terça-feira, 21 de junho de 2016

MAIS DE 70 LÍDERES CRISTÃOS CONTINUAM PRESOS NO IRÃ



O 9º país da atual Classificação da Perseguição Religiosa parece não ter retrocedido em sua política severa e antiocidental. O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, quer manter um Parlamento sempre disposto a fazer frente aos Estados Unidos. Ele acredita que após o acordo nuclear, os EUA tramaram para se “infiltrar” no país persa, conforme suas últimas declarações à imprensa. Dezenas de artistas, jornalistas e empresários, incluindo iranianos com dupla cidadania norte-americana ou britânica, foram presos como parte da repressão à “infiltração ocidental”.


Relatórios da Portas Abertas já contabilizaram mais de 70 líderes cristãos que também estão presos no país. Não há expectativas de mudanças nas leis que impõem o islã e abafam a liberdade religiosa. Se Khamenei abandonar o cargo por conta de seus atuais problemas de saúde, o conselho pode decidir que Ahmad Jannati, de 90 anos, ocupe o seu lugar. A decisão contraria os políticos mais moderados da República Islâmica, já que Jannati é um líder ainda mais conservador e severo que o atual.

Para os cristãos iranianos, se houver alguma mudança, provavelmente será para restringir ainda mais as atividades da igreja. O simples fato de difundir o evangelho no país pode acabar em prisão ou morte. De acordo com a matéria Cristãos são condenados por divulgar o evangelho, quatro pessoas foram presas e condenadas por “agir contra a segurança nacional” enquanto participavam de um piquenique entre cristãos. Mas as orações da igreja e dos parceiros da Portas Abertas estão sendo respondidas. Só no mês de junho, cinco cristãos foram libertados e Maryan Zargaran conseguiu licença médica para ser tratada fora da prisão. Continue intercedendo por eles.

***

A Coerência da Ordo Salutis Reformada

image from google


Ordo salutis
 ("ordem de salvação") é o nome latino que se dá àquela organização lógica e mais ou menos cronológica das diversas ações divinas, agenciadas pela Terceira Pessoa, ligadas à economia da salvação para o indivíduo. E essa representação esquematizada posiciona-se como um ponto de cisão entre as diversas tradições legítimas do cristianismo [1]: católicos a concebem de uma maneira, luteranos de outra, arminianos de outra. A ordo salutis reformada, entretanto, apresenta-se como a que mais precisamente faz jus ao ensino bíblico acerca da salvação, considerando esta doutrina pelo prisma do tota scriptura, valendo-se de uma lógica pressuposicionalista e empregando de forma adequada os assentos da depravação total do ser humano e da perfeita liberdade e soberania de Deus. 


ordo salutis reformada

Em seu esqueleto mais conciso, a ordem de salvação dos reformados é organizada como se segue:

        (I) eleição;
        (II) regeneração;
        (III) chamado;
        (IV) conversão;
        (V) santificação;
        (VI) glorificação.
Portanto, a concatenação lógica destes mistérios do Espírito deve ser, para que se materialize segundo a Escritura, exatamente como foi expressa. Ela deve postular essas operações na ordem em que a Bíblia nô-las apresenta e a qual os reformados honram com sua teologia. 

Argumentação bíblica em favor da ordo reformada 

Embora a eleição não seja uma aplicação dos méritos de Cristo ao pecador individual - conforme normalmente propõe a definição de ordo salutis - , é prudente considerarmos esta doutrina no approach em questão pelo simples fato de que, em última instância, tudo o que ocorre com o pecador na ordem de redimí-lo é decorrência de uma vontade soberana de Deus. Assim, em primeiro lugar, a eleição é o ponto de partida para tudo pois ela é nada menos do que a dimensão soteriológica da doutrina dos decretos de Deus. 

A Escritura afirma:
"[...] anuncio o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam; [...] O meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade." (Isa 46:10)

Tudo o que acontece é resultado direto de um decreto eterno de Deus. Deus decretou todas as coisas (todas!), desde a eternidade. A salvação, desse modo, está incluída nos decretos de Deus. 


Em segundo lugar, Deus implanta nos seus escolhidos o princípio da nova vida, batizando-os no Santo Espírito. Desde que os outros "momentos" da salvação de um pecador pressupõem o seu estado de vida (uma pessoa não pode ter fé nem santificar-se se está morta em pecados - Ef 2.1,2), e desde que o homem morto em seus pecados não pode fazer absolutamente nada nem por si, nem por outros, é lógico que, antes sequer que ele possa dar-se conta de sua salvação, ele precisa estar "salvo", ele precisa estar REGENERADO. 

Diz o apóstolo João:
"Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome; Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus." (João 1:12-13)

Este verso, fazendo eco ao ensino geral das Escrituras, mostra que os filhos de Deus são os que crêem Nele, e diz que estes mesmos que crêem nasceram da vontade única de Deus! A lição é clara: se uma pessoa crê em Deus é porque ela já foi nascida de Deus, já foi regenerada. Do contrário, como diz Paulo, 
"a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser." (Rom 8:7)

Em terceiro, os que Deus regenerou são chamados para a vida com Deus e só podem obedecer ao chamado porque foram regenerados. E este chamado divino, que não pode ser resistido visto que parte de um decreto eterno (eis o motivo pelo qual a eleição deve ser lembrada na análise da ordo salutis), dá-se por instrumentalidade da palavra de Deus:
"Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva, e que permanece para sempre. Porque Toda a carne é como a erva, E toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor; Mas a palavra do Senhor permanece para sempre. E esta é a palavra que entre vós foi evangelizada." (1Pe 1:23-25)

A palavra de Deus, tornada eficaz pela poderosa ação do Espírito, opera como meio instrumental de conversão. E, novamente, há uma lógica aqui. Se a conversão pode ser resumida como arrependimento e fé, se arrependimento e fé só podem ser articulados em função de um conteúdo objetivo de informações, e se este conteúdo consta exclusivamente na palavra de Deus, então é evidente que apenas pela palavra de Deus uma pessoa regenerada pode ser chamada à conversão. 


Em quarto, portanto, o pecador que já recebeu a semente da vida incorruptível e que foi chamado pela "palavra que permanece para sempre", é convertido mediante ação do mesmo Espírito. Neste ponto, há uma observação a ser fixada: pode haver um hiato de tempo entre a regeneração e a conversão. Louis Berkhof acentua:
"[Regeneração] é uma mudança que ocorre na vida subconsciente. É uma secreta e inescrutável obra de Deus que o homem nunca percebe diretamente. A mudança pode ter lugar sem que o homem esteja cônscio dela momentaneamente, se bem que não é o que se dá quando a regeneração e a conversão coincidem". [2]

Dessa forma, a conversão caracteriza-se precisamente pela necessidade de consciência da parte do pecador. Ele precisa saber a quem está sendo convertido:

"E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste." (João 17:3)

Em quinto lugar, os que foram convertidos são iniciados, agora, em sua santificação. Conquanto um não-regenerado não possa obedecer a Deus, o que qualifica um pecador convertido é precisamente aquela sua vontade de servir a Deus, amá-lo e obedecê-lo. 


Diz Paulo aos romanos:
"Porque os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espírito para as coisas do Espírito. … Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus. … E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e co-herdeiros de Cristo: se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados." (Rom 8:5,14,17)

Outrossim, com o mesmo poder onipotente com que Deus constrange seus eleitos à conversão, eles são santificados de forma irresistível. Se Deus decretou a salvação dos que escolheu, e se a glorificação deles depende também de seu engajamento na santificação, é mister que Deus os garantirá nesta etapa da 
ordo. Os salvos, como atesta a Escritura, podem cair em graves pecados e por algum tempo continuar neles; incorrer assim no desagrado de Deus, entristecer o seu Santo Espírito e de algum modo vir a ser privados das suas graças e confortos; e ter os seus corações endurecidos e as suas consciências feridas; prejudicando e escandalizado os outros e atraindo sobre si juízos temporais [3]. Contudo, Deus os restaurará à obediência no caminho santo. 

Por fim, em sexto e último lugar, os mesmos que foram eleitos na eternidade serão glorificados no final. Não há opção quanto a isso e não há evento contingente que se interponha como barreira à ação e aos decretos de Deus. 

A Bíblia diz:
"Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora. E não só ela, mas nós mesmos, que temos as primícias do Espírito, também gememos em nós mesmos, esperando a adoção, a saber, a redenção do nosso corpo. … Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou." (Rom 8:22-23,29-30)

A glorificação dos santos é certa primeiramente porque ela é um componente sine qua non do decreto salvífico de Deus: o Senhor não apenas predestinou "os que conheceu de antemão", mas os predestinou para serem conformes a imagem de Jesus Cristo. A existência de um final pressupõe o sucesso e a concreção dos meios. Ademais, aos que Deus predestinou, ele também chamou e, por fim, glorificou. Ou seja, os mesmos que foram chamados serão glorificados. Os mesmos! E, mais do que isso, sua glorificação é tão certa que a Escritura a posiciona como um evento passado, ao lado do chamado e da justificação. Para Deus, tudo está tão certo que essas obras são consideradas fatos consumados.  


Estes, concluindo, são os diversos elos da corrente de eventos soteriológicos. E a coerência na disposição dessas operações, tanto mais se aproxima da ordo salutisreformada mais reflete a lógica da Escritura. 


____________________
Notas: 
[1] Esse ponto não fraciona a igreja universal de tal maneira que sua identidade cristã seja anulada ou que sua unidade seja perdida. A igreja, na ordem de manter-se como tal, deve concentrar seu senso de comunhão na doutrina mais central do cristianismo, resumida com perfeição no Credo Apostólico. 
[2] BERKHOF, Louis. Teologia Sistemática: São Paulo: Cultura Cristã, 2007.
[3] CFW XVII.III.

***
Autor: Paulo Ribeiro
Fonte: Teologia Expressa

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Sendo um jovem cristão em uma universidade anticristã

image from google


Há alguns anos atrás assisti uma palestra do Rev. Augustus Nicodemus na qual ele citou um dado alarmante vindo de uma pesquisa feita nos EUA. Segundo ele, somente 3 de cada 10 jovens cristãos americanos continuavam firmes na fé após a sua saída da faculdade. Isso me chamou muita atenção e fiquei imaginando se no Brasil a situação não seria semelhante ou até mesmo pior.

Desconheço a existência de uma pesquisa como essa feita em solo brasileiro, mas, ainda assim, acredito que nossa situação não seja muito diferente. Baseando-me em minha própria vivência em uma universidade pública e observando relatos de amigos a respeito de suas experiências, percebi que nossos jovens, em sua maioria, não estão preparados para lidar com o ambiente acadêmico principalmente de universidades públicas, que é muito hostil ao jovem cristão.

Por conta disso, decidi escrever esse texto com algumas orientações pessoais aos jovens cristãos que irão ingressar ou já ingressaram em uma universidade. Meu propósito é tão somente ajuda-los a manterem sua fé durante o seu tempo de graduação.

1) Busque a Deus, pois é Ele quem te sustenta e guarda do mal.

Em primeiro lugar, gostaria de te lembrar que quem te protege do mal é o Espírito Santo de Deus. Na sua famosa oração sacerdotal, Cristo nos diz que enquanto esteve aqui Ele mesmo havia protegido seus discípulos do mal, mas agora Ele iria para junto do Pai e, por isso, clamava para que Deus continuasse a os guardar (Jo 17.12-15). Pelo sentido do texto fica bem claro que a preocupação de Cristo não é com o mal físico, como uma enfermidade, por exemplo. Cristo se preocupava com a corrupção moral, com o pecado:
Quando eu estava com eles, guardava-os no teu nome, que me deste, e protegi-os, e nenhum deles se perdeu, exceto o filho da perdição...” Jo 17.12

Um pouco antes, nos capítulos 14 e 16, Cristo havia prometido enviar outro “consolador” (parakletos) aos seus discípulos. Nas palavras de Cristo, “...o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito” (Jo 14.26). Assim, “a obra do Espírito Santo é glorificar a Jesus Cristo, mostrando aos seus discípulos quem é Jesus e o que Jesus significa para eles. O Espírito ilumina, regenera, santifica e transforma. Ele dá ao povo de Deus aquilo de que o povo precisa para servir ao Senhor”.[1]

Entendemos que quando Cristo incluiu todos os “que vierem a crer” Nele por meio do ministério dos discípulos (Jo 17.20), nós também fomos alcançados por essa oração maravilhosa de nosso Senhor e, portanto, somos também protegidos do mal pelo Santo Espírito de Deus. 

Tudo isso significa, jovem, que por mais que eu vá apresentar aqui uma lista de coisas a serem feitas, somente o Espírito de Deus pode te guardar do mal e te manter firme na fé. Você, por si só, não tem condições de fazer isso. Portanto, é fundamental que você mantenha uma vida sincera de oração e leitura bíblica regulares, reconhecendo que não há força em você para se manter no estreito caminho e que você precisa diariamente da ajuda do Espírito. Ter uma vida devocional assim é uma evidência de que você reconhece sua fraqueza e incapacidade e se submete inteiramente a Deus. 

2) Busque um grupo cristão em sua universidade, pois você poderá partilhar suas dificuldades e desafios com outros cristãos que vivem situações semelhantes.

Tem se tornado comum a presença de grupos cristãos interdenominacionais nas universidades brasileiras. Em geral, o propósito do grupo é tão somente se reunir para orar, ler a Bíblia, louvar a Deus e conversar sobre a vida acadêmica. Essa é, em minha opinião, uma alternativa excelente para ajuda-lo na caminhada cristã dentro da faculdade, pois você terá a oportunidade de compartilhar suas experiências e desafios com quem enfrenta algo semelhante.

