quinta-feira, 22 de junho de 2017

Sobre Festas Juninas


Por  Augustus Nicodemus Lopes    

A festa celebra o nascimento de João Batista, que virou um dos santos católicos. É realizada no dia 24 de junho com base no fato que João Batista havia nascido seis meses antes de Jesus (Lc 1:26,36). Se o nascimento de Jesus (Natal) é celebrado em 25 de dezembro, então o de João Batista é celebrado seis meses antes, em 24 de junho. É claro que estas datas são convenções, apenas, pois não sabemos ao certo a data do nascimento do Senhor.

A origem das fogueiras nas celebrações deste dia é obscura. Parece que vem do costume pagão de adorar seus deuses com fogueiras. Os druidas britânicos, segundo consta, adoravam Baal com fogos de artifício. Depois a Igreja Católica inventou a história que Isabel acendeu uma fogueira para avisar Maria que João tinha nascido. Outra lenda é que na comemoração deste dia, fogueiras espontâneas surgiram no alto dos montes.

Já a quadrilha tem origem francesa, sendo uma dança da elite daquele país, que só prosperou no Brasil rural. Daí a ligação com as roupas caipiras. Por motivos obscuros acabou fazendo parte das festividades de São João.

Fazem parte ainda das celebrações no Brasil (é bom lembrar que estas festas também são celebradas em alguns países da Europa) as comidas de milho – provavelmente associadas com a quadrilha que vem do interior – as famosas balas de “Cosme e Damião.” São realizadas missas e procissões, muitas rezas e pedidos feitos a São João. As comidas são oferecidas a ele.

Se estas festividades tivessem somente um caráter religioso e fossem celebradas dentro das igrejas como se fossem parte das atividades dos católicos, não haveria qualquer dúvida quanto à pergunta, “pode um evangélico participar?” Acontece que as festas juninas foram absorvidas em grande parte pela cultura brasileira de maneira que em muitos lugares já perdeu o caráter de festa religiosa. Para muitos, é apenas uma festa onde acendem-se fogueiras, come-se milho preparado de diferentes maneiras e soltam-se fogos de artifício, sem menção do santo, e sem orações ou rezas feitas a ele.

Paulo enfrentou um caso semelhante na igreja de Corinto. Havia festivais pagãos oferecidos aos deuses nos templos da cidade. Eram os crentes livres para participar e comer carne que havia sido oferecida aos ídolos? A resposta de Paulo foi tríplice:
  • O crente não deveria ir ao templo pagão para estas festas e ali comer carne, pois isto configuraria culto e portanto, idolatria (1Cor 10:19-23). Na mesma linha, eu creio que os crentes não devem ir às igrejas católicas ou a qualquer outro lugar onde haverá oração, rezas, missas e invocação do São João, pois isto implicaria em culto idólatra e falso.
  • Paulo disse ainda que o crente poderia aceitar o convite de um amigo pagão e comer carne na casa dele, mesmo com o risco de que esta carne tivesse sido oferecida aos ídolos. Se, todavia, houvesse alguém presente ali que se escandalizasse, o crente não deveria comer (1Cor 10:27-31). Fazendo uma aplicação para nosso caso, se convidado para ir a casa de um amigo católico neste dia para comer milho, etc., ele poderia ir, desde que não houvesse atos religiosos e desde que ninguém ali ficasse escandalizado.
  • E por fim, Paulo diz que o crente pode comer de tudo que se vende no mercado sem perguntar nada. A exceção é causar escândalo (1Cor 10:25-26). Aplicando para nosso caso, não vejo problema em o crente comer milho, pamonha, mungunzá, etc. neste dia e estar presente em festas juninas onde não há qualquer vínculo religioso, desde que não vá provocar escândalos e controvérsias. Se Paulo permitiu que os crentes comessem carne que possivelmente vieram dos templos pagãos para os açougues, desde que não fosse em ambiente de culto, creio que podemos fazer o mesmo, ressalvado o amor que nos levaria à abstinência em favor dos que se escandalizariam.
Segue abaixo parte de um livro meu onde abordo com mais detalhes o que Paulo ensinou aos coríntios em casos envolvendo a liberdade cristã.

O CULTO ESPIRITUAL, Augustus Nicodemus Lopes. Cultura Cristã, 2012.

“A situação de Corinto era diferente. O problema lá não era o mesmo tratado no concílio de Jerusalém. O problema não era os escrúpulos de judeus cristãos ofendidos pela atitude liberal de crentes gentios quanto à comida oferecida aos ídolos. Portanto, a solução de Jerusalém não servia para Corinto. É provavelmente por esse motivo que o apóstolo não invoca o decreto de Jerusalém.[1] Antes, procura responder às questões que preocupavam os coríntios de acordo com o princípio fundamental de que só há um Deus vivo e verdadeiro, o qual fez todas as coisas; que o ídolo nada é nesse mundo; e que fora do ambiente do culto pagão, somos livres para comer até mesmo coisas que ali foram sacrificadas.

1. A primeira pergunta dos coríntios havia sido: era lícito participar de um festival religioso num templo pagão e ali comer a carne dos animais sacrificados aos deuses? Não, responde Paulo. Isso significaria participar diretamente no culto aos demônios onde o animal foi sacrificado (1 Co 10.16-24). Paulo havia dito que os deuses dos pagãos eram imaginários (1 Co 10.19). Por outro lado, ele afirma que aquilo que é sacrificado nos altares pagãos é oferecido, na verdade, aos demônios e não a Deus (10.20). Paulo não está dizendo que os gentios conscientemente ofereciam seus sacrifícios aos demônios. Obviamente, eles pensavam que estavam servindo aos deuses, e nunca a espíritos malignos e impuros. Entretanto, ao fim das contas, seu culto era culto aos demônios. [2] Paulo está aqui refletindo o ensino bíblico do Antigo Testamento quanto ao culto dos gentios:
 Sacrifícios ofereceram aos demônios, não a Deus... (Dt 32.17)
...pois imolaram seus filhos e suas filhas aos demônios (Sl 106.37).
 O princípio fundamental é que o homem não regenerado, ao quebrar as leis de Deus, mesmo não tendo a intenção de servir a Satanás, acaba obedecendo ao adversário de Deus e fazendo sua vontade. Satanás é o príncipe desse mundo. Portanto, cada pecado é um tributo em sua honra. Ao recusar-se a adorar ao único Deus verdadeiro (cf. Rm 1.18-25), o homem acaba por curvar-se diante de Satanás e de seus anjos.[3] Para Paulo, participar nos festivais pagãos acabava por ser um culto aos demônios. Por esse motivo, responde que um cristão não deveria comer carne no templo do ídolo. Isso eqüivaleria a participar da mesa dos demônios, o que provocaria ciúmes e zelo da parte de Deus (1 Co 10.21-22). Paulo deseja deixar claro para os coríntios “fortes”, que não tinham qualquer intenção de manter comunhão com os demônios, que era a atitude deles em participar nos festivais do templo que contava ao final. Era a força do ato em si que acabaria por estabelecer comunhão com os demônios.[4]

2. Era lícito comer carne comprada no mercado público? Sim, responde Paulo. Compre e coma, sem nada perguntar (1 Co 10.25). A carne já não está no ambiente de culto pagão. Não mantém nenhuma relação especial com os demônios, depois que saiu de lá. Está “limpa” e pode ser consumida.

3. Era lícito comer carne na casa de um amigo idólatra? Sim e não, responde Paulo. Sim, caso não haja, entre os convidados, algum crente “fraco” que alerte sobre a procedência da carne (1 Co 10.27). Não, quando isso ocorrer (1 Co 10.28-30).

O ponto que desejo destacar é que para o apóstolo Paulo a carne que havia sido sacrificada aos demônios no templo pagão perdia a “contaminação espiritual” depois que saia do ambiente de culto. Era carne, como qualquer outra. É verdade que ele condenou a atitude dos “fortes” que estavam comendo, no próprio templo, a carne sacrificada aos demônios. Mas isso foi porque comer a carne ali era parte do culto prestado aos demônios, assim como comer o pão e beber o vinho na Ceia é parte de nosso culto a Deus. Uma vez encerrado o culto, o pão é pão e o vinho é vinho. Aliás, continuaram a ser pão e vinho, antes, durante e depois. A mesma coisa ocorre com as carnes de animais oferecidas aos ídolos. E o que é verdade acerca da carne, é também verdade acerca de fetiches, roupas, amuletos, estátuas e objetos consagrados aos deuses pagãos. Como disse Calvino,
Alguma dúvida pode surgir se as criaturas de Deus se tornam impuras ao serem usadas pelos incrédulos em sacrifícios. Paulo nega tal conceito, porque o senhorio e possessão de toda terra permanecem nas mãos de Deus. Mas, pelo seu poder, o Senhor sustenta as coisas que tem em suas mãos, e, por causa disto, ele as santifica. Por isso, tudo que os filhos de Deus usam é limpo, visto que o tomam das mãos de Deus, e de nenhuma outra fonte.[5]


[1] Note que Paulo não teve qualquer problema em anunciar o decreto em Antioquia, o que produziu muito conforto entre os irmãos (At 15.30-31).
[2] Não somente Paulo, mas os cristãos em geral tinham esse conceito. João escreveu: “Os outros homens, aqueles que não foram mortos por esses flagelos, não se arrependeram das obras das suas mãos, deixando de adorar os demônios e os ídolos de ouro, de prata, de cobre, de pedra e de pau, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar” (Ap 9.20).
[3] Cf. Charles Hodge, A Commentary on 1 & 2 Corinthians (Carlisle, PA: Banner of Truth, 1857; reimpressão 1978) 193.
[4] Hodge (1 & 2 Corinthians, 194) chama a nossa atenção para o fato de que o mesmo princípio se aplica hoje aos missionários que, por força da “contextualização”, acabam por participar nos festivais pagãos dos povos. Semelhantemente, os protestantes que participam da Missa católica, mesmo não tendo intenção de adorar a hóstia, acabam cometendo esse pecado, ao se curvar diante dela.
[5] João Calvino, Exposição de 1 Coríntios, em Comentário à Sagrada Escritura, trad. Valter G. Martins (São Paulo: Paracletos, 1996) 320. 
Augustus Nicodemus Lopes

Postado por Augustus Nicodemus Lopes.

Sobre os autores:
Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.
O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.
O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

São João 1:29 começa nesta quinta-feira


Voluntários evangelizarão durante a maior festa junina do Brasil

Voluntários evangelizarão durante a maior festa junina do Brasil
A festa de São João é uma das maiores celebrações populares em todo Nordeste e, mais especificamente, no sertão nordestino. Durante essa festa, que se tornou bastante secular, a Igreja sente que deve se esconder. A VINACC e AMME evangelizar, por sua vez, entendem a situação de forma diferente, pois onde há mais perversão é preciso mais da Graça do Senhor para que as pessoas conheçam a Cristo e sejam libertas da destruição causada pelo pecado.
É por isso que, pelo terceiro ano consecutivo, as duas organizações vão realizar  o projeto de evangelização durante o período de festividades na cidade de Campina Grande – PB. O trabalho será realizado entre os dias 22 e 25 de junho e contará com a participação de voluntários de diversas denominações das Igrejas Evangélicas da região e de outros estados do Brasil.
O projeto é denominado São João 1.29, porque apresenta Jesus Cristo como o Cordeiro que tira o pecado do mundo, de acordo com a afirmação de João Batista escrita no capítulo 1 versículo 29 do Evangelho de João. O objetivo principal é mostrar aos participantes da festa que somente Jesus pode salvá-las da morte.
Para o pastor José Bernardo, fundador e presidente da AMME evangelizar, esse é o período em que a Igreja deve se mobilizar para alcançar aqueles que ainda não conhecem o Evangelho. “É nesse período junino que aumenta a prática do pecado e a Igreja não pode se esconder. Vamos aos principais corredores de Campina Grande levando a Palavra de Deus a tantas pessoas que precisam de salvação”, declarou.
Sob a coordenação de José Bernardo, a equipe de voluntários vai às ruas de Campina Grande para falar sobre o amor redentor de Jesus Cristo. Até domingo (25) serão distribuídos milhares de panfletos evangelísticos no formato de cordel pela cidade, sobretudo nas imediações do Parque do Povo, terminais rodoviários, shoppings e vias centrais.
De acordo com o diretor executivo da VINACC, Euder Ferreira, há necessidade da Igreja levar uma mensagem bíblica que aponte para Cristo. “O alvo principal do Projeto São João 1.29 (que este ano está na sua quinta edição), são as milhares de pessoas que participam das festas juninas pelo nordeste, especialmente em Campina Grande, que se notabilizou por realizar a maior dessas celebrações”.

Por Gomes Silva

Redação Consciência Cristã News
Foto: Portal TV Cariri

Sou evangélico. Posso participar do São João?

Pode um cristão participar das festas juninas, ou existe algo na celebração que entre em conflito com o ensino das Escrituras?

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Uma verdadeira multidão de pessoas celebram neste período as chamadas festas juninas, ou festas de São João.
Curiosamente, muita gente ignora a razão de ser da festa, bem como o personagem central da festa. Afinal de contas, quem é o João que é celebrado neste dia? É o apóstolo João ou o João “batizador”, primo de Jesus?
Cristãos evangélicos também possuem algumas dúvidas sobre este assunto. Não são poucos os que se perguntam se é possível participar destas celebrações e ao mesmo tempo agradar ao Senhor Jesus.
Numa abordagem lúcida e muito bíblica, o pastor Calvino Rocha aborda o tema das festas juninas, respondendo estes e também outros questionamentos.
Assista:

Redação VINACC
Vídeo publicado com autorização

MENINAS CRISTÃS SÃO FORÇADAS A SE TORNAREM PROSTITUTAS EM TEMPLOS HINDUS, NA ÍNDIA


As meninas estão sendo pressionadas a servir como “prostitutas do templo”, satisfazendo as necessidades sexuais dos homens de sua comunidade
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Meninas cristãs estão sendo pressionadas por seus pais a cumprirem uma tradição religiosa hindu, praticada na Índia há mais de 5 mil anos, que as tornam prostitutas pelo resto de suas vidas.
Conhecidas como “devadasis” ou “servas da deusa”, as jovens consagram suas vidas à deusa Yellamma e servem como “prostitutas do templo”, satisfazendo as necessidades sexuais dos homens de sua comunidade.
A prática foi proibida pelo governo indiano em 1988, mas as famílias pobres que vivem na Índia e no Nepal continuam oferecendo suas filhas para fazer uma oferta aos seus deuses.
Sumani, de 16 anos, é uma das jovens que têm sido pressionadas por sua mãe para se tornar uma devadasi. Ela tem encontrado apoio de missionários da organização Mission India, onde tem participado de estudos bíblicos.
Erik Morsehead, da Mission India, observou que há muitas outras meninas em situações semelhantes a de Sumani. “Há uma estimativa de 50 mil devadasis apenas no sul da Índia”, ele apontou ao site Mission Network News.
“Essas meninas, muitas vezes, vêm das castas mais baixas e seus pais as entregam aos templos como oferendas, a fim de apaziguar os deuses. Essas meninas são colocadas em um estilo de vida muito trágico”, Morsehead acrescentou.
A jovem Sarita também cresceu como um devadasi, mas conheceu a Cristo através dos estudos bíblicos promovidos pela Mission India. “Através do amor e da graça de Jesus, ela deixou de ser uma devadasi, mesmo que isso dê muito dinheiro”, disse Morsehead.
“Por causa da atitude de Sarita, suas pequenas filhas também não irão se prostituir. Ela quebrou esse laço em sua família. Agora, suas duas meninas estão indo para a escola e crescendo em um lar cristão amoroso”, contou Morsehead.
Além de problemas sociais como este, os cristãos têm enfrentado muitos desafios na Índia, onde representam uma minoria da população.
“Em toda a Índia, militantes hindus têm ameaçado e assassinado os membros das igrejas”, disse Paul Robinson, da organização Release International. “Os extremistas tentaram forçar os cristãos a renunciarem à sua fé e se converterem ao hinduísmo. Eles têm bombardeado, incendiado, vandalizado e demolido igrejas”.

Com Informações do Guiame e The Christian Post
Imagem: National Museums Liverpool

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Mais 22 cristãos são presos na Eritreia

O número de cristãos presos no país é alarmante e aumenta a cada dia

19-biblia-maos-eritreia.jpg
(imagem ilustrativa)
Entre o fim de maio e o começo de junho deste ano houve uma onda de prisões e 22 cristãos eritreus foram encarcerados. O número de cristãos presos desde o início de maio aumentou para mais de 120. O risco de viver a fé cristã na Eritreia tem aumentado desde 2002, quando uma lei foi criada para impedir o crescimento da igreja.
Essa nova onda de prisões aconteceu perto do Dia da Independência do país, em 24 de maio. Muitos cristãos encontram-se sob vigilância especial nos dias próximos às celebrações dessa data. Isso acontece porque eles se negam a participar de cerimônias que vão contra seus valores.
Fora da capital, cristãos foram presos depois da celebração de um casamento. No dia 21 de maio, os familiares e amigos do casal se reuniram para celebrar a união após uma semana da cerimônia, o que é costume para os cristãos locais. Ao fim da festa, 49 pessoas foram presas, inclusive o casal.
Pedidos de Oração
  • Clame ao Senhor pela libertação dos que decidiram seguir a Cristo apesar das dificuldades.
  • Ore para que a igreja cresça e que se mantenha confiante no cuidado de Deus.
  • Interceda pelos governantes, para que encontrem o caminho, a verdade e a vida em Jesus Cristo.
Fonte: Portas Abertas

O que é o Ramadã para um cristão ex-muçulmano

Saiba como um cristão de origem muçulmana entende o Ramadã depois de conhecer a Cristo

 19-biblia-igreja-na-africa
Por 30 dias, todos os muçulmanos adultos e saudáveis realizam jejum durante o dia, e muitos deles se tornam mais devotos durante esse período. Este é o Ramadã. Em uma conversa com um cristão secreto de origem muçulmana do Sudeste Asiático, perguntamos o que este tempo significava para ele quando ainda era um seguidor do islã, e o que é agora que ele segue a Jesus Cristo.
Quando você era um muçulmano, o que normalmente fazia durante o mês de jejum?
Meu jejum começava no nascer e ia até o pôr do sol. Era um jejum completo, em que eu não podia comer ou beber coisa alguma. Antes de começar, fazia minha niyat e recordava da minha intenção de manter o jejum durante o Ramadã.
No dia seguinte, acordava às 4h30 para tomar o café da manhã. Em nossa refeição havia arroz frito ou macarrão com alguma carne e vegetais. Depois de comer, realizava a oração da manhã durante cinco minutos, depois voltava a dormir e acordava em minha hora habitual de ir ao trabalho.
Para mim, o trabalho era normal, mas alguns muçulmanos reduziam suas atividades para economizar energia. Muçulmanos, portanto, têm permissão de sair do trabalho mais cedo, tempo de ir para casa cozinhar ou comprar comida para o desjejum.
No pôr do sol, fazia a oração para a quebra do jejum: "Ó, Alá! Eu jejuei por você e acredito em você e eu rompo meu jejum com o seu sustento".
Qual é sua visão do jejum agora que você crê em Cristo?
Meu motivo para jejuar é diferente agora. Quando era muçulmano, jejuava para ter alguma vantagem espiritual. Eu precisava de muitas delas para que no dia do julgamento, quando Alá avaliaria minhas obras, minhas virtudes compensassem meus pecados [e eu pudesse entrar no paraíso]. Por essa razão eu tentava ser um bom muçulmano, cumprindo todas as leis do islã, orando cinco vezes por dia, dando esmolas aos pobres, e tentando converter cristãos.
Mas ainda assim, eu ainda não podia ter certeza de que Alá aceitaria meus méritos. Isso sempre esteve na mente de muitos muçulmanos, inclusive na minha. Mas não nos é permitido questionar isso. Quando olho para trás e vejo minha vida como muçulmano, me sinto enganado e sinto que foi injusto eu não ter tido liberdade de religião.
Mas graças a Deus agora eu sou um cristão. Eu tenho a certeza de Cristo que meus pecados foram lavados por seu sangue. Eu não preciso mais ter medo. Agora eu jejuo para aprofundar meu relacionamento com Deus e para conhecer mais a Cristo. Agora eu jejuo e oro para que Deus salve outros muçulmanos que ainda estão tentando agradá-lo. Agora eu jejuo para que muçulmanos descubram a bênção que é conhecer a Cristo como eu descobri!
Você ainda jejua durante o Ramadã? Se sim, por quê?
Como cristão secreto, tenho que fingir que estou jejuando na frente dos meus colegas muçulmanos. Não fazer isso resultaria em suspeitas e interrogatórios. É apenas quando estou sozinho ou com outros cristãos secretos que eu posso ser eu mesmo. Não é fácil viver uma vida dupla.
Muitos cristãos secretos como eu não ousam revelar a fé porque, se forem descobertos, serão mandados para centros de reabilitação islâmicos. Eu ouvi histórias de lavagem cerebral, tortura e abuso mental para fazer que cristãos de origem muçulmana neguem a fé em Cristo.
Se isso um dia acontecer comigo, eu não sei como iria responder a tamanha perseguição. Ainda assim, tenho pavor de negar a Jesus. Portanto, ore por mim e por meus amigos ex-muçulmanos, para que Deus nos dê força para não negá-lo.
Ore agora…
Pelos cristãos de origem muçulmana, para que tenham força para se apegar a Cristo, mesmo se sua fé for descoberta e eles encararem sérias consequências. E ore para que Deus revele seu Filho, Jesus, a muitos muçulmanos durante o Ramadã.
Fonte: Portas Abertas

