segunda-feira, 5 de junho de 2017

Norte-coreana conta que comia ratos fervidos antes de ser resgatada por pastor

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Uma mulher norte-coreana que escapou do seu país com a ajuda de um pastor contou a jornalistas os horrores que ela sofreu quando era jovem, incluindo ter que comer ratos para se manter viva e observar seus irmãozinhos morrerem de fome.
Grace Jo, hoje com 25 anos, compartilhou com a AFP como sua família estava tentando sobreviver comendo frutas silvestres, grilos e casca de árvore na província de Hamgyong, nordeste da Coréia do Norte.
Ela contou que seu pai tinha sido preso e espancado pelas autoridades por cruzar a fronteira para comprar um saco de arroz. Grace conta que ele teria morrido em um trem enquanto era levando para a prisão. Sua avó e dois irmãos mais novos morreram de fome, e sua irmã mais velha tinha saído para procurar comida e nunca mais voltou.
“Em pouco tempo, quase todos os membros da minha família morreram ou desapareceram”, lembrou.
Uma vez, ela disse que ela e seu irmão não teriam nada para comer durante 10 dias: “Um dia, minha avó encontrou seis camundongos recém-nascidos sob algumas pedras”, disse ela. “Fervemos estes seis ratos pequenos em uma panela de pedra.”
“É muito duro”, disse Jo. “Nós não tínhamos qualquer alimento, não tínhamos dinheiro e não havia nenhuma maneira que nós poderíamos fazer algum dinheiro.”
Quando Jo tinha sete anos de idade, ela, juntamente com sua mãe e irmã, Jinhye, tentou fugir da Coreia do Norte.
“Andamos três noites e quatro dias”, disse ela. “Nós andamos em estradas não pavimentadas, e nós cruzamos muitas montanhas até chegar ao rio Tumen” que separa a Coréia do Norte da China.
No entanto, quando eles finalmente chegaram à China, eles foram obrigados a viver na clandestinidade por medo de ser enviado de volta para a Coreia do Norte. Mesmo assim, eles foram capturados e presos, e enviado de volta para casa.
Em 2006, Jo finalmente fez sua última tentativa de fuga. Graças a um pastor americano que pagou membros da Bowibu, polícia secreta onipotente da Coréia do Norte, US $ 10.000 para garantir a liberdade das três mulheres, ela foi bem sucedida.
Depois de receber o estatuto de refugiado da ONU, eles se mudaram para os Estados Unidos em 2008. Em 2013, Jo tornou-se um cidadã americano e hoje ajuda a administrar a organização de defesa dos direitos humanos norte-coreano NKinUSA ao lado de sua irmã.
“Como uma cidadã americana e norte-coreana, devo dizer:.. Este é um país maravilhoso, é um país totalmente diferente do meu país. Espero que o meu país possa tornar-se como os Estados Unidos um dia também”, disse ela .
A jovem também deixou uma mensagem ao presidente Donald Trump: “Queremos pedir ao Presidente Trump para aceitar mais refugiados norte-coreanos nos EUA”, disse ela.
“Além disso, o presidente Trump, deveria pedir China, Vietnã e Laos para parar repatriar os refugiados e enviá-los de volta para a Coréia do Norte para serem torturados, presos ou mesmo mortos”, acrescentou.
Por mais de uma década, a Coréia do Norte está sendo classificada como o país que mais perseguem os crentes em todo o mundo, segundo a organização “Portas Abertas”.
“Adoração da família Kim é obrigatória para todos os cidadãos, e aqueles que não cumprem (incluindo cristãos) são presos, torturados ou mortos”, diz o relatório. “Famílias cristãs inteiras estão presas em campos de trabalhos forçados, onde vários deles morrem a cada ano vítima de tortura, espancamentos, esforço excessivo e fome. Aqueles que tentam fugir para a Coreia do Sul através da China são executados ou são condenados a prisão perpetua.

Com informações Rede Pentecostal
Imagem: reprodução
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...