quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Dez dicas para visitar pessoas doentes

Antes, é preciso lembrar que o Senhor visitou o seu povo e veio buscar e salvar o perdido (1.68). Ele nos chama a seu serviço e quer continuar a sua missão iniciada junto ao seu povo. Ore a Deus pedindo que ele use você como instrumento de cura, perdão, reconciliação, esperança, vida. Então, quando você visitar uma pessoa enferma, lembre-se: 

1) Foi o Senhor que lhe deu essa missão. Cabe, porém, a você preparar-se para essa tarefa, e preparar-se bem. 

2) No contato com o enfermo “você deve ser a Boa Nova, antes de compartilhá-la. As palavras do Evangelho devem ser encarnadas, antes de serem verbalizadas” (J. C. Aldrich). 

3) Você é “carta de Cristo” (2 Co 3.3), lida pela pessoa enferma. 

4) Este é o alvo da sua visita: compartilhar o amor de Deus, a Boa Nova de Jesus. Você pode fazer isso em poucas palavras, ou até sem palavras. 

5) A sua visita tem o propósito de levar o amor de Deus, a Boa Nova de Jesus e de ministrar o conforto e o consolo para quem sofre. Não sucumba à tentação de fazer discursos e pregações. Orações e leituras bíblicas requerem clima e momentos apropriados. Os textos bíblicos e as orações devem estar de acordo com as necessidades do paciente. 

6) A visita à pessoa enferma não é oportunidade para você angariar mais adeptos para a sua igreja. O seu propósito não é proselitista. É, sim, oportunidade para falar do amor de Deus e compartilhar a Boa Nova de Jesus. Em primeiro lugar deve estar o Reino de Deus (Mt 6.33). 

7) A enfermidade costuma ser uma experiência muito dura. Além do sofrimento físico, o enfermo costuma enfrentar sofrimento moral: sentimentos de culpa, de punição, de fracasso, decepções, medo da morte. Por isso evite temas relacionados ao juízo final, condenação eterna. É a melhor forma de incentivar uma fé cristã genuína, de estabelecer um relacionamento saudável, significativo e amoroso entre o enfermo e Deus. 

8) Preste verdadeira atenção às palavras, aos gestos e à expressão corporal do enfermo. A escuta atenta e silenciosa estimula o outro a se comunicar. Indiferença e desatenção inibem-no a se comunicar com naturalidade. Escutando-o, você o ajudará a superar a sua tensão e aliviar a sua solidão. 

9) Lembre-se: se o sofrimento é inevitável, é possível evitar que as pessoas sofram sozinhas. 

10) Nos momentos difíceis deste ministério de misericórdia e consolação, entregue-se confiante nas mãos de Deus, e prossiga perseverante na companhia do Senhor. 

Maria Luiza Rückert, autora de Capelania Hospitalar e Ética do Cuidado, cursou teologia na Escola Superior de Teologia (EST), em São Leopoldo, RS, e aprofundou seus estudos em clínica pastoral no Hospital da Universidade de Minnesota, Estados Unidos. Pós-graduada em ética, subjetividade e cidadania, atuou como capelã no Hospital Evangélico de Vila Velha, ES, durante vinte anos. Preparou mais de uma centena de voluntários para o ministério de visitação em hospitais e capacitou agentes da Pastoral da Saúde.

Fonte:Ultimatoonline

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...