação completa – com seus respectivos preletores, temas e participações musicais – foi finalizada. Muitas novidades estão presentes em nossa programação, como a participação do apologista norte-americano Josh McDowell, que palestrará sobre as evidências históricas da veracidade da Bíblia, e do pastor americano Justin Peters, conhecido por seu trabalho de refutação do “Evangelho” da prosperidade.
Já no âmbito nacional, participarão pela primeira vez do evento o pastor Paulo Junior, conhecido por seu trabalho no site Defesa do Evangelho; Elias Medeiros, Chefe do Departamento de Estudos Interculturais do Reformed Theological Seminary em Jackson, Mississippi, Estados Unidos; e Simone Quaresma, colunista do portal Mulheres Piedosas. Além destes, nomes já conhecidos do evento, como Hernandes Dias Lopes, Adauto Lourenço, Renato Vargens e outros também ministrarão durante o encontro.
Outro que teve sua presença confirmada, e somou ao nosso rol de preletores em 2015, foi Marcelo Gualberto. Ele que é graduado em Teologia e Letras, pós-graduado em Recursos Humanos e Gestão Gastronômica e Hoteleira. É pastor da Comunidade Presbiteriana Central em Belo Horizonte. Trabalha há mais de 30 anos com a MPC (Mocidade Para Cristo do Brasil), sendo o atual Diretor Executivo Nacional. Escreveu “Amigo da Tchurma” e “Era outra vez Madalena”. É casado com Vânia, pai de três filhas (Carolina, Miriã e Clarice) e avô da Marcela.
Também tivemos a adição de Tiago Santos (Fiel/SP) e Leonardo Gonçalves (Púlpito Cristão/SP) que palestrarão durante a 5ª Consciência Cristã Teen.
Todos esses palestrantes ministrarão ao longo dos 16 eventos paralelos da Consciência Cristã. Entre estes, teremos duas grandes novidades: O 1º Encontro Internacional de Cientistas Cristãos e o 1º Encontro sobre Liderança numa Visão Cristocêntrica. O Encontro de Cientistas será um marco na história da CC, visto que grandes nomes, como Josh McDowell, Marcos Eberlin, Ricardo Marques e Adauto Lourenço foram escolhidos para dar início a este evento. O objetivo do encontro é esclarecer alguns mitos criados pela ciência moderna e pós-moderna, e estudar os pressupostos do que seja a boa ciência – tudo isso dentro de uma perspectiva cristã.
Já o 1º Encontro sobre Liderança numa Visão Cristocêntrica é o evento paralelo que os Pastores e Líderes de igrejas não podem perder. Nomes como Paulo Junior, Messias Anacleto, Aurivan Marinho, Jorge Noda, Elias Medeiros foram confirmados para este evento.
Acontecerá também a 2ª edição do Encontro Apologético Internacional da Paraíba. A primeira edição teve a presença do apologista norte-americano Norman Geisler e, no próximo ano, terá como destaque os apologistas Josh McDowell e Justin Peters. Outra novidade está no 2º Seminário de Surdos numa Visão Cristocêntrica, que terá como preletor o Pr. Fábio Veodato, do Paraná. No Brasil existem mais de três milhões de surdos que devem ser alcançados pela graça de Deus e, atualmente, existem nove pastores surdos de diversas denominações. O Pr. Fábio é o segundo pastor surdo ordenado do Brasil, sendo o primeiro da Igreja Presbiteriana Independente de Londrina, no Paraná.
Além desses, outros eventos com públicos específicos continuarão no próximo ano, como o 4º Encontro de Mulheres para uma Consciência Cristã, o 5º Consciência Cristã Teen (com foco nos adolescentes), o 15º Encontro para a Juventude, além de outros nas áreas da sexualidade; Louvor e adoração; Missões; Dependência Química; Teologia e Filosofia etc. Todos os eventos paralelos já estão com seus temas definidos e podem ser acessados aqui (link).
No que diz respeito às participações musicais, teremos uma programação rica com a presença do Grupo Logos (SP), Embaixadores de Sião (PE), Tenda do Encontro (PB), Ministério Visão Cristocêntrica (PB), Orquestra Átrios de Louvor (PB), Coral Sarah Kalley (PB), Coral Robert Kalley (PB), Coral da Primeira Igreja Batista de C. Grande (PB), Coral Renascer (PB), Coral Silvino Sylvestre (PB), Socorro Teles (PB), Cristiano Borges e AD Souto (PB).
Teremos também a 3ª FELICC, Feira do Livro da Consciência Cristã, que terá a participação das principais editoras cristãs do país, além da Visão Cristocêntrica Publicações, a VCP, selo editorial do evento. No stand da VCP, os participantes poderão adquirir materiais e pregações dos preletores que fazem parte da Consciência Cristã. A feira contará com grandes títulos e ótimos descontos. Fora o Restaurante Maná, que pelo segundo ano consecutivo servirá refeições e lanches durante o evento. Desta vez, o local estará ainda mais bem estruturado e pronto para atender os pedidos de todos os participantes.
Marque na sua agenda os dias 12 a 17 de fevereiro, se programe, faça sua inscrição (saiba mais aqui), monte sua caravana (saiba mais aqui) e venha participar conosco da 17ª Consciência Cristã. O Evento acontece em Campina Grande – Paraíba e a sua participação é gratuita.