Todavia, tome cuidado com as ideologias por trás do grupo e procure se informar a respeito disso antes de ingressar. Convivemos diariamente com “coisas estranhas” no meio cristão tais como feminismo evangélico e crentes socialistas e, por isso, é importante observar e analisar bem o grupo antes de se envolver.

Portanto, seja cauteloso, mas busque um grupo cristão em sua universidade e procure fazer boas amizades nele. 

3) Converse com cristãos mais velhos, que sejam referências na sua vida, sobre os problemas que você tem enfrentado.

Talvez um dos grandes problemas da igreja hoje seja a excessiva divisão por meio de faixas etárias. Jovens só interagem com jovens. Senhoras só interagem no grupo de senhoras. E assim sucessivamente.

Esse tipo de divisão, se feita em demasia, pode evitar uma importante troca de experiências, que deveria ocorrer na igreja. É fundamental que você, jovem cristão, tenha algumas amizades verdadeiras com pessoas mais velhas. Meninas cristãs busquem as senhoras da igreja que sejam modelos de mulher cristã e aprendam com elas. Da mesma forma, meninos busquem verdadeiros homens de Deus e aprendam com eles.

John Crotts, em seu livro “Homens sábios”, o qual eu recomendo fortemente a todo jovem cristão, diz que “não apenas você deve evitar as más companhias como se fossem uma doença, mas a fim de tornar-se sábio, você também deve gastar tempo com aqueles mais sábios que você” [2].  E como Salomão nos lembra:
Quem anda com os sábios será sábio, mas o companheiro dos insensatos se tornará mau”. Pv 13.20

É bem verdade que idade nem sempre significa sabedoria e, por isso, eu friso que você deve procurar homens e mulheres que sejam boas referências na igreja e cristãos sinceros para serem seus conselheiros.

4) Não se isole, mas não se misture demais.

Seguindo ainda o conselho de Crotts e o versículo citado acima, é preciso dizer que você deve evitar as más companhias na faculdade, e elas são abundantes ali, porque podem ter uma influência negativa na sua vida. Me permita ser mais claro: fuja de quem é dado aos vícios (bebida, drogas, lascívia), de quem é imoral, de quem é abertamente um odioso de Deus e de quem não respeita a sua fé. 

Posso, ainda, ampliar esse princípio sugerindo que você evite também ambientes corruptíveis, i.e., lugares como chopadas que foram feitos para satisfazer os prazeres carnais.  E não me venha com essa história de que você vai “ser luz ali, pois a luz só faz diferença no meio das trevas”. Nós dois sabemos que você pode ser “luz” em várias outras situações muito mais propícias ao testemunho e pregação do evangelho. 

Por outro lado, não seja o estranho isolado que não interage com ninguém. Você pode e deve interagir na faculdade. Você pode e deve conversar com seus colegas de classe, fazer parte da equipe de determinado esporte, da equipe de pesquisa, do diretório acadêmico e etc. Eu, por exemplo, fiz grandes amigos na faculdade. Oro sempre por eles e mantemos contato frequente.

Permita-me lembrar que o cristão tem um mandato cultural por entendemos que em todas as esferas da sociedade, Cristo é soberano. Portanto, você deve buscar glorificar a Deus em todas as suas atividades acadêmicas. Lembre-se do que disse Abraham Kuyper:

“Na extensão total da vida humana não há nenhum centímetro quadrado acerca do qual Cristo, que é o único soberano, não declare: Isto é meu!”. [3]

Eu sei que essa missão pode ser um pouco difícil. Mas com a ajuda do Espírito, ela é possível. Portanto, não se isole, mas não se misture demais.


5) Dê o seu melhor na faculdade e, assim, glorifique a Deus.

Seguindo ainda essa linha de raciocínio, gostaria de te aconselhar a ser o melhor universitário que você puder ser. Se empenhe em tirar boas notas e mantenha atividades extracurriculares que seja de seu interesse. Faz parte da cosmovisão cristã se empenhar ao máximo para fazer tudo a que nos propomos, fazer tudo, de fato, para a glória de Deus.