Vaticano investiga organização católica brasileira por ‘pacto com Satã’


Vaticano investiga a sociedade católica brasileira ultraconservadora Arautos do Evangelho, uma dissidência da TFP - Tradição, Família e Propriedade
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Segundo o “vaticanista” Andrea Tornielli, do jornal italiano “La Stampa“, em extensa cobertura que ecoa pelo americano “Daily Beast“, pelo britânico “Daily Mail” e outros, o Vaticano investiga a sociedade católica brasileira ultraconservadora Arautos do Evangelho, uma dissidência da TFP (Tradição, Família e Propriedade).
Na descrição do “Beast”, onde foi manchete ao longo do fim de semana (reproduzida ao lado), a investigação parte do “aparente pacto com Satã sobre a morte do papa Francisco”.
A evidência é um vídeo que vazou. Segundo “Tonielli”, o líder da organização, monsenhor João Scognamiglio Clá Dias, que protagoniza o vídeo, já renunciou.
  
Com informações Folha UOL e Notícias Cristãs
Imagem: reprodução

Operação da Polícia Federal prende cinco pastores evangélicos


Dе асоrdо соm іnfоrmаçõеѕ da Pоlíсіа Cіvіl dо RS, a ação рrеndеu cinco раѕtоrеѕ evangélicos lіgаdоѕ a Aѕѕеmblеіа de Dеuѕ em Itаjаí (SC), Pоntа Grоѕѕа (PR) e Sãо Gоnçаlо (RJ)
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
A Delegacia dе Pоlíсіа dе Vеrаnóроlіѕ, no Rіо Grаndе dо Sul, dеflаgrоu nа última ԛuаrtа-fеіrа a Operação Dеuѕ Tá Vendo, еm trêѕ Eѕtаdоѕ.
Dе асоrdо соm іnfоrmаçõеѕ da Pоlíсіа Cіvіl dо RS, a ação рrеndеu cinco раѕtоrеѕ evangélicos
lіgаdоѕ a Aѕѕеmblеіа de Dеuѕ em Itаjаí (SC), Pоntа Grоѕѕа (PR) e Sãо Gоnçаlо (RJ), роr frаudе еm venda de vеíсulоѕ.
Sеtе aeronaves foram арrееndіdаѕ na mаnhã dеѕtа quarta-feira pela Pоlíсіа Federal Segundo o delegado Alvаrо Luіz Pасhесо Bесkеr, dа 2ª DP dе Bеntо Gоnçаlvеѕ (RS), os presos аtuаvаm еm associação criminosa, vеndеndо оѕ veículos роr рrеçоѕ аbаіxо do vаlоr de mercado. Eles аlеgаvаm ԛuе a Igreja hаvіа rесеbіdо os automóveis роr mеіо dе uma doação dа Rесеіtа Federal, роr isso poderiam vеndê-lоѕ роr рrеçоѕ mеnоrеѕ.
O vаlоr арrоxіmаdо dо gоlре gira еm torno dе R$ 1,2 milhão, tеndо mais dе 40 vítіmаѕ só na cidade dе Vеrаnóроlіѕ.

Com informações Dentro da política
Imagem: reprodução

terça-feira, 20 de junho de 2017

A resistência de Jó frente à dor e ao sofrimento

Jó é citado apenas duas vezes em toda a Escritura (Ez 14.12-23; Tg 5.11), fora do livro que leva o seu nome. Na primeira passagem, salienta-se a retidão e o poder de intercessão de Jó, que é colocado ao lado de outros homens especiais (Noé e Daniel). Na segunda, fala-se de sua capacidade de lidar com o sofrimento. Algumas versões chamam atenção para a sua paciência (RA, TEB, NTLH, BJ), outras para a sua constância (CNBB, EP) ou perseverança (NVI). A paráfrase Bíblia Viva prefere mencionar a sua confiança em Deus. Apenas a Bíblia do Peregrino acha apropriado traduzir a palavra original como resistência: “Ouvistes falar como Jó resistiu, e conheceis o desfecho que Deus lhe proporcionou, pois o Senhor é compassivo e piedoso”. 

Logo no início do livro, Jó é apresentado como homem extremamente correto, inculpável, íntegro, irrepreensível, justo, precavido (“evitava fazer o mal”), reto (“andava na linha”) e temente a Deus (Jó 1.1). Era um homem especial, fora de série, um exemplo impressionante em sua época e em nosso tempo. Duas vezes o próprio Deus afirma que Jó era sem igual: “No mundo inteiro não há ninguém tão bom e honesto como ele” (Jó 1.8; 2.3) 

Em geral, o que os cristãos sabem a respeito de Jó é apenas o que está no prólogo (os dois primeiros capítulos) e no epílogo (os 12 últimos versos do último capítulo). Passa-se por cima de toda a parte poética do livro, que valoriza tremendamente o caráter de Jó. Já o leitor que examina o miolo do livro fica perplexo com a incrível resistência do homem da terra de Uz frente a toda sorte de sofrimento, como se pode ver a seguir. Jó era irrepreensível... 

Apesar das desventuras 
Jó não era sem igual só no terreno ético. No que diz respeito à prosperidade, ele era aprovado e bem-sucedido em tudo. Jó tinha saúde, família, riquezas e muita gente a seu serviço. Era “o homem mais rico do oriente”. Possuía 11.500 cabeças de gado. De uma hora para outra, perdeu tudo. Em um mesmo dia, Jó recebeu quatro más notícias seguidas, uma imediatamente após a outra. As perdas foram provocadas pelos povos vizinhos (os sabeus e os caldeus) e por desastres naturais (raios caídos do céu e uma terrível ventania vinda do deserto). Foi assim que Jó perdeu... 

Todo o gado (7.000 ovelhas, 3.000 camelos, 1.000 bois e 500 jumentos); 

Todos os empregados (administradores, agricultores, boiadeiros, carreiros, cortadores de lã, guardas das torres de vigia, plantadores de capim, roçadores de pastos, tiradores de leite, tratadores de animais, vendedores de gado etc). Só escaparam aqueles que vieram trazer essas notícias. 

Todos os dez filhos (três mulheres e sete homens). Estavam todos comendo e bebendo na casa do irmão mais velho, quando o furacão atingiu a casa e a derrubou sobre eles. No dia seguinte, havia dez caixões de defuntos para Jó enterrar. 

Apesar da doença 
Pouco depois da perda de quase todos os bens e de todos os filhos, Jó perdeu a saúde, o mais precioso bem que alguém pode possuir. A doença era tão grave que o obrigava a pensar na morte. Vários diagnósticos têm sido apresentados: a doença poderia ser dermatose escamosa, elefantíase, eczema crônico, eritema, lepra, melanoma, pênfigo foliáceo, psoríase queratose, úlceras malignas, varíola. Ele portava “feridas terríveis, da sola dos pés ao alto da cabeça”, raspava-se com um caco de louça e ficou tão desfigurado que seus amigos não puderam reconhecê-lo e começaram a chorar em alta voz diante daquele quadro aterrador (2.12-13). 

O mal de Jó era uma agressão à visão e ao olfato de todos os que o cercavam. 

Vale a pena ler o que o próprio Jó fala a respeito: 

“Que esperança posso ter, se já não tenho forças? Como posso ter paciência, se não tenho futuro?” (6.11). 

“Quando me deito fico pensando: quanto vai demorar para eu me levantar? A noite se arrasta, e eu fico virando na cama até o amanhecer. Meu corpo está coberto de vermes e cascas de ferida, minha pele está rachada e vertendo pus. [...] É melhor ser estrangulado e morrer do que sofrer assim” (7.4-5,15). 

“Meus dias correm mais velozes que um atleta; eles voam sem um vislumbre de alegria. Passam [ligeiros] como barcos de papiro, como águias que mergulham sobre as presas” (9.25). 

“Tornei-me objeto de riso para os meus amigos, logo eu, que clamava a Deus e ele me respondia, eu, íntegro e irrepreensível, um mero objeto de riso!” (12.4). 
“Minha magreza [...] depõe contra mim”(16.8); “O meu corpo não passa de uma sombra” (17.7); “Não passo de pele e ossos” (19.20). 

“O único lar pelo qual espero é a sepultura” (17.13); “Quem poderá ver alguma esperança para mim?” (17.15). 

“Minha mulher acha repugnante o meu hálito; meus próprios irmãos têm nojo de mim” (19.17). 

“Agora esvai-se a minha vida; estou preso a dias de sofrimento. A noite penetra os meus ossos; minhas dores me corroem sem cessar” (30.16-17). 

“Minha pele escurece e cai; meu corpo queima de febre. Minha harpa está afinada para cantos fúnebres, e minha flauta para o som de pranto” (30.30-31). 

Apesar da esposa 
A companheira de Jó e mãe de seus filhos mortos não teve sabedoria suficiente para enfrentar o sofrimento da família: 

1) Ela foi incapaz de suportar o quadro doentio do marido. Jó pessoalmente descreve a situação: “Minha própria esposa não chega perto de mim por causa do mau cheiro que sai de minha boca quando falo” (19.17, BV). O cheiro repugnante vinha também das feridas abertas. 

2) Ela foi incapaz de manter o relacionamento anterior com Deus. A esposa de Jó rompeu com o Senhor e aconselhou o marido a fazer o mesmo: “Você ainda vai tentar ser muito religioso, mesmo depois de tudo o que Deus nos fez? O melhor que você tem a fazer é amaldiçoar a Deus e morrer!” Jó viu-se na obrigação de opor-se e resistir à própria esposa: “O que você está falando é loucura completa. Já recebemos tantas coisas boas de Deus, porque não recebemos também o sofrimento e a dor?” (2.9-10, BV.) 

3) Ela foi incapaz de acompanhar o marido. A dura verdade é que a esposa de Jó passou para o lado oposto: aliou-se a Satanás, tornou-se porta-voz dele, fez-se advogada do diabo. Pois o único propósito de Satanás era levar Jó a amaldiçoar a Deus (1.11; 2.5). 

Apesar da solidão Antes de suas desventuras, Jó tinha nome, tinha dinheiro, tinha poder. Era cercado de pobres, órfãos, viúvas e estrangeiros, com os quais repartia seus bens. Era cercado de parentes, amigos e vizinhos, próximos e distantes, com os quais se alegrava. Afinal, muitos são os que amam o rico (Pv 14.20). Mas, depois de suas desgraças, todos foram se retirando e deixaram Jó sozinho. Ele se queixa amargamente disso: 

“[Deus] afastou de mim os meus irmãos; até os meus conhecidos estão longe de mim. Os meusparentes me abandonaram e os meus amigos esqueceram-se de mim. Os meus hóspedes e as minhasservas consideram-me estrangeiro; vêem-me como um estranho. Chamo o meu servo, mas ele não me responde, ainda que lhe implore pessoalmente. Minha mulher acha repugnante o meu hálito; meus próprios irmãos têm nojo de mim. Até os meninos zombam de mim e dão risadas quando apareço. Todos os meus amigos chegados me detestam; aqueles a quem amo voltaram-se contra mim” (19.13-20). 

Apesar do Diabo O livro da Bíblia que menciona maior número de vezes o nome de Satanás é o de Jó. São ao todo quatorze citações, que aparecem apenas nos dois primeiros capítulos, o equivalente a pouco mais de 25% de todas as ocorrências. Quanto a toda a Escritura, apenas em Apocalipse Satanás é tão devastador como em Jó. 

Por duas vezes, Deus chama a atenção de Satanás para a integridade de Jó: “Reparou em meu servo Jó?” (1.8; 2.3). Em resposta, Satanás duas vezes relacionou a integridade de Jó com a prodigalidade de Deus (1.10-11; 2.4). Então, também por duas vezes, Deus suspendeu parte de sua proteção e deixou Jó ao alcance de Satanás (1.12; 2.6). 

Na primeira vez, Satanás toma todos os seus bens e todos os seus filhos (1.13-19). Na segunda, toma toda a sua saúde (2.7-8). Depois de todos os estragos, Satanás sai de cena e não mais é citado. 

O Satanás do livro de Jó é o mesmo que mais tarde vai tentar o próprio Jesus Cristo (Mt 4.1-11), peneirar Pedro (Lc 22.31), entrar no coração de Judas (Jo 13.27), encher o coração de Ananias (At 5.2), atazanar Paulo com o espinho na carne (2 Co 12.7) e impedir Paulo de visitar os tessalonicenses (1 Ts 2.18). Satanás é o tentador, o enganador, o acusador, o maligno, o homicida, o ladrão de semente (Mt 13.19), o semeador de joio (Mt 13.39), o pai da mentira, o leão que ruge e especialmente “o príncipe da potestade do ar” (Ef 2.2), isto é, “aquele que se interpõe entre o céu e a terra” (na Tradução Ecumênica da Bíblia). 

Por algum tempo, mas sem perder a proteção de Deus, Jó foi contundentemente machucado por Satanás! 

Apesar das discurseiras de seus amigos 
Os três amigos de Jó — Elifaz, Bildade e Zofar — “souberam de todos os males [desgraças, calamidades, em outras versões] que o haviam atingido, saíram, cada um da sua região. Combinaram encontrar-se para, juntos, irem mostrar solidariedade a Jó e consolá-lo” (2.11). 

Depois da mudez provocada pelo impacto da aparência de Jó, os três homens começaram a falar. Seus oito (talvez nove) discursos ocupam pelo menos nove capítulos do livro de Jó. São peças admiráveis quanto à poesia, à beleza e à religiosidade. Os três são monoteístas como o amigo e o nome de Deus aparece 39 vezes em seus discursos (incluindo os nomes Criador e Todo-poderoso). Mas revelam incrível falta de sabedoria, falta de psicologia e falta de misericórdia. Eram inoportunas para aquele momento e para a pessoa com o qual falavam. Valendo-se de uma filosofia errada e de uma teologia errada, Elifaz, Bildade e Zofar causaram enorme mal-estar a Jó e cometeram imperdoáveis injustiças contra ele. Talvez Jó tenha sofrido mais com os discursos de seus amigos do que com a bancarrota financeira, a morte dos filhos e a própria doença. Isso pode ser visto nos seguintes desabafos: 

“Vocês [...] me difamam com mentiras; todos vocês são médicos que de nada valem! Se tão-somente ficassem calados, mostrariam sabedoria” (13.5). 

“Até quando vocês continuarão a atormentar-me, e esmagar-me com palavras? Vocês já me repreenderam dez vezes; não se envergonham de agredir-me” (19.2-3). 

“Suportem-me enquanto eu estiver falando; depois que eu falar poderão zombar de mim” (21.3). 

Os amigos de Jó atentaram contra a sua tranqüilidade, alvoroçaram a sua consciência e roubaram a sua paz com Deus. Desempenharam o mesmo serviço de Satanás, aquele que se põe na presença de Deus para acusar dia e noite, não os ímpios, mas os justos (Ap 12.10).
 
Quando o pano se levanta e toda a verdade vem à tona, o Senhor repreende severamente os acusadores de Jó: “Estou indignado com você [Elifaz] e com os seus dois amigos [Bildade e Zofar], pois vocês não falaram o que é certo a meu respeito, como fez meu servo Jó” (42.7). Para não serem punidos por Deus “pela loucura que cometeram”, os três amigos deveriam comparecer diante de Jó, oferecer holocaustos em favor deles mesmos e se beneficiarem da intercessão de Jó (42.8-9). 

Apesar da arenga de Eliú 
Eliú é o quarto personagem do livro de Jó. Era mais jovem que Elifaz, Bildade e Zofar. Foi o último a falar. Seu discurso ocupa seis capítulos seguidos e ele sozinho cita o nome de Deus 39 vezes. Embora mais cortês e mais próximo da verdade quanto à visão do sofrimento, Eliú também não poupou o homem da terra de Uz: 

“Neste mundo não há ninguém como Jó, para quem é tão fácil zombar de Deus como beber um copo de água. Ele anda com homens maus e se ajunta com gente que não presta” (34.7, NTLH). 

“Jó é pecador, um pecador rebelde. Na nossa presença, zomba de Deus e não pára de falar contra ele” (34.37, NTLH). 

“Jó, você não tem o direito de dizer para Deus que você é inocente” (35.2, NTLH). 

“São os outros que sofrem por causa dos pecados que você comete” (35.8, NTLH).
 
“Não adianta nada continuar o seu discurso; você fala muito, porém não sabe o que está dizendo” (35.16, NTLH). 

“Você está sofrendo por causa da sua maldade; cuidado, não se volte para ela!” (35.21, NTLH.) 

Com o discurso de Eliú fechou-se o cerco contra Jó. Já não havia ninguém a favor do homem da terra de Uz. Todos declararam impiedosamente e à uma voz que Jó era o único responsável pelo sofrimento dele: estava colhendo o que plantara (Gl 6.7-8). 

Apesar de Deus 
Ninguém tinha conhecimento do que estava acontecendo fora do palco, nos bastidores do inferno. Nem a principal vítima, nem a sua mulher, nem os demais parentes, nem a vizinhança, nem os conhecidos, nem seus antigos hóspedes, nem seus servos e servas, nem os rapazotes que brincavam displicentemente nas ruas e praças, nem os miseráveis que Jó havia acolhido em tempo de fartura. Menos ainda os acadêmicos presunçosos que vieram de Temã, de Suá e de Naamate, e o jovem Eliú, igualmente presunçoso. Ninguém sabia nada do profundo apreço de Deus por Jó, das duas provocações de Deus a Satanás (“Reparou em meu servo Jó?”), das alegações de Satanás de que Jó era reto por uma questão de interesse particular, das duas progressivas diminuições do tamanho da cerca que protegia Jó e da poderosa e sobrenatural investida de Satanás contra as posses, contra a família e contra a saúde de Jó. O mais ignorante disso tudo seria o próprio Jó. 

Por essa razão, mesmo sem entender nada do que estava acontecendo, e na certeza de que nada está fora do controle de Deus, Jó atribuía tudo ao Senhor, como se pode ver nas declarações assinadas por ele: 

“Nasci nu, sem nada, e sem nada vou morrer. O Senhor deu [tudo o que eu tinha], o Senhor tirou; louvado seja o seu nome!” (1.21, NTLH.) 

“Sem dúvida, ó Deus, tu me esgotaste as forças; deste fim a toda a minha família. Tu me deixaste deprimido. [...] Deus, em sua ira, ataca-me e faz-me em pedaços, e range os dentes contra mim” (16.7-9). 

“Deus fez-me cair nas mãos dos ímpios e atirou-me nas garras dos maus. Eu estava tranqüilo, mas ele me arrebentou; agarrou-me pelo pescoço e esmagou-me. Fez de mim o seu alvo; seus flecheiros me cercam. Ele traspassou sem dó os meus rins e derramou na terra a minha bílis. Lança-se sobre mim uma e outra vez; ataca-me como um guerreiro” (16.11-14). 

“Foi Deus que me tratou mal e me envolveu em sua rede. [...] Ele bloqueou o meu caminho, e não consigo passar; cobriu de trevas as minhas veredas. Despiu-me da minha honra e tirou a coroa de minha cabeça. Ele me arrasa por todos os lados enquanto eu não me vou; desarraiga a minha esperança como se arranca uma planta. Sua ira acendeu-se contra mim; ele me vê como inimigo. Suas tropas avançam poderosamente; cercam-me e acampam ao redor da minha tenda” (19.6-12). 

“Misericórdia, meus amigos! Misericórdia! Pois a mão de Deus me feriu” (19.21). 

Na verdade, Deus não fez nada contra Jó. Porém, permitiu que Satanás fizesse tudo isso e ainda se servisse de sua própria esposa e de seus próprios amigos. Todavia, nenhum desses estranhos acontecimentos tirou o patriarca do caminho reto. É extraordinária sua resistência às circunstâncias esmagadoramente contrárias! 

Apesar do próprio Jó 
Jó era de carne e osso como qualquer outra criatura. Era homem e não Deus, era homem e não semideus, era homem e não super-homem. Assim como Jesus, em sua forma humana, era igual a qualquer de nós e tinha as mesmas necessidades básicas, como fome, sede e sono, e “passou por todo tipo de tentação” (Hb 4.15). Jó era cercado de limitações e fraquezas. O homem da terra de Uz era irrepreensível e inculpável, mas era santo no sentido restrito. Ele nasceu pecador e era pecador. O pecado habitava nele, estava dentro dele e atuava em seus membros, como aconteceu com Paulo (Rm 7.14-25) e como acontece com qualquer outro mortal. 

As dores provocadas pela perda de todos os bens, pela morte de todos os filhos e pela doença mau cheirosa e sem cura, não foram fictícias. Assim como as dores dos cravos que atravessaram os pés e as mãos de Jesus não foram teatrais. Jó sofreu com o mau conselho da esposa e com a incompreensão, a falta de tato, o fundamentalismo religioso, as críticas, as calúnias, as denúncias, a falta de compaixão e a insistência de Elifaz, Bildade, Zofar e Eliú. Nada disso passou despercebido pelo sofrido Jó. Ele chorava — “Meu rosto está rubro de tanto eu chorar” (16.16). Ele ficava perdido, confuso, desesperado, deprimido. Jó fazia reclamações, lamentações, desabafos (não há outro livro com tantos e sérios desabafos como o de Jó). Ele tinha crises de fé. Todavia, o homem da terra de Uz sobreviveu a tudo isso e fazia sua pública profissão de fé: “Eu sei que o meu Redentor vive, e que no fim se levantará sobre a terra” (19.25). 

Jó é um dos mais notáveis exemplos de resistência frente às vicissitudes pelas quais o ser humano pode passar!
Fonte:Revista Ultimato
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...