Fonte:gospelprime

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Na batalha espiritual a ética sai perdendo

.


Por Thiago Oliveira


No movimento conhecido por Batalha Espiritual, encontramos os mais variados “espíritos”: da embriaguez, da prostituição, do homossexualismo, do adultério e até o da solteirice eu já ouvi falar. Tais entidades malignas, segundo os adeptos dessa teologia, se apossam dos homens de maneira que estes cometem os pecados mencionados. Para exorcizar estes “espíritos” segue-se uma série de rituais, atualmente são os mais variados possíveis. Uns ensinam que é preciso queimar os seus pecados (anotados em um pedaço de papel) numa fogueira, outros acham que é necessário enterrá-los. Uns fazem jejuns, benzedeiras, orações repetitivas, lavagem para purificação e etc... Ah! Quase ia esquecendo, também é necessário dizimar e ofertar para repreender o “espírito de miséria”. 

Pois bem, nessa teologia espúria que é a Batalha Espiritual, quem sai mesmo perdendo é a ética. Em nenhum local da Bíblia se encontra respaldo para afirmar que os pecados são um produto de entes diabólicos. Embora Satanás tenha a sua influência perversa no sistema de governo humano, toda prática pecaminosa é proveniente da nossa natureza caída. Pecamos por que somos herdeiros de Adão. Isto é o que os teólogos reformados chamam de “Depravação Total do Homem”. Jesus nos ensina isso: 

Mateus 15:19 – “Pois do coração saem os maus pensamentos, os homicídios, os adultérios, as imoralidades sexuais, os roubos, os falsos testemunhos e as calúnias”.

Paulo nos diz que adultério, prostituição, embriaguez e afins são obras da nossa natureza carnal:

Gálatas 5:19-21 – “Ora, as obras da carne são manifestas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem; idolatria e feitiçaria; ódio, discórdia, ciúmes, ira, egoísmo, dissensões, facções e inveja; embriaguez, orgias e coisas semelhantes. Eu os advirto, como antes já os adverti, que os que praticam essas coisas não herdarão o Reino de Deus.

Antes de listar as obras carnais, o apóstolo Paulo havia dito que nós desejamos tudo aquilo que é contrário ao Espírito, e nesse conflito vivemos (Gl 5:17). Já o apóstolo Tiago, em sua epístola, fala com todas as letras que é a nossa cobiça que nos leva a pecar (Tg 1:14-15). Mas então, o que tem ocorrido? Simplesmente deixamos nossa culpa de lado e usamos as hostes do mal para culparmos. Engraçado é que no relato da queda (Gn 3) ocorre o mesmo: Quando Deus interroga Adão por ter desobedecido e comido o fruto da árvore do bem e do mal, Adão culpa Eva, e esta por sua vez, coloca a culpa na Serpente. Ninguém assume seu erro, apenas transfere para outrem.

Quando falo que a ética sai perdendo, me refiro a norma correta de agirmos. Diante do pecado, a primeira coisa a fazer quando tomamos consciência dele é arrepender-se e confessar. A confissão, hoje cada vez mais escassa no seio da Igreja, é o primeiro passo para o tratamento que visa o abandono da prática pecaminosa confessada. Transferir a culpa para o “espírito disso ou daquilo” é não assumir os seus próprios atos, e isso é muito grave quando estivermos diante do tribunal de Deus.

O interessante é que observamos isso também no âmbito da política. Muitos candidatos evangélicos fizeram campanhas em cultos e cruzadas, e grande parte deles levaram a corrupção para o campo místico. Realizaram então os já mencionados “atos proféticos” para que o “espírito da corrupção” saísse da câmara, do senado, do governo e por aí vai. Só que os mesmos candidatos, ao serem eleitos, no exercício de seus mandatos, envolveram-se em escândalos e são investigados por corrupção. Existe um dado do portal Transparência Brasil que indica que todos os políticos que encabeçam a dita bancada evangélica, estão sob investigação parlamentar ou jurídica. Lamentável, todavia, o antídoto para isso é reconhecer a nossa degeneração e buscar o auxílio do Espírito para andarmos segundos os retos princípios da Escritura Sagrada, pois ela é proveitosa para instruir os homens em justiça, para toda boa obra (2Tm 3:16).

Agostinho, em uma fala de suas Confissões declara que desde a mais tenra infância trazia consigo a herança adâmica:

“Escuta-me, ó meu Deus! Ai dos pecados dos homens! E quem isto te diz é um homem, e tu te compadeces dele porque o criaste, e não foste autor do pecado que nele existe.
Quem me poderá lembrar o pecado da infância, já que ninguém está diante de ti limpo de pecado, nem mesmo a criança cuja vida conta um só dia sobre a terra? Quem mo recordará? Acaso alguma criança pequena de hoje, em quem vejo a imagem do que não recordo de mim? E em que eu poderia pecar nesse tempo? Acaso por desejar o peito da nutriz, chorando? Se agora eu suspirasse com a mesma avidez, não pelo seio materno, mas pelo alimento próprio da minha idade, seria justamente escarnecido e censurado. Logo, era então digno de repreensão o meu proceder; mas como não podia entender a censura, nem o costume nem a razão permitiam que eu fosse repreendido. Prova está que, ao crescermos, extirpamos e afastamos de nós essa sofreguidão; e jamais vi homem sensato que, para limpar uma coisa viciosa, prive-a do que tem de bom”.

Que nós, cristãos, possamos reconhecer nossas faltas perante o Senhor e perante os demais homens, e não nos esconder atrás de uma teologia da patifaria. É com arrependimento que o pecado é deixado, e não com a promoção de rituais e “atos proféticos” que não passam de teatro e que causam um efeito placebo de que a “coisa” foi resolvida, quando na verdade nunca foi. Finalizo com a seguinte passagem bíblica:

Tiago 4:7-11 – “Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós. Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Alimpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai os corações. Senti as vossas misérias, e lamentai e chorai; converta-se o vosso riso em pranto, e o vosso gozo em tristeza. Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará”.

***
Divulgação: Bereianos

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Vale tudo para evangelizar?

.


Por Richardson Gomes


Nesse final de semana li um pequeno texto de uma antiga edição da revista da Juerp,de um autor que não me lembro o nome, onde ele cita uma pesquisa que foi feita em várias igrejas com a pergunta: "Qual a principal missão da Igreja?" A resposta foi quase sempre a mesma: "Evangelizar". E provavelmente esta também foi sua resposta. Diante de tantas estratégias para se conseguir um número maior de pessoas, onde muitos têm promovido festas, baladas, bares, curas, milagres, prosperidades e acham que "tá tudo certo com Deus" se colocarem o nome "gospel" no final da frase, uma reflexão deve ser feita: A principal missão da Igreja é glorificar a Deus, inclusive quando se prega a Sua Palavra. 

Hoje, os jovens não se contentam mais com a Palavra de Deus, não estão mais satisfeitos com ela, querem algo a mais. E aí, vêm aqueles que querem atrair o povo fazendo todo tipo de coisa pra chamar a atenção dos jovens. Se vestem de Chapolin, fazem encenações, põem jogos de luz, fumaça, artistas e pronto, o show está feito. Estão deixando de lado o que é certo pra fazer o que dá certo. O que falta hoje é amor à Glória de Deus. O que estão fazendo é simplesmente um circo para entreter toda essa criançada.

Contudo, ainda insistem no erro de que "muitos estão sendo transformados". E esse é o grande problema. Resultados nunca foram e nunca serão prova que ministério A ou B é fiel ao Senhor. Testemunhos, mudanças de vida, milagres e até vidas salvas não garantem que uma pessoa é correta. Garantem que Deus é misericordioso e soberano para usar quem quer que seja para cumprir seus planos eternos.

Pense comigo num violão e num instrumentista. Ainda que o violão seja perfeito, não haverá música boa se o instrumentista não souber tocar. Mas todos nós sabemos o que um exímio instrumentista pode fazer com qualquer violão. Não há glória para o instrumento. A diferença está na habilidade do instrumentista. Eis algumas passagens na Bíblia que nos ensinam que ser usado não significa ser fiel: 

Nabucodonosor foi um homem perverso, mas Deus o chamou de “meu servo”: E agora eu entreguei todas estas terras na mão de Nabucodonosor, rei de babilônia, meu servo; e ainda até os animais do campo lhe dei, para que o sirvam. E todas as nações servirão a ele, e a seu filho, e ao filho de seu filho, até que também venha o tempo da sua própria terra, quando muitas nações e grandes reis se servirão dele.” (Jeremias 27:6-7)

Na parábola dos talentos, todos são chamados de servos. Tanto os bons e fiéis, como os maus e inúteis: Porque isto é também como um homem que, partindo para fora da terra, chamou os seus servos, e entregou-lhes os seus bens. E a um deu cinco talentos, e a outro dois, e a outro um, a cada um segundo a sua capacidade, e ausentou-se logo para longe. [...] Então aproximou-se o que recebera cinco talentos, e trouxe-lhe outros cinco talentos, dizendo: Senhor, entregaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco talentos que granjeei com eles. E o seu senhor lhe disse: Bem está, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor. [...] Mas, chegando também o que recebera um talento, disse: Senhor, eu conhecia-te, que és um homem duro, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste; E, atemorizado, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu. Respondendo, porém, o seu senhor, disse-lhe: Mau e negligente servo; sabias que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei?” (Mateus 25: 14-15; 20-21; 24-26)

Até Satanás, quando Deus se irou contra Israel, foi usado por Ele para se levantar contra Seu povo. Até Satanás é servo de Deus. “Tornou a ira do SENHOR a acender-se contra os israelitas, e ele incitou a Davi contra eles, dizendo: Vai, levanta o censo de Israel e de Judá” (2Sm 24.1). “Então, Satanás se levantou contra Israel e incitou a Davi a levantar o censo de Israel” (1Cr 21.1).

Reflita no que o apóstolo Paulo diz, quando ele e Apolo são vítimas de idolatria por parte de alguns de seus seguidores: Porque, dizendo um: Eu sou de Paulo; e outro: Eu de Apolo; porventura não sois carnais? Pois, quem é Paulo, e quem é Apolo, senão ministros pelos quais crestes, e conforme o que o Senhor deu a cada um? Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimento. Por isso, nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento.” (1 Coríntios 3:4-7)

Um ministério não é bom porque é usado por Deus, um ministério é usado por Deus porque Deus é bom. O problema é que quando as pessoas se prendem aos resultados para justificar seus ministérios, estão demonstrando que amam mais os resultados do que a Deus. Fidelidade é continuar temente a Deus, sem corromper-se, sem desviar-se do evangelho, sem deixar a centralidade de Cristo e a autoridade das Escrituras, mesmo que não haja nenhum resultado. Nem mesmo o apóstolo Paulo usou os resultados para defender-se. Pelo contrário, ele disse: “Pois, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, porque me é imposta essa obrigação” (1 Co 9:16). Peço-lhe que reflita nisso, com temor e tremor, e antes de achar que uma pessoa está no caminho certo somente porque é usada por Deus, lembrem-se: Deus usou uma mula.

Se você sabe que tem ouro nas mãos, você entende que não precisa de nenhum enfeite para valorizá-lo. Preguemos somente as Escrituras. Nos voltemos somente para Cristo. Nos rendamos somente à Graça de Deus. Glorifiquemos somente à Deus. Esta é a nossa missão: Proclamar a Glória de Cristo. Enquanto você oferecer doces para que as pessoas venham a Cristo, elas serão apenas cheias de doces e vazias de Cristo. Que em meio à tanta falta de zelo por Deus, nós possamos nos revestir da Sua Palavra, para que não caiamos nos mesmos erros. Que Deus tenha misericórdia de nossas vidas e nos preserve até o fim.

***
Sobre o autor: Richardson Gomes é bacharelando no Seminário Batista do Ceará. Membro da Igreja Batista Missionária em Jd. América - Fortaleza/CE.
Divulgação: Bereianos
.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Natal e o nome de Jesus

.


Por Rev. Augustus Nicodemus Lopes


Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles.” Mateus 1:21

De acordo com o relato acima, do Evangelho de Mateus, o nome de Jesus Cristo foi dado pelo anjo Gabriel, quando anunciou seu nascimento a José, desposado com a virgem Maria. Gabriel não somente disse que Maria estava grávida pelo Espírito Santo de Deus, como orientou José a chamar o filho de “Jesus”.

A razão para este nome, cuja raiz em hebraico significa “salvar”, é que aquele menino, filho de Maria e Filho de Deus, haveria de salvar o seu povo dos seus pecados, conforme anunciou o anjo.

Não precisamos ir mais longe do que isso para entender o significado do Natal. Está tudo no nome do Menino. No nome dele, Jesus, temos a razão para seu nascimento, a sua identidade e a missão de sua vida. Em outras palavras, aquilo que o Natal realmente representa.

A razão do seu nascimento é simplesmente esta, que somos pecadores, estamos perdidos, não podemos resolver este problema por nós mesmos e precisamos desesperadamente de um Salvador, alguém que nos livre das consequências passadas, presentes e futuras dos nossos erros. Deus atendeu nossa necessidade escolhendo um homem como nós para ser nosso representante e Salvador, alguém que partilhasse da nossa humanidade e fosse um de nós. Esse homem nasceu há dois mil anos naquela manjedoura da cidade de Belém, num país remoto, lá no Antigo Oriente. E ganhou o nome de Jesus por este motivo.

Sua missão era assumir nosso lugar como nosso representante diante de Deus e sofrer todas as consequências de nossos pecados, erros, iniquidades, desvios e desobediências. Em vez de castigar-nos com a morte eterna, como merecemos, Deus faria com que ele a experimentasse em nosso lugar, que ele experimentasse toda dor e sofrimento consequentes dos nossos pecados. Essa missão foi revelada logo ao nascer, pelo anjo Gabriel, ao recitar seu nome a José: Jesus.

Para nos salvar de nossos pecados, ele teria de sofrer e morrer, ser sepultado, ficar sob o domínio da morte e, desta forma, pagar inteiramente nossa dívida para com Deus. Somente assim poderíamos ser salvos das consequências eternas de nossa desobediência. Mas, para que os benefícios de seu sofrimento e de sua morte pudessem ser transferidos a outros seres humanos, ele não poderia ter pecado ou culpa, pois, senão, ao morrer, estaria simplesmente recebendo o salário do seu próprio pecado. Mas, se ele fosse inocente, sem pecado e perfeito, sua morte teria valor para os pecadores. Por este motivo, ele foi gerado pelo Espírito Santo no ventre de Maria, ainda virgem, Filho de Deus, sem pecado. O Salvador tinha que ser Deus e homem ao mesmo tempo.

Quando um colunista, que objeta ao nascimento sobrenatural de Jesus, escreveu recentemente em um jornal de grande circulação de São Paulo que virgens não dão à luz todos os dias, ele estava mais certo do que pensava. Esse é o único caso. Jesus é único. Deus e homem numa só pessoa. Nem antes e nem depois dele virgens engravidam sobrenaturalmente. Da mesma forma que Deus não cria mundos todos os dias, também não gera salvadores de virgens cotidianamente. Pois nos basta este.

O famoso teólogo suíço Emil Brunner disse que todo homem tem um problema no passado, no presente e no futuro. No passado, culpa. No presente, medo. E no futuro, a morte. Jesus nos salva de todas estas consequências do pecado: nos perdoa da culpa de nossos erros passados, nos livra no presente do medo ao andar conosco e nos livrará da morte, pois ressurgiu dos mortos e vive à direita de Deus. Um dia haverá de nos ressuscitar.

É isto que o Natal representa. É por isto que os cristãos o celebram com tanta gratidão e alegria. Nasceu o Salvador. Nasceu Jesus! Como este anúncio alegra o coração daqueles que têm culpa, sentem medo e sabem que vão morrer!

***
Fonte: PIPG - Boletim Semanal, Ano XXIII - Nº 101 - 7/12/2014

Quanto custa ser um Cristão?

.

Por Leandro Antonio de Lima

Quanto custa ser um cristão hoje? Em muitos casos pode ser bastante caro. E não estamos falando dos custos do discipulado conforme Jesus descreveu, ou seja, sobre a necessidade de deixar para trás a velha vida, de amar menos os pais ou os amigos, de tomar a cruz e seguir Jesus pelo caminho. Estamos falando de dinheiro mesmo. Custa caro. Em muitas igrejas, em todos os cultos, o momento da entrega dos dízimos e ofertas ocupa uma parcela considerável, com todo tipo de testemunhos sobre as vantagens de fazer grandes ofertas e até apelações sobre invocação de maldições para aqueles que se recusarem a ser fiéis. Há também todo tipo de objetos “abençoados” que se forem adquiridos trarão bênçãos especiais sobre os possuidores, sem falar em todos os “produtos” gospel, como CDs, camisetas, chaveiros, livros, etc. Toda essa apelação tem um argumento muito simples: quanto mais você contribuir com a obra de Deus, mais Deus o abençoará financeiramente.

Jesus ensinava seus discípulos a não se apegarem aos bens materiais e a estarem preparados para enfrentar sofrimentos e privações por causa dele, mas hoje os pregadores proclamam dos púlpitos que os crentes serão prósperos, que terão todos os seus sonhos realizados, que desfrutarão de todo o conforto que esta terra pode oferecer. Hoje os pregadores resumem todo o sofrimento a que Jesus se submeteu desde seu nascimento até à sua terrível morte por crucificação como sendo para fazê-los “felizes”, “prósperos” e “saudáveis”. Esses mesmos pregadores ensinam os crentes a fazerem negócios com Deus, a provar a fidelidade de Deus. O método geralmente é o de depositar uma gorda quantia na conta da igreja e esperar que Deus irá recompensarem dobro ou triplo. Na verdade isto, além de ser uma excelente técnica de arrecadação, é também um excelente método de fazer discípulos de Mamon. Este tipo de pregação que se torna mais comum a cada dia tem criado “crentes” obcecados por dinheiro e felicidade. O apelo que o dinheiro produz dentro de nós é muito grande. Como diz John White, “nenhum cristão diria que o dinheiro é Deus; mesmo assim, creio que carregamos a culpa de adorá-lo” ¹. Ainda mais, quando a pregação o exalta tanto.

Quase sempre quando se fala em contribuição na Igreja, um texto monopoliza as exposições: Malaquias capítulo 3. O famoso e quase onipresente texto do momento da entrega dos dízimos e ofertas descreve uma situação peculiar do povo de Israel. Com as seguintes palavras Deus se dirigiu ao seu povo: “
Porque eu, o SENHOR, não mudo; por isso, vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos. Desde os dias de vossos pais, vos desviastes dos meus estatutos e não os guardastes; tornai-vos para mim, e eu me tornarei para vós outros, diz o SENHOR dos Exércitos; mas vós dizeis: Em que havemos de tornar? Roubará o homem a Deus? Todavia, vós me roubais e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me roubais, vós, a nação toda. Trazei todos os dízimos à casa do Tesouro, para que haja mantimento na minha casa; e provai-me nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós bênção sem medida. Por vossa causa, repreenderei o devorador, para que não vos consuma o fruto da terra; a vossa vide no campo não será estéril, diz o SENHOR dos Exércitos. Todas as nações vos chamarão felizes, porque vós sereis uma terra deleitosa, diz o SENHOR dos Exércitos” (Ml 3.6-12).

Esse é um texto riquíssimo em que Deus se manifestou ao povo de Israel em sua imensa misericórdia, pois mesmo o povo estando em pecado, Deus não os consumiu. Por causa de sua imutabilidade, Deus continuava amando e tratando com o povo desobediente. Mas em que eles estavam sendo desobedientes? Deus os havia feito voltar do exílio da Babilônia. Era o tempo da reconstrução da nação e do serviço religioso. Mas, o povo estava mais preocupado em reconstruir suas próprias casas e seu conforto familiar. Ao invés de cumprir aquilo que a Lei ordenava a respeito das ofertas e dos sacrifícios, eles estavam manipulando essas coisas, sacrificando animais defeituosos (Ml 1.6-8) e claramente, retendo aquilo que deveria ser entregue na casa de Deus. Por causa disso, Deus reteve sua bênção e não abençoou seus campos, de modo que a produção deles estava muito baixa. Mesmo assim, eles não percebiam que era a mão de Deus. Então, Deus os chamou ao arrependimento e disse que fizessem uma prova. Deus mandou que eles entregassem corretamente os dízimos e ofertas e assim os abençoaria novamente.

A pergunta que precisa ser feita é: esse texto pode ser aplicado às igrejas hoje? Primeiramente precisamos dizer que tudo o que foi registrado na Bíblia, como Paulo disse, foi registrado para nossa edificação e advertência (1Co 10.11). Sendo assim, tudo o que está escrito na Bíblia é útil para nós. Mas isso não significa que tudo possa ser aplicado diretamente à nossa situação em todos os seus detalhes. Precisamos considerar os contextos de cada escrito. A necessidade de entregar dízimos e ofertas para a casa de Deus não é algo que se possa discutir. A questão é: qual é a motivação que um crente deve ter ao fazer isso? Nessa passagem, Deus não está mandando todo mundo fazer “prova dele” ao entregar os dízimos e ofertas. Aquilo foi uma questão especial para aquele povo que não estava entregando e também não estava percebendo que por causa disso estava sendo amaldiçoado por Deus. Deus propôs uma prova justamente para que eles percebessem que a infidelidade era a causa da retenção da bênção.

A motivação correta para alguém entregar seus dízimos e ofertas não pode ser o anseio de receber mais. Todo anseio exagerado por lucro tende a ser pecaminoso. Seria totalmente nefasto alimentarmos um sentimento errado diante de Deus ao entregarmos nossos dízimos e ofertas para ele. Então que sentimento devemos nutrir? Primeiramente o de obediência. Se somos chamados a fazer isso, então, cabe a nós obediência. Mas é preciso ir além. O verdadeiro sentimento é o de gratidão. Na verdade, o que faltava ao povo de Judá era justamente gratidão. Deus não os havia libertado do cativeiro da Babilônia? Não os havia devolvido a terra e o próprio templo? Mas eles não percebiam essas coisas.

Paulo em seu tempo já falou de homens que misturavam fé e lucro. Ele alertou Timóteo a respeito de homens “cuja mente é pervertida e privados da verdade, supondo que a piedade é fonte de lucro” (1Tm 6.5). Evidentemente estes homens estavam mais interessados nos ganhos financeiros que podem ser obtidos através da religião, do que em relação ao compromisso com Deus que se requer para uma vida piedosa. Eles pensavam que a piedade podia ser fonte de lucros, e isto também se parece com as pessoas dos dias de hoje que enfrentam todo tipo de “rituais evangélicos” para obterem prosperidade. Paulo entende que a piedade é fonte de lucro sim, mas de outro tipo de lucro, aquele que vem com o contentamento (1Tm 6.6). A lógica de Paulo é muito parecida com a de Jó:
“Porque nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele. Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes”(1Tm 6.7-8).
 
O contentamento é a grande virtude do cristão. É preciso entender o quanto a tentação de obter riquezas pode causar mal à vida do cristão. Paulo diz:
Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição. Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores” (1Tm 6.9-10).
Estes versos deveriam ser afixados em todos os pára-brisas dos carros dos crentes, pois é uma palavra extremamente importante para os nossos dias. Nos alerta sobre coisas terríveis que podem sobrevir àqueles que se enveredam pelo caminho da cobiça e da ganância. É muito importante entender que Paulo está falando de cristãos neste capítulo. Ele percebe claramente que muitos estão tentando servir a Deus e a Mamon conjuntamente, mas ele sabe que afinal, se continuarem nesta prática, servirão apenas a Mamon. Tentação e ciladas sempre estão no caminho de quem tem o desejo de enriquecer. Especialmente o auto-engano se apresenta como uma cilada difícil de evitar. Quem se torna avarento, dificilmente percebe sua própria avareza, pois sempre encontrará álibis para justificá-la. Não é sem motivo que Paulo diz que o amor pelo dinheiro conduz as pessoas a todo tipo de pecados, pois como diz Calvino:
não há males que este não produz farta e diariamente: incontáveis fraudes, falsidades, perjúrio, impostura, extorsão, crueldade, corrupção judicial, contendas, ódio, envenenamentos, homicídios e toda sorte de crimes”²
Calvino está relatando o que era comum em seus dias no século 16, mas parece estar falando de coisas do noticiário de hoje. O maior de todos os perigos e que é também o maior de todos os feitos que Mamon consegue realizar é desviar as pessoas da fé. A advertência de Paulo, portanto, é premente. Amar ao dinheiro desvia as pessoas da fé. Mas é curioso que hoje tantos pregadores dizem que é preciso ter fé para conseguir mais dinheiro.


Notas:
1 John White, Dinheiro não é Deus, p. 14.
2 João Calvino, As Pastorais, p. 170. 1b39


Autor: Leandro Antonio de Lima
Fonte: [ Igreja Presbiteriana de Stº. Amaro 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...