Leland Ryken, em outro livro que recomendo fortemente aos jovens cristãos, “Santos no mundo”, se propõe a explicar como agiam e pensavam os puritanos. Antes de falarmos especificamente sobre educação, leia o resumo que Ryken faz dos puritanos e veja como eles encaravam a vida com seriedade:
“No todo, o puritano típico nos teria impressionado por trabalhar arduamente, ser econômico, sério, moderado, prático em sua perspectiva, doutrinário em assuntos religiosos e políticos, bem informado a respeito dos últimos acontecimentos políticos e eclesiásticos, argumentativo, bem-educado, e inteiramente familiarizado com o conteúdo da Bíblia. Para alcançar isto, os puritanos tinham de ser autodisciplinados. Para qualquer um propenso à negligência nestes assuntos, estar perto de um puritano decerto o faria sentir-se desconfortável...”. [4]

Se quisermos nos aprofundar um pouco mais, podemos observar uma famosa resolução de Jonathan Edwards, que nos ajuda a perceber como esses homens de Deus viviam a vida ao máximo e com grande seriedade:


“Resolvi viver de tal forma como se estivesse sempre vivendo o meu último suspiro.” [5]

No capítulo sobre educação, Leland traz algumas citações interessantes como esta do reformador Martinho Lutero:

“Se tivesse filhos e pudesse dar conta disso, eu os poria a estudar não apenas línguas e História, mas também canto e música, juntos à matemática... Os gregos antigos treinaram seus filhos nestas disciplinas; eles cresciam para serem pessoas de habilidades extraordinárias, subsequentemente aptas para tudo”. [6]

Podemos ver, portanto, que o cristão deve encarar a vida com seriedade e isso inclui, o dedicar-se aos estudos para ser um bom profissional no futuro e ao trabalho para servir bem a sociedade. E, assim, em ambos os casos, glorificar a Deus.


Há, contudo, algo mais para ser dito aqui. Esse tipo de pensamento tem por base o pressuposto de que toda verdade é verdade de Deus. Isso significa que as ciências estão sujeitas a Deus e devemos nos empenhar nelas a fim de glorificar nosso Senhor e conhecer mais a respeito dele. É consenso na tradição reformada admitir que há um conhecimento natural de Deus, percebido na criação, e um conhecimento sobrenatural de Deus, que é o mais importante, uma vez que é o único que conduz à salvação, conhecido através da Bíblia. Apesar de o conhecimento sobrenatural ser o mais importante, o conhecimento natural não deve ser desprezado.

Ryken nos lembra que “o objetivo dos puritanos na sala de aula era medir todo o conhecimento humano pelo padrão da verdade bíblica” [4] e cita Thomas Hall: “devemos... trazer o conhecimento humano para casa para ser podado e aparado com sabedoria espiritual”.[7] A verdade é que os ateus dominaram o terreno no campo das ciências e eles a separaram radicalmente da religião. É como se a ela fosse impossível dialogar com a fé cristã; é como se fosse a não existência de Deus fosse tão óbvia para a ciência que o assunto nem precisasse ser discutido. Embora não tenha espaço para tratar desse assunto com maior profundidade, sabemos que esse pressuposto não é verdadeiro e me impressiona a inércia de boa parte dos cristãos em tal discussão.

Talvez nossa demora combater essa filosofia seja pela ausência de uma “teologia mais relevante para o nosso contexto”, como destacam Ferreira e Myatt em sua obra.[8] Porém, independente da razão, os cristãos precisam voltar a atuar com coragem e sabedoria nessas áreas para que tragam novamente a luz de Deus para as ciências.

6) Defenda a sua fé, mas seja sábio. Esteja sempre aprofundando seu conhecimento sobre a fé cristã.

Jovem, como já disse, a universidade é um ambiente claramente anti-cristão. Alguns de seus professores provavelmente farão ataques diretos à fé cristã. Outros serão um pouco mais sutis. Porém, você vai precisar aprender a se portar com sabedoria nesse ambiente hostil. 

Não ache, por favor, que você é o protagonista de um filme, no qual, com todo o seu conhecimento adquirido após a leitura de um punhado de livros, irá confrontar e derrotar facilmente um professor em debate aberto. Veja bem, não estou dizendo que você deva negar direta ou indiretamente a fé. Nunca faça isso! Estou apenas te exortando a agir com sabedoria e a não ser prepotente ao ponto de achar que você irá vencer um debate como esse com facilidade. Na verdade, se você for humilde e reconhecer que sabe muito pouco para um debate de tal nível, pode ser que você consiga fazer um bom papel caso haja necessidade.

O caminho que considero natural e bom é esse: o ambiente hostil presente na universidade deve te levar a procurar aprofundar o seu conhecimento acerca da doutrina cristã. Leia filosofia cristã, teologia sistemática, doutrina e apologética e, principalmente, como também já disse, leia a Palavra de Deus. Mas não leia como alguém que está ávido para falar e confrontar, ávido para chamar atenção para si, ávido para vencer um debate e ficar famoso. Leia para sua instrução e para poder auxiliar outros que eventualmente necessitem de ajuda nessas áreas. Leia para a glória de Deus! E, se você for levado a uma situação como um debate com um professor ou até mesmo um colega de classe, seja firme, humilde, respeitoso e confie em Deus.

