sábado, 29 de abril de 2017

A realidade e o que devemos aprender com a igreja perseguida | Ron Boyd Macmillan (Portas Abertas)

Ron Boyd Macmillan, da missão Portas Abertas, fala sobre a realidade da igreja perseguida.
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Ron Boyd MacMillan, escocês diretor estratégico da Missão Portas Abertas, compartilha sobre a realidade da igreja perseguida em palestra no Encontro para Consciência Cristã.

Para você, Deus é um Deus de segurança ou de perigos?

Segundo Macmillan, quando se trata da igreja perseguida, eles crêem que Deus é perigoso, não um lugar de segurança. Portanto, se você quer ouvir sobre a igreja perseguida, ela te ensinará verdades perigosas, profundas, que não vamos ouvir em um sermão habitual de domingo.

“O ministério do diabo”

Macmillan explica que essa é uma expressão muito comum entre a igreja perseguida. Segundo eles, a tarefa do diabo é criar guerra entre os crentes e o ministério dele é nos revelar o tamanho real do nosso Deus. O parte perigosa é que somente nas circunstâncias em que parece que o diabo ganhou o jogo, conseguimos enxergar a real dimensão do nosso Deus. Mesmo o diabo, no final, acaba realizando a vontade de Deus.

O responsável pelo maior avivamento na China: um ditador

Macmillan compartilha de uma viagem a Pequim, logo após um massacre contra cristãos na cidade, em que ao bater na porta de um de seus contatos, foi convidado a celebrar a vida do responsável pelo maior avivamento que já havia passado pela China. Eles brindaram Mao Tsé Tung.
Macmillan conta que ficou assustado, pois Mao Tsé Tung havia sido um ditador comunista, que assassinou diversas pessoas e foi terrível à igreja, fechando igrejas e queimando bíblias. O missionário diz que perguntou a seus amigos “como vocês podem afirmar que esse homem foi responsável pelo maior avivamento na China?” e a resposta que ouviu foi “Deus tem um uso até para monstros. Esse homem foi instrumento para que o avivamento chegasse à China”.
A partir daí, eles explicaram que antes de Mao Tsé Tung, os chineses não eram muito religiosos, tinham alguns rituais de oferecer ofertas aos ancestrais, mas não levavam religião a sério. Segundo eles, em seu sistema político de veneração ao governo, Mao Tsé Tung  ensinou o povo chinês a adorar, quando eles não tinham esse costume. Evidentemente, ele ensinou o conceito de que o próprio Mao era deus, uma adoração a si mesmo. Entretanto, ele morreu, e deuses não são supostos a morrer.

Passando de adorar ao governo para uma adoração ao Deus verdadeiro

E então, pela primeira vez em 30 anos, evangelistas no país foram aos vilarejos ensinando a verdade de Cristo e as pessoas deixavam a adoração a Mao e passavam a adorar o único Deus verdadeiro, vila após vila pelas quais passavam. Nesse processo, 50 milhões de pessoas se converteram em 10 anos nas áreas rurais do país. Mao Tsé Tung na verdade se tornou o “bobo de Deus”, pois mesmo achando que estava matando a igreja, foi o maior pré-evangelista da igreja, trazendo o avivamento à igreja. O diabo estava por trás de Mao Tsé Tung, e achou que estivesse fazendo um bom trabalho, indo contra os santos, mas todo mal foi utilizado para o grande avivamento na igreja chinesa.

Devemos aprender com a igreja perseguida

Precisamos nos conectar com a realidade da igreja perseguida, pois ela apresenta a imagem mais cristalina de quem Deus é. Não foi fácil viver naqueles dias, nossos irmão tiveram que perseverar, mas por sua perseverança o Senhor tirou do mal o bem. Esse é o plano maior de Deus para o Brasil e para o mundo. Precisamos olhar para fora e crer que coisas ainda maiores estão acontecendo no mundo. O diabo continua colocando em prática o seu pior, e Deus continua tornando esse pior no melhor possível.

Assista a mensagem completa na plataforma Blesss

Nessa mensagem, Ron Boyd Macmillan compartilha ainda mais testemunhos da realidade da igreja perseguida.
Com o objetivo de edificar a igreja de Cristo, a Vinacc desenvolveu a plataforma Blesss. Nesse projeto você pode encontrar essa e outras mensagens completas, em vídeos exclusivos de diversos preletores. São pacotes temáticos para um aprendizado centrado na palavra de Deus. Clique aqui e confira.

Ron Boyd Macmillan

Ron Boyd Macmillan, escocês, correspondente e diretor estratégico da missão Portas Abertas junto aos países perseguidos.

A legitimidade e os limites do Governo e da política na teologia da Reforma | Solano Portela

Solano Portela fala sobre a legitimidade e os limites do Governo e da política na teologia da Reforma no Consciência Cristã. Acesse blesss.org e assista a mensagem completa
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Em palestra proferida no Consciência Cristã, o teólogo Solano Portela fala sobre a teologia transladada à visão política e como devemos entender o governo, o Estado e as questões ao nosso redor.

Governo: dádiva legítima dada por Deus

A bíblia nos mostra que o governo é uma dádiva legítima e benéfica por Deus aos homens para permitir a organização social, as leis e regências, que os povos e nações tenham uma estrutura na qual permaneçam coesas. As estruturas são influenciadas pelo pecado, e a criação geme esperando a redenção de Deus, mas é o próprio Deus aponta uma estrutura que abriga o princípio divino da autoridade.

Qual o propósito do governo?

Portela lista quatro itens que constituem o propósito do governo:
  1. Contenção do pecado
  2. Resistência à violência
  3. Limitação do arbítrio
  4. Deixar aclarado o caminho dos justos e pacíficos

O Estado na tradição reformada

Solano Portela cita Hebden Taylor, afirmando que se não houvesse queda, não haveria necessidade do Estado. Na visão católico-romana, não é essa relação entre Estado e queda, mas na visão reformada é diferente. A partir disso, o governo serve como forma de efetuar o senso de organização que já existe desde a criação.

Uma vez estabelecida a legitimidade bíblica do controle do governo, é legítimo o envolvimento do cristão com a política?

Portela explica que o conceito de política está inteiramente ligado ao envolvimento com a cidade. O cidadão pode se envolver com política se candidatando a algum cargo, exercendo seu direito ao voto ou até mesmo respeitando essa estrutura de governantes e governados que, conforme dito, é apontada primeiramente por Deus. Dessa forma, segundo Portela, é impossível uma posição de não-envolvimento com política.

O envolvimento cristão com a política na história

Portela faz um panorama a respeito do envolvimento de cristãos com práticas políticas no decorrer da história.
O início do Novo Testamento é caracterizado por perseguições e martírios, e a participação da igreja na política era quase nula devido a esse momento difícil. Porém é exatamente  nesse momento que são registradas instruções preciosas sobre o governo. A palavra, então, nos indica os limites de autoridade dos governantes e os deveres dos cidadãos.
À medida que o cristianismo ia se expandindo, cristãos foram tomando lugares de autoridade e posições eclesiásticas passam a se confundir com o lugar do Estado. Segundo Solano Portela, em função do crescimento da população evangélica no Brasil, hoje enfrentamos uma situação muito parecida de promiscuidade entre igreja e Estado, em que passa a ser politicamente correto defender os interesses dos cristãos. Essa situação é algo que devemos tomar muito cuidado, pois não é a partir disso que vamos transformar o Brasil, mas a partir do Evangelho de Cristo.
Na época da Reforma, há uma volta de foco nas Escrituras e uma mudança estrutural. Na visão dos reformadores, a escritura é examinada a exaustão em busca de princípios éticos e sociais que deveriam permear o dia a dia das pessoas, inclusive na política.

O pensamento de João Calvino

Calvino tem uma extrema importância na história da igreja, sendo responsável por formular teses teológicas usadas até hoje por muitas igrejas. Grande parte do que Calvino escreveu era para contestar os anabatistas, que eram extremamente contra o envolvimento de cristãos com política.
Calvino afirma que o governo é biblicamente legítimo, mas não deve ser confundido com a igreja. Ele não é ingênuo, sabe que as posições de poder são preenchidas por pecadores que podem cometer atrocidades, mas não deixa de os colocar no lugar de servos de Deus, conforme aponta Paulo.

Assista a mensagem completa na plataforma Blesss

Nessa palestra, Solano Portela fala ainda sobre o pensamento de outros reformadores a respeito de Política e governo e a relação entre a soberania de Deus e o Estado.
Com o objetivo de edificar a igreja de Cristo, a Vinacc desenvolveu a plataforma Blesss. Nesse projeto você pode encontrar essa e outras mensagens completas, em vídeos exclusivos de diversos preletores. São pacotes temáticos para um aprendizado centrado na palavra de Deus. Clique aqui e confira.

Solano Portela

Solano Portela é bacharel em matemática aplicada pelo Shelton College (Cape May, NJ: 1967-1971) B.A., magna cum laude. É também formado em teologia em nível de Mestrado pelo Biblical Theological Seminary (Hatfield, PA: 1971-1974), nos Estados Unidos da América. É autor de: “O que estão ensinando aos nossos filhos?” – uma análise da pedagogia contemporânea e da resposta de uma educação escolar cristã”; “Educação Cristã”? (FIEL); “A Lei de Deus Hoje”, “A Pena Capital e a Lei de Deus, “Disciplina na Igreja – a marca em extinção”, “Por Que a Fé Reformada”? e “Fazendo a Igreja Crescer” (Puritanos); “Cinco Pecados que Ameaçam os Calvinistas” (PES); “Fé Cristã e Misticismo” (Cultura Cristã); “Fundamentos Bíblicos da Educação” (ACSI); alguns desses em coautoria. É presbítero, serve na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro (São Paulo), onde leciona uma classe de Escola Dominical e prega periodicamente.

O QUE DEU ERRADO NA IGREJA EVANGÉLICA?

PARE, LEIA E PENSE!

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Eu tenho uma tristeza inquietante na alma: a situação da igreja evangélica.
As pessoas deixaram a convicção da infalibilidade, autoridade e inspiração das Escrituras, a desprezaram totalmente. O que se requer de uma interpretação bíblica hoje é o: “eu acho”; “eu penso”; “a cultura mudou”; “minha experiência diz”. Esqueceram que a única voz que deve ser ouvida é aquela que vem após o “Assim diz o Senhor”.
Lembro de ler o Leonard Ravenhill, foi o primeiro autor cristão que li na minha vida, o livro é “Por que tarda o pleno avivamento?”. Se eu não estiver enganada (foi há muito tempo), ele aborda a questão do púlpito para com os bancos da igreja.

Parafraseando-o, é como se ele dissesse, “o que vemos nos bancos da igreja é o resultado do púlpito”. Existe um mal dentro das “nossas” igrejas, devemos como diversas vezes fala o Pentateuco: Eliminar o mal de vosso meio! Maldito liberalismo, maldita neo ortodoxia, maldito tudo aquilo que elimina o transcendente, resultando numa “fé” deísta e num ateísmo cristão.
O rev. Nicodemus fala desse ateísmo cristão e também diz: “As nossas ações são reações das nossas fundamentações teológicas”. O que há de errado com esse ensinamento medíocre que leva os cristãos (neófitos também) a abraçarem ideologias sem fim? Tudo!
Há “crentes” feministas, comunistas, petistas, tantos “istas”. Abraçam com fervor a causa da ideologia de gênero, de raça. Apoiam aborto, defendem o fórum de São Paulo, idolatram a direita, criticam quem não é vegetariano e ainda usam o filme a Cabana para evangelizar ou propagam as falácias de uma teologia “integral”.
É necessário e com urgência, que voltemos ao Evangelho. As Escrituras que é a palavra de Deus! Sem melindres e mesmo com açoites, melhor sofrer por ter feito o bem em nome de Cristo e não o mal. Consideremos como servos inúteis, por fazer apenas o que deveria ser feito.
Aos que estão fora da igreja, ao ver essa balbúrdia, conceda-nos Deus em Sua Graça o alcance pelo proclamação genuína do evangelho.
Minha esperança é Nele, que na cruz venceu e reina soberanamente. “O Senhor estabeleceu o seu trono nos céus, e como rei domina sobre tudo o que existe.” ~ Salmos‬ ‭103.19.

Por Morgana Mendonça Santos
Fonte: Facebook

Somente teólogos liberais são moralmente liberais?

image from google


Quem pensar que somente os teólogos que usando o método histórico-crítico, ou outro método teológico de tradição liberal, apoiarão o homossexualismo, ou usarão a Bíblia para legitimizar a união estável entre pessoas do mesmo sexo, está enganado. Sabemos que há quem negue o método hermenêutico crítico-histórico, e até sustente uma perspectiva conservadora e inerrante da Escritura Sagrada e, ao mesmo tempo adote incoerentemente uma interpretação de legitimização do homossexualismo, ou seja, que a relação ou união estável entre pessoas do mesmo sexo não é algo proibido na Escritura Sagrada.


Pode-se mencionar, por exemplo, o Dr. Marten Woudstra, falecido ministro da Christian Reformed Church, ex-professor de Antigo Testamento no Calvin Seminary e presidente da comissão de tradução da NIV - que é acusado de ter diluído a tradução onde os textos mencionam homossexualidade [acesse aqui]. Em outro site trás um artigo com o título: Homosexuals On the NIV Translating Committee que reforça a mesma acusação. É sabido da associação do Dr. Woudstra com os Evangelicals Concerned [grupo teologicamente conservador, porém gay nos EUA].

William L. Graig em seu livro "Apologética para questões difíceis da vida" (Edições Vida Nova) no capítulo onde discute sobre HOMOSSEXUALIDADE ele introduz o assunto mencionando uma situação em que um erudito em NT ao ser convidado para palestrar para os Evangelicals Concerned teve o seguinte diálogo: "As pessoas estavam realmente preocupadas a respeito do que você ia falar", disse o anfitrião após o encontro. "Por quê?" - ele perguntou surpreso - "Vocês sabem que não sou homofóbico!". Mas o anfitrião lhe tranquilizou: "Imagina! As pessoas não estavam preocupadas com isso!" E acrescentou: "Na verdade, elas estavam com medo de que você fosse defender o método histórico-crítico". [pág. 142). No site oficial dosEvangelicals Concerned cita-se vários teólogos e links de artigos e debates que tentam legitimizar favoravelmente a homossexualidade e a Bíblia.

Por isso, penso que o método crítico e o liberalismo teológico em suas diferentes e elásticas formas tendem a favorecer o homossexualismo, mas não negaria que teólogos conservadores, que endossem a doutrina da inerrância não cheguem por outras vias na mesma conclusão permissiva. Assim, não vejo de modo simplista e dualista a situação: teólogos liberais sempre serão favoráveis ao homossexualismo, enquanto que os conservadores serão contra!

Obviamente que todo teólogo ao interpretar o texto analisando a intencionalidade do autor, verificando a sintaxe, e examinando-o em seu contexto histórico poderá verificar que em nenhum lugar as Escrituras dão apoio ao homossexualismo. O intérprete pode até não concordar com o que a Bíblia diz, mas ele terá que reconhecer que ela não legitimiza a união estável entre pessoas do mesmo sexo!

P.S.* "The Bible does not speak clearly enough on this issue!" - A Bíblia não fala claramente acerca deste assunto!"

***
Autor: Rev. Ewerton B. Tokashiki
Fonte: Estudantes de Teologia

A importante diferença entre legalidade, moralidade e licitude

image from google


Pode parecer trivial, mas não é. Legalidade, moralidade e licitude são facetas distintas e que nem sempre são intercambiáveis, ainda mais quando colocadas sob o prisma da Escritura. Esta tríade deve ser constantemente levada em conta e ponderada durante nossos afazeres, sejam no cotidiano ou nalguma situação específica.

Vejamos um exemplo típico:

Um cristão se depara com um imóvel à venda. O preço: 30% do valor de mercado. Ou seja, uma casa que normalmente seria vendida por R$200.000,00, está sendo oferecida por R$60.000,00. Parece um excelente negócio, certo?

Do ponto de vista da legalidade, tal venda pode ser legal, isto é, de acordo com a lei que rege a vontade das partes - pacta sunt servanda (o pacto faz lei entre as partes) - não haveria problema algum em se vender pelo preço que se bem entende. Todavia, poderia configurar sonegação de impostos, levando o Ministério Público a averiguar se, embora tenha havido um contrato no valor firmado, não foram pagos os R$140.000,00 restantes "por fora", a fim de "aliviar" o imposto de renda do comprador e vendedor. 

Do ponto de vista da moralidade, tal venda jamais deveria acontecer, supondo que de fato fosse vendida somente por R$60.000,00, pois ninguém em sã consciência vende algo tão abaixo do preço, exceto se estiver extremamente endividado e precisar do dinheiro "para ontem". O comprador cristão, vendo o sufoco em que o vendedor se encontra, não deveria "acabar por puxar a corda" e o enforcar, mas, sim, oferecer um preço justo pela casa - talvez não os 200 mil iniciais, mas algo próximo.

Do ponto de vista da licitude, tal venda é plenamente lícita, afinal, houve acordo entre as partes. Não havendo algum dos tradicionais vícios de consentimento (erro, dolo, coação, estado de perigo, lesão, fraude contra credores e a simulação), o negócio é lícito, não havendo que se arguir coisa alguma.

O que isso nos ensina? Nos ensina que nem sempre porque alguma coisa está na Lei (agora me refiro à lei dos homens), significa que é legal ou moral, ainda que lícita.

Ainda outro exemplo:

Um cristão expondo o evangelho em sua Universidade, é proibido de continuar falando de Cristo.

Do ponto de vista da legalidade dos homens, eles veem o cristão como um transgressor, pois mesmo tendo o direito Constitucional à liberdade religiosa (Art. 5º, CF), essa suposta liberdade não pode ferir a liberdade de outrem em não querer ouvir. Desta forma, o cristão oscila entre a legalidade e ilegalidade dos homens, mas tem a legalidade bíblica ao seu lado.

Do ponto de vista da moralidade, o cristão estará sendo imoral, pois à vista dos homens é alguém que deseja impor suas crenças sob os demais (ainda que não seja isso). Para o cristão, porém, falar da Escritura é a mais reta, pura, justa e desejável moralidade, de maneira que mesmo se tendo por imoral, ele continuará a falar - buscando, dentro do possível, respeitar a legalidade dos homens.

Do ponto de vista da licitude, o cristão está realizando algo plenamente lícito, pois a ninguém está obrigando coisa alguma, mesmo que os homens digam que não é moralmente correto ele continuar com sua anunciação do evangelho. 

O que novamente aprendemos? Que nem sempre algo imoral do ponto de vista dos homens, será, necessariamente, imoral sob o foco da Escritura.

Não desejando soar cansativo, vejamos um último exemplo onde vemos a licitude sendo tolhida.

Um cristão deseja escutar algum grupo musical, mas não tendo dinheiro para adquirir o "CD", se vê tentado à baixar toda a discografia da banda gratuitamente, entretanto, de modo "pirata".

Do ponto de vista da legalidade, ele está diante de uma norma legal sem qualquer eficácia, pois ainda que o comércio pirata seja ilegal, já existem decisões dos tribunais que reconhecem a legalidade dos downloads, desde que para uso pessoal. Ou seja, é ilegal, mas ao mesmo tempo é legal. Como muitas vezes as decisões dos tribunais se sobressaem à norma escrita, passou a ser legal.

Do ponto de vista da moralidade, o cristão se vê diante de um problema: passou a ser legal, mas será que é moral? Caso o cristão estivesse do lado do grupo musical, ele gostaria de ver todo seu trabalho sendo pirateado pela internet? Pode ser que sim, mas pode ser que não. Ele fica, então, em fogo cruzado, pois de um lado a Escritura diz que devemos obedecer aos magistrados, por outro lado, ela também diz que devemos não furtar o próximo. Já a legalidade diz que é moralmente aceito fazer o download, ao passo que o grupo musical pode não ver desta forma.

Do ponto de vista da licitude, se percebe que é lícito baixar, pois é legal (passou a ser, em verdade), no entanto, esta licitude é por demais relativa. Assim, embora o cristão tenha a legalidade e a moralidade do mundo ao seu favor, diante de Deus acaba por se tornar ilícito baixar tais músicas em face da não aceitação desta norma legal pelo grupo musical.

Portanto, amado cristão, verifique muito atentamente todas as ocasiões que se descortinam diante você. Nem sempre porque está na Lei dos homens (Código Civil, Penal...), será moral. Não é porque a Lei condena que também será sempre imoral (como pregar o evangelho, por exemplo). De igual forma, não é porque algo é lícito à luz dos homens, que será moral e legalmente correto diante de Deus.

"Todas as coisas [permitidas no evangelho] me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma" (1Co 6.12).

***
Autor: Filipe Luiz C. Machado
Fonte: 2 Timóteo 3:16

terça-feira, 25 de abril de 2017

Ex atrizes pornô testemunham a nova vida em Cristo Jesus

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Crissy Outlaw e Brittni Mora relatam como Jesus transformou suas vidas e agora servem e seguem a Deus.
As ex atrizes Crissy e Brittni ganharam fama e dinheiro com a indústria de filmes pornográficos, mas agora sevem à Deus. Crissy de 41 anos e Brittni de 30, se converteram se casaram com seus esposos e são mães, que levam a mensagem do Evangelho por onde passam.
Testemunho de Crissy
Crissy, em seus testemunhos nas igrejas, conta sobre sua difícil infância, cujo foi abusada sexualmente por anos desde os 4 anos pelo vizinho. Sempre tinha problemas com auto estima e depressão. Ela cresceu pensando que tinha “alguma” coisa errada com ela, e por isso nunca contou sobre os abusos aos pais.
Aos 17, ficou gravida de seu primeiro namorado e decidiu abortar: “Foi uma das situações mais traumatizantes que aconteceu comigo”, disse ela.
Ela conta que tornou-se modelo e aos 23 em atriz pornô, e apesar de ganhar muito dinheiro, constantemente tinha vontade de morrer e um enorme vazio.
Aos 31, “destroçada por dentro”, Crissy disse que já não podia suportar, então ajoelhou e gritava ajuda: “Deus! Se você é real, preciso que me mostre um sinal, porque tudo o que eu sei sobre o amor não é verdade. Preciso sentir você em minha vida”.
No dia seguinte, ao sair com alguns amigos de seu namorado, descobriu que um deles era cristão ele falou sobre Jesus e ela “creu” ser a resposta do sinal que pediu.
Crissy se casou em 2013 com Lawton Outlaw, um dos jovens da igreja que passou a congregar.
Hoje, são pastores e colaboram com o ministério XXXChurch, um dos maiores sites contra a pornografia.
Testemunho de Brittni
A história de Brittni é similar. Quando jovem, ela luto contra as drogas, depressão e transtorno alimentar. “Eu vivia deprimida. As drogas eram a única coisa que me ‘ajudava’ a passar o dia, porque me davam um pouco de energia e a falsa sensação de felicidade”, contou.
Aos 16 anos, ela já trabalhava no mundo da pornografia em Santa Bárbara, Califórnia. Sua infância girou em torno do abandono e instabilidade emocional.
Durante 7 anos de sua vida ela gravou 275 filmes pornográficos e ganhou mais de 3 milhões de dólares, porém, gastou tudo com medicamentos, porque apesar de ser “estrela do cinema”, caiu em profunda depressão e também tentou suicídio, segundo publicou Daily Mail.
Hoje, Brittni é cristã e leva seu testemunho de transformação em Cristo Jesus por onde passa.
 
Com informações Daily Mail e NC
Imagem: reprodução web

Estudante cubana é expulsa de universidade por não concordar com comunismo


A estudante Karla María Pérez González pertence a uma organização civil cubana que defende o pluripartidarismo, as eleições abertas e a imprensa independente.
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Karla María Pérez González foi acusada de não estar alinhada com a Revolução Cubana e ter publicado artigos críticos ao regime.
Oito votos a favor e seis contra. Foi com esse “placar” que, na semana passada, os colegas de curso da jovem cubana Karla María Pérez González decidiram que a estudante do primeiro ano de jornalismo deveria ser expulsa da a Universidade Central de las Villas (UCLV), na província de Villa Clara.
Eles acusam Pérez de não estar alinhada com a Revolução Cubana e ter publicado artigos críticos ao governo de Cuba em um blog com o pseudônimo de Oriana. A decisão da “brigada do primeiro ano” foi ratificada de imediato pelo conselho da Federação Estudantil Universitária (FEU) da UCLV e pela reitoria.
Por meio de um comunicado, a FEU informou que Pérez é “integrante de uma organização ilegal e contrarrevolucionária”, contrária aos princípios, objetivos e valores da Revolução Cubana. “O colegiado universitário não aceitará jamais a contrarrevolução dentro de nossas universidades”, diz um trecho da nota divulgada na semana passada.
“Junto ao nosso indiscutível, invicto e eterno Comandante em chefe reafirmaremos sempre: ‘…dentro da Revolução, tudo; contra a Revolução, nada'”, afirmou a organização, no comunicado publicado no site da Universidade Central de das Villas.
“Fui expulsa por não compactuar com as ideias comunistas e não comungar com o sistema socialista cubano – pelo qual ainda não estou convencida por todos esses anos”, disse ela à BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC.
Pérez faz parte da Somos+, uma organização civil cubana que defende o pluripartidarismo, as eleições abertas e a imprensa independente. A Somos+ é considerada ilegal e dissidente pelo regime cubano.
Com informações da UOL e BBC
Imagem: Reprodução
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Calvino e a Prosperidade

image from google


A FÉ NÃO CONTEMPLA A PROSPERIDADE TERRENA, MAS A SALVAÇÃO E A VIDA ETERNA.

Ora, na benevolência divina, à qual dizemos que a fé contempla, entendemos que se obtém a posse da salvação e da vida eterna. Ora, se não pode faltar-nos bem algum quando Deus nos acolhe sob sua proteção, é suficiente segurança de nossa salvação que ele nos testifique o amor que nos tem. "Mostre ele sua face", diz o Profeta, "e seremos salvos" [Sl 80.3,7,19].

Do quê as Escrituras formulam esta síntese de nossa salvação: que, uma vez abolidas todas as inimizades, ele nos recebeu em sua graça [Ef 2.14,15]. Com isto dão evidentemente a entender que, uma vez que Deus esteja reconciliado conosco, não resta o menor perigo de que todas as coisas não nos sucedam bem. Portanto, a fé, aprendendo o amor de Deus, tem as promessas da vida presente e da vida futura [1 Tm 4,8], bem como a firme certeza de todas as coisas boas, a qual, porém, pode ser depreendida da Palavra.

Ora, por certo a fé não promete longevidade, nem honra, nem riquezas nesta presente vida, uma vez que nada destas coisas o Senhor quis que nos fosse destinado; pelo contrário, vivemos contentes com esta certeza: por mais que nos faltem muitas coisas que dizem respeito ao sustento desta vida, Deus, no entanto, jamais nos haverá de faltar. Mas, sua primordial certeza reside na expectação da vida futura que, pela Palavra de Deus, foi posta além de toda dúvida. Entretanto, quaisquer que sejam na terra as misérias e calamidades que esperem aqueles a quem Deus já abraçou com seu amor, não podem impedir que sua benevolência lhes seja a plena felicidade. Daí, quando queríamos exprimir a suma da bem-aventurança, mencionamos a graça de Deus, de cuja fonte nos emanam todas as espécies de bênçãos. E isto, a cada passo, se pode observar nas Escrituras: que somos encaminhados ao amor do Senhor que, vezes sem conta, trata não só da salvação eterna, mas até de qualquer outro bem nosso. Razão por que Davi canta: a bondade divina, quando é sentida no coração piedoso, é mais doce e mais desejável do que a própria vida [Sl 63,3].

Enfim, se tivéssemos tudo, segundo nosso desejo, mas vivêssemos incertos quanto ao amor ou ao ódio de Deus, nossa felicidade seria maldita, e por isso desditosa. Mas se Deus nos mostra seu rosto de Pai, até as próprias misérias nos serão para felicidade, pois se converterão em auxílio para a salvação.

Assim é que Paulo, enfeixando todas as coisas adversas, entretanto se gloria de que não somos por elas separados do amor de Cristo [Rm 8.34-39], e em suas preces sempre parte da graça de Deus, da qual emana toda prosperidade. De maneira semelhante, Davi contrapõe o favor de Deus a todos os temores que nos conturbam. "Se porventura eu andar em meio à sombra da morte, não temerei males, porque tu estás comigo" [Sl 23,4]. E sentimos sempre vacilar-nos o espírito, a não ser que, contentes com a graça de Deus, nela busquemos sua paz, profundamente arraigados no que lemos no Salmo:"Feliz é o povo cujo Deus é o Senhor, e a nação a quem ele elegeu por sua herança" [Sl 33,12].

***
Autor: João Calvino
Fonte: CALVINO, João. As Institutas, Edição Clássica, Ed. Cultura Cristã, 2ª ed., 2006, vol. III, pp. 52-53.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Baleia Azul?

image from google


Muitos podem estar se perguntando: o que é isso? Do que se trata? E acredito que poucos sabem que esse “Baleia Azul” é um jogo mortal e criminoso. Criado por um grupo conhecido como “#F57” oriundo da Rússia, suspeito de ter induzido mais de 130 adolescentes a cometerem suicídio desde 2015, o Baleia Azul chegou recentemente ao Brasil, e já há três casos recentes de suicídio atribuídos a esse jogo, em Minas Gerais, Mato Grosso e Paraíba.

O jogo começa com um convite para a página privada deste grupo “#F57” no Facebook, e nela um instrutor passa alguns desafios aos seus novos jogadores. No total, são propostos 50 desafios, tais como: escrever com uma faca a sigla #F57 na palma da mão, cortar o próprio lábio, desenhar uma baleia em seu corpo com uma faca, até chegar ao desafio final, que ordena tirar a própria vida. 

Confesso que não fiquei surpreso com a notícia da existência de um jogo como esse, pois num mundo onde o mal habita, devemos esperar de tudo. Mas os comentários que li e ouvi a respeito do jogo me deixaram bastante triste. Muitos comentários do tipo: “Só um idiota pra participar de um jogo assim!”; “quem vai jogar pra tirar a própria vida?”; “jogo de babaca”.

Comentários assim, demonstram a falta de conhecimento de muitas pessoas sobre um grave problema existente em nossa sociedade: “o alto índice de depressão e suicídio na adolescência”. Revela que as pessoas estão alheias ou ignoram as estatísticas sobre essa questão. Notícias como essas: “Suicídio já mata mais jovens que o HIV em todo mundo; “Taxa de suicídio entre jovens cresce 30% em 25 anos no Brasil; “O suicídio agora é o que mais mata adolescentes no mundo”; deveria ser do conhecimento de todos os pais de crianças e adolescentes.

Geralmente, os adultos têm a mania de menosprezar os problemas vividos pelos adolescentes. Já ouvi pais dizerem assim: “Ele não tem motivo para estar depressivo, não é ele quem paga as contas, não tem meta para bater, só tem que estudar”. Quando agimos assim, ignoramos os desafios da adolescência. Vistos sob a perspectiva de um adulto, esses problemas parecem mesmo insignificantes, entretanto, para um adolescente, pode ser algo extremamente aterrorizador. Precisamos compreender que estão entrando em uma fase totalmente nova, desconhecida e cheia de incertezas. Sentem medo, insegurança, rejeição, desconfiança, entre outros sentimentos, e não conseguem se encontrar. Ao invés de receberem ajuda dos adultos, acabam recebendo críticas e sermões desprovidos de sabedoria. Muitos acabam cometendo o suicídio por não suportar mais a dor causada pela depressão, pela angústia e pela falta de esperança. Quando chegam ao suicídio, não estão pensando em acabar com a vida, mas sim em acabar com a dor. São nesses momentos que desafios como o da Baleia Azul são aceitos. Para nós, pode até ser um desafio idiota e sem sentido. Mas para quem já perdeu o sentido da vida e quer acabar com o sofrimento da alma, esse pode ser um último desafio.

Precisamos ser sensíveis às necessidades e desafios dos nossos filhos. Seja pai, mas não deixe de ser amigo. Abra a possibilidade para o diálogo. Procure entender o que eles têm a dizer, antes de falar alguma coisa. Não menospreze o sofrimento. Não pense que seu filho está imune a essa realidade. Se você fechar os olhos, que seja para orar, pedindo a Deus que os proteja desse mal, mas não para o perigo que eles estão correndo. Lembre-se do que o apóstolo Pedro escreveu: “Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge, procurando alguém para devorar” (1Pe 5:8). Não vamos permitir que ele devore nossos adolescentes!

***
Autor: Rev. Rogério Bernardes da Mota
Fonte: Boletim - Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia - Ano XXI - Nº 17
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...