sábado, 10 de janeiro de 2015

A morte de Thomas Bilney

.


Por JH Merle d'Aubigné


Thomas Bilney [1495-1531], cuja conversão havia começado na Reforma na Inglaterra, foi nas mãos de Deus o instrumento de conversão de Hugh Latimer. A história de sua vida de força e fraqueza, levado ao seu martírio em 1531, é eloquentemente registrado em A Reforma da Inglaterra (The Reformation in England), volumes 1 e 2 por JH Merle d'Aubigné. Estes volumes traçam a história da reforma de suas origens mais remotas até o fim do reinado de Henrique VIII. Escrito em um espírito evangélico animado, ambos são instrutivas e comoventes. O relato a seguir vem a partir do volume 2:

Alguns dos amigos de Bilney foram para Norwich para despedir-se dele: entre eles estava Matthew Parker, mais tarde arcebispo de Canterbury. Já era noite, e Bilney estava tomando sua última refeição. Em cima da mesa estavam alguns pratos frugais [cerveja fermentada], e em seu rosto irradiou a alegria que encheu sua alma. Estou surpreso, disse um de seus amigos, “que você possa comer tão alegremente”. - Eu só sigo o exemplo dos lavradores do país, respondeu Bilney, “que tem uma casa nas ruínas para morar, embora custem tanto, desde que eles possam mantê-la e assim faço agora com esta casa em ruínas do meu corpo”. Com estas palavras, ele se levantou da mesa e sentou-se perto de seus amigos, um dos quais lhe disse: “Amanhã o fogo vai fazer você sentir a sua fúria devoradora, mas o conforto do Espírito Santo de Deus irá resfriá-lo para o seu revigorar eterno”.

Bilney, parecendo refletir sobre o que havia sido dito, estendeu a mão para a lâmpada que ardia sobre a mesa e colocou o dedo na chama. “O que você está fazendo? exclamaram - “Nada”, ele respondeu: “Eu só estou testando minha carne; pois amanhã Deus deve queimar meu corpo inteiro no fogo. E ainda mantendo o dedo na chama, como se ele estivesse fazendo um experimento curioso”, ele continuou: “Eu sinto que o fogo pela ordem de Deus é naturalmente quente, mas ainda estou persuadido, pela Santa Palavra de Deus e na experiência dos mártires, que, quando as chamas me consumirem, eu não as sentirei”. Seja como for este restolho do meu corpo deve ser consumido por ela, uma dor por algum tempo que será seguida por alegria indizível. Ele, então, retirou seu dedo, a primeira articulação do que foi queimado. Ele acrescentou: “Quando tu andas pelo fogo, não serás queimado.” [em alusão a Isaías 43.2]. Estas palavras permaneceram impressas nos corações de alguns que ouviram, até o dia de sua morte, diz um cronista.

Além do portão da cidade - conhecido como o portão do Bispo - havia um vale, chamado de Pit 'Lollards (Poço dos Lolardos): ele foi cercado de terra no solo, formando uma espécie de anfiteatro. No sábado, dia 19 de agosto de 1531, um grupo de lanceiros veio buscar Bilney, que se encontrava no portão da prisão. A um de seus amigos aproximando-se e exortando-o a ser firme, Bilney respondeu: “Quando o marinheiro vai a bordo de seu navio e lança-se ao mar tempestuoso, ele é jogado para lá e para cá pelas ondas, mas a esperança de chegar a um refúgio de paz o faz suportar o perigo. Minha viagem está começando, mas seja qual forem às tempestades que irei enfrentar, sinto que meu navio, em breve chegará ao porto”.

Bilney passou pelas ruas de Norwich, no meio de uma densa multidão: seu comportamento era solene, suas feições calmas. Sua cabeça tinha sido raspada, e usava uma vestimenta de leigo. Dr. Warner, um de seus amigos, acompanhou-o, outro distribuía esmolas ao longo de todo o caminho. A procissão desceu ao poço dos Lolardos, enquanto os espectadores cobriam as encostas circundantes.

Ao chegar ao local de punição, Bilney caiu de joelhos e orou: e, em seguida, levantando-se, abraçou calorosamente a estaca e beijou-a. Voltando os olhos para o céu, em seguida repetiu o Credo dos Apóstolos, e quando ele confessou a encarnação e crucificação do Salvador, sua emoção foi tanta que até mesmo os espectadores ficaram comovidos. Recuperando-se, ele tirou sua vestimenta, e subiu ao monte, recitando o salmo cento e quarenta e três. Três vezes ele repetiu o segundo verso: “Não entres em juízo com o teu servo, porque à tua vista não há justo nenhum vivente”. E depois acrescentou: “Eu estendo as minhas mãos a ti, a minha alma tem sede de ti.” Voltando para os policiais, ele disse: “Vocês estão prontos”? - “Sim”, foi à resposta. Bilney colocou-se contra o poste, e segurou a corrente em que ele estava amarrado. Seu amigo Warner, com os olhos cheios de lágrimas, deu uma última despedida. Bilney sorriu gentilmente para ele e disse: “Doutor, pasce gregem tuum”. [Doutor, alimente o seu rebanho], que quando o Senhor vier, Ele poderá achar você o servindo. Vários monges que tinham dado provas contra ele, percebendo a emoção dos espectadores, começaram a tremer, e sussurraram ao mártir: “Essas pessoas vão acreditar que somos a causa de sua morte, e vão reter as suas esmolas”. Ao que Bilney disse-lhes: “Boas pessoas, não fiquem com raiva destes homens, por minha causa, como se eles fossem os autores de minha morte, eles não são”. Ele sabia que a sua morte fazia parte da vontade de Deus. A tocha foi aplicada à pilha: o fogo ardeu por alguns minutos, e então de repente queimando ferozmente, o mártir foi ouvido pronunciando o nome de Jesus várias vezes, e às vezes a palavra 'Credo' ['Eu acredito']. Um vento forte que soprou as chamas de um lado para o outro prolongou sua agonia; três vezes elas pareciam se afastar dele, e três vezes elas voltaram, até que finalmente toda a pilha acendeu, e ele expirou. 


***
Fonte: Puritans Sermons
Tradução: César Augusto Vargas Américo
Divulgação: Bereianos


Sobre Thomas Bilney:

Thomas Bilney nasceu perto de Norwich em 1495. Ele era muito estudioso e, em Oxford, obteve o grau de doutor em leis em 1519 e foi ordenado sacