segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

“Governo Obama é responsável pelo aumento da perseguição mundial dos cristãos”, afirma Tony Perkins


O aumento contínuo da perseguição aos cristãos em todo o mundo nos últimos anos pode estar conectado às “prioridades equivocadas” do Departamento de Estado de Obama, disse o ativista conservador Tony Perkins.
O grupo de missões Portas Abertas dos EUA divulgou a lista atualizada dos 50 principais países onde os cristãos são perseguidos. A constatação foi inevitável: 2016 foi o “pior ano de perseguição já registrado.”
Este relatório surge logo após a organização Portas Abertas concluir que nos últimos três anos a perseguição contra os cristãos por causa de sua fé atingira níveis nunca antes registrados.
Perkins, presidente do Conselho de Pesquisa da Família, que fala com freqüência sobre a importância do governo dos Estados Unidos para proteger a liberdade religiosa internacional, disse que as políticas do governo de Obama que visam promover o movimento LGBT e o aborto em vários países do mundo custaram à liberdade religiosa em todo o mundo.
“A organização Portas Abertas dos EUA lançou a lista 2017 dos países onde os cristãos são perseguidos e, pelo terceiro ano consecutivo, houve crescimento na perseguição de cristãos no exterior”, disse ele.
“Você não pode olhar para a propagação da perseguição anti-cristã sem mencionar os cristãos ausentes das políticas na administração americana.”
“Em grande medida o problema atingiu esse nível devido à forma como este Departamento de Estado tem sido operado”, continuou Perkins. “É por isso que é tão importante que o governo vindouro e o próximo secretário de Estado estejam dispostos a assumir uma agenda que está dentro do departamento e não vai desaparecer simplesmente com novos representantes”.

Tony Perkins, ativista conservador e presidente do Family Research Council | Photo by Jeff Fusco, Getty Images

Perkins criticou a promoção do movimento LGBT e do aborto pelo Departamento de Estado, apontando como o governo Obama disponibilizou fundos de assistência externa à disposição dos governos para abraçar a agenda sexual e também não mediu esforços para legalizar o aborto em alguns países africanos. Ele também apontou várias maneiras onde o Departamento de Estado tem promovido a agenda social liberal.
“A chave para essa política externa é o que o Departamento de Estado vem promovendo junto a agenda LGBT, que John Kerry se gabou semanas atrás, e Barack Obama se gabou disso, Hillary Clinton se gabou disso”, acrescentou Perkins.
“Tudo foi em detrimento do seu papel estatutariamente definido de promover a liberdade religiosa como parte de sua política externa”.
Perkins disse que a promoção do Departamento de Estado da agenda sexual da esquerda tornou-se sistematicamente arraigada durante os oito anos da presidência de Obama e levará mais do que apenas um novo secretário de Estado para mudar.
Em uma audiência na subcomissão do Senado em março 2015 , Perkins também argumentou que as limitações da administração Obama sobre as liberdades religiosas nos Estados Unidos têm impactado as liberdades religiosas no exterior.
Muitos defensores da liberdade religiosa alegaram que a administração Obama limitou a liberdade religiosa a uma simples “liberdade de culto”.
Além disso, a administração Obama tem avançado uma série de políticas que os críticos alegam violar a liberdade religiosa dos cristãos conservadores, como um mandato Obamacare obrigando as organizações cristãs a ser cúmplice na prestação de planos de saúde que fornecem acesso a drogas indutoras de aborto e controle de natalidade sem conceder isenção religiosa.
“A perseguição da administração aos cristãos dentro de nossas fronteiras encoraja o ataque aos cristãos em todo o mundo”, continuou Perkins. “Por que os açougueiros islâmicos temem nosso governo, ou acreditam que os Estados Unidos defenderiam os cristãos em outros lugares quando eles não fazem nada para ajudar os cristãos que são atacados por sua fé aqui na América?”
Perkins também afirmou que o governo Obama fez muito pouco para ajudar os cristãos perseguidos no exterior.
“Pergunte a esposas, mães e filhas cristãs no exterior: seus maridos, filhos e pais estão sendo decapitados ou abatidos por jihadistas islâmicos radicais como o ISIS, que estão sendo expulsos de suas casas.” As crianças estão sendo martirizadas “, explicou Perkins. “E nosso governo tem feito pouco para ajudar, e por meses resistiu em reconhecer este massacre de cristãos por jihadistas islâmicos “.
Redação Consciência Cristã NewsCom informações do The Christian Post
Tradução: Samuel Oliveira
Imagem: El País

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...