7) Gaste seu tempo com sabedoria. Não fique demais na internet.

Isso tudo nos leva ao próximo ponto. Administre melhor o seu tempo, o utilizando, o máximo possível, para a glória de Deus. Há diversas coisas que podem nos fazer perder tempo na vida e, levando em consideração o público que me lê, devo salientar que a internet é, sim, uma delas. O problema não é a internet em si, mas o uso que fazemos dela.

A internet pode ser uma ótima ferramenta para o aprendizado secular e cristão, uma ótima ferramenta para fazer e manter amizades cristãs, uma ótima ferramenta para se manter bem informado. Porém, ela também tem o potencial de te ajudar exponencialmente em sua procrastinação. 

Portanto, eu diria para você se preocupar mais em estudar/aprender, trabalhar, ajudar nos afazeres domésticos e ajudar a sua igreja local do que com posts e debates no Facebook, por exemplo. Se preocupe mais em orar e estudar a Bíblia do que em postar que ora e lê a Bíblia. Se preocupe mais em estudar os grandes debates da história da fé cristã com as “tretas” de Facebook que diariamente pululam à sua frente.

Acredito que esse ponto seja, na verdade, derivado do primeiro. Em resumo, quanto mais tempo você se dedicar a conhecer a Deus, mais preparado você estará para enfrentar as dificuldades da universidade e as que surgirão durante toda a sua vida.

Conclusão

Eu espero sinceramente que esse texto possa te auxiliar a encarar o desafio que você tem pela frente. Lembre-se, porém, que, dentre tudo o que foi escrito, o primeiro ponto é o mais importante. Submeta inteiramente a sua vida a Deus e peça que Ele te auxilie a enfrentar o desafio de ser um jovem cristão na universidade. 

____________________
Referências:
[1] Bíblia de Estudo de Genebra, editora Cultura Cristã.
[2] Homens sábios, John Crotts, editora Fiel.
[3] Abraham Kuyper, apud Ferreira, Contra a idolatria do Estado, editora Vida Nova.
[4] Santos no Mundo, Leland Ryken, editora Fiel.
[5] Jonathan Edwards, apud Nichols, Conheça Jonathan Edwards, disponível em:
http://voltemosaoevangelho.com/blog/2015/05/conheca-jonathan-edwards/.

[6] Martinho Lutero, apud Ryken, Santos no mundo, editora Fiel.
[7] Thomas Hall, apud Ryken, Santos no mundo, editora Fiel.
[8] Teologia sistemática, Ferreira & Myatt, editora Vida Nova.

***
Autor: Pedro Franco
Divulgação: Bereianos

Campanha para reconstrução do novo templo da IP de Jordão Alto - Recife - PE

O Conselho de Ação Social esteve visitando no dia 02 deste mês a Igreja Presbiteriana de Jordão Alto em Recife - PE, que devido a forte chuva teve seu templo condenado pela Defesa Civil e o mesmo terá que ser demolido. Abaixo palavra do Rev. Eraldo Gueiros - Pastor da Igreja. O CAS conta com o apoio de todos os presbiteriano do Brasil nesta campanha de reconstrução
"Meus irmãos, considerem motivo de grande alegria o fato de passarem por diversas provações, pois vocês sabem que a prova da sua fé produz perseverança." Tiago 1:2,3"
Confesso aos irmãos que é fácil prestar solidariedade, difícil é vivenciar a aflição. Contudo, temos aprendido, do outro lado, a ver a importância da solidariedade quando se recebe!
Tem sido as orações dos irmãos, juntamente com as palavras de incentivo que tem transformado a nossa tristeza em esperança!
Somos gratos a Deus por inúmeros fatores da sua benevolência. Não houve vitimas da igreja nem prejudicamos ninguém da comunidade. Louvado seja Deus!
Prejuízos sim, muitos.... mas tudo dentro do controle soberano de Deus. E Ele nos dará a capacidade de recomeçarmos de novo!
Louvo a Deus por essa comunidade maravilhosa (IPJA), minhas ovelhas, meu povo, meus irmãos e amigos, que tem demonstrado um sentimento de unidade e comunhão que nos surpreende. Nossa liderança não se sente sozinha!
Não olhamos para os nossos recursos como suficientes para fazermos nada. Mas a nossa suficiência virá do nosso Deus!
Comecei esse dia louvando ao Senhor por ter contrariado as estimativas de mais chuvas... Hoje Deus nos deu o sol mais lindo que eu já vi!
Esse Sol que nos trouxe as condições de retomarmos as atividades de contenção e demolição. Hoje as 13h, estaremos destelhando e demolindo todas as paredes que estão na eminência de caírem e provocarem um dano duplamente pior do que aconteceu ontem. Toda ajuda será muito bem vinda!!!
Nossas programações e ministérios não vão parar. Elas sofrerão ajustes e serão transferidas para outro local provisório.
Mas em tudo isso vemos a provisão de Deus!
Mais uma vez, eu só tenho a agradecer em nome de todos que fazem a Igreja Presbiteriana do Jordão Alto em Recife, pelas orações, palavras de apoio e ajuda financeira.
Apesar das atividades serem intensas, em breve compartilharemos mais informações!
Rev. Eraldo Gueiros

Congresso Nacional da APECOM em Águas de Lindóia-SP.











Fotos Pr. Mariano



Nos dias 17 a 19 de junho de 2016 aconteceu no Hotel Monte real Águas de Lindóia -SP o Congresso Nacional da APECOM. O tema do Congresso foi







Congresso Nacional da APECOM em Águas de Lindóia-SP.

O que é a APECOM?

A APECOM, Agência Presbiteriana de Evangelização e Comunicação, é o órgão oficial da Igreja Presbiteriana do Brasil que une dois ministérios, por definição, inseparáveis. A evangelização e a comunicação. Evangelho significa “boa notícia”, uma notícia especial que precisa ser divulgada a todos e em todos os lugares.

Deus, em Sua graça, tem providenciado os meios pelos quais a igreja pode cumprir sua missão de proclamação. Esta é uma forma de entendermos o avanço tecnológico na área da comunicação. Como se não bastasse o rádio, meio de comunicação que alcança milhões de pessoas nos mais remotos lugares da terra, a TV tem sido um eficaz meio de comunicação, aliando o som à imagem cada vez mais definida.

Todavia, o crescimento da comunicação não pára. A comunicação aliou-se à velocidade. Para atender esta exigência da pós-modernidade, a tecnologia viabiliza a cada dia mais ferramentas. O conteúdo que veicula na TV e no Rádio domina o espaço nos computadores e telefones celulares. A pergunta é: que conteúdo está sendo veiculado?

APECOM: anunciando e comunicando


A APECOM tem como vocação usar os meios de comunicação para anunciar o melhor conteúdo que possa existir, o evangelho. É o melhor conteúdo porque nunca fica ultrapassado, embora, paradoxalmente, nunca mude. É o melhor conteúdo porque pode transformar a vida das pessoas. É o melhor conteúdo porque tem resultados para além desta vida. Sendo assim tão valiosa, esta notícia precisa ser entregue a todos e em todos os lugares.

Como fazer?

A APECOM realiza cruzadas e simpósios conscientizando os crentes da missão de proclamarem com a vida e a palavra, a Boa Notícia de que Jesus é o Senhor e o Salvador. Mas, também, a APECOM proclama esta mesma mensagem por todos os meios disponíveis inclusive as chamadas mídias sociais como Twitter, Facebook, Youtube, Orkut, Digg e, certamente, outros que serão conhecidos nos próximos dias.

Desafios: contextualizar a comunicação

Os seminários presbiterianos continuam fornecendo líderes para as igrejas com excelente conteúdo teológico mas, evidentemente, o perfil destes líderes não é o mesmo que tínhamos na década passada. São pastores que já possuem seus equipamentos tecnológicos com suas múltiplas ferramentas.

É uma nova geração de pastores. Preparam seus sermões antenados na internet, ouvindo o som de uma rádio web, colhendo imagens e montando os textos e as apresentações que deverão ser exibidas no datashow, à medida em que ministra a mensagem aos crentes, reunidos para o culto público. A mensagem ministrada estará disponível depois no site do próprio pastor ou de sua igreja.

Um novo perfil de pastor tem se percebido, um “pastor virtual”. Vantagens e desvantagens das mudanças que vão ocorrendo podem ser discutidas, mas, não podem ser ignoradas. É um mundo que não pára.

O desafio da igreja é contextualizar sem empobrecer a mensagem. O velho e surrado evangelho nunca poderá ser mudado, sob pena de deixar de ser evangelho; mas, esta boa notícia sem sofrer danos, pode e deve ser anunciado por todo tipo de instrumento de comunicação. Afinal, não existe notícia, nem mesmo a “boa notícia,” que perdure se não for comunicada. Como as pessoas crerão em Cristo se alguém não O comunicar?


Agência Presbiteriana de Evangelização e Comunicação
Titulares do Conselho de Administração
Rev. Hernandes Dias Lopes – ES
Rev. George Alberto Canelhas – SP
Rev. Ricardo Agreste da Silva – SP
Rev. Alexandre Antunes Pereira Santos – GO
Rev. Alcyon Vicente Pinto da Costa Junior – RJ
Rev. Rosther Guimarães Lopes – DF
Presb. Alberto José Bellan – SP
Presb. Ciro Aimbiré de Moraes Santos – SC
Presb. Delcimar Carvalho Santos – RJ
Presb. Daniel Sacramento – BA
Presb. Luis Augusto Maia Vinagre – MT
Presb. Gunnar Bedicks Junior – SP
Presb. Euclides de Oliveira – PR

Suplentes do Conselho de Administração
Rev. Sergio Lima – SP
Rev. Itamar Santana Bezerra – BA
Rev. João Batista de Moura – RN
Presb. Edilson do Nascimento Silva – RJ
Presb. Aguinaldo Rodrigues de Oliveira – MG
Presb. Presb. Wilson Jose de Freitas – ES

Conselho Fiscal
Presb. Robério Freitas – BA
Presb. Marusan Antonio Baliza – TO
Rev. Izaias Moreira da Cunha – MS
Suplentes do Conselho Fiscal

Suplentes do Conselho Fiscal
Rev. Leonardo Santos de Oliveira – SP
Presb. Jefferson Francisco de Paula – MG
Presb. Waldomiro Oliveira Barbosa – SP
Contato

E-mail: apecom@ipb.org.br
Tel: (11) 3255-7269 / (11) 2691-7800
Rua da Consolação, 2121 - 2º andar, São Paulo -SP
CEP: 01301-100

- See more at: http://www.ipb.org.br/evangelizacao/apecom#sthash.3fXuWM9j.dpuf

ENCONTRO FIEL NO INSTITUTO BÍBLICO DO NORTE GARANHUNS PE





Nos dias 17 e 18 de junho de 2016 aconteceu o Encontro Fiel no IBN -Santos no Mundo foi o tema. com 6 palestras sobre a visão dos puritanos sobre sexo, casamento, família, a Palavra, a pregação e a ação social. O preletores do evento foram os pastores: Wilson Porte e Paulo Brasil.Vários irmãos da nossa região Nordeste participaram.Foi uma benção.

PROJETO RUMO AO SERTÃO



Um projeto que tem o objetivo de plantar igrejas no nordeste e em especial no Rio Grande do Norte e Ceará. Pela graça de Deus temos procurado de forma simples alcançar os objetivos e Deus nos facilitado a realizar o seu trabalho. Somos gratos aos parceiros e apoiadores atuais, que tem nos apoiado nesta jornada de Deus. O objetivo do Projeto Rumo ao Sertão é plantar igrejas em locais aonde a nossa igreja não chegou; realizar avanços missionários, para o inicio dos trabalhos; aplicar o curso de evangelismo pessoal, para treinar e formar evangelistas. 

Desejamos contar com as suas orações e apoios, pois temos muitos desafios para ser enfrentados e a graça de Deus nos conforta nas horas mais difíceis. Seja um apoiador do nosso projete em especial em oração. 

PROJETO NOVOS CAMPOS






O Projeto Novos teve Início em 2015 com o propósito de Plantar Igrejas na Região do Agreste Meridional em parceria com o IBN aliando a preparação dos alunos com a prática na implantação de novas igrejas.
O IBN e a JMN iniciaram no ano de 2005 uma abençoadora e próspera parceria visando a expansão do evangelho e consequentemente um crescimento da presença presbiteriana em uma das regiões de maior população no Estado de Pernambuco o Agreste Meridional. Nasceu assim o projeto Novos Campos- PNC que aliando a preparação acadêmica dos alunos do IBN com a prática da implantação de novas igrejas. Com equipes de alunos distribuídas e orientadas foram abertos os campos missionários de Caetés-PE, Capoeiras-PE e Venturosa-PE tendo inicialmente a JMN como parceira e logo em seguida outras igrejas como a IP Vila Mariana-SP, 1ª Igreja do Recife, IP da Madalena-Recife, IP Central de Bonsucesso e Copacabana do Rio de Janeiro, 1ª IP de Vitória-ES, 1ª IP de Taguatinga-DF, Presbitérios de Garanhuns e de Pernambuco se juntaram nesta empreitada. Já concluídos a construção dos templos de Capoeiras-PE ,Venturosa-PE, Caeté-PE. Em construção o templo-casa do campo de Correntes-PE. Vários alunos ao longo deste período serviram nos campos do Projeto e muitos após a conclusão do curso foram para campos avançados da JMN, presbitérios e igrejas.
Rev. Mariano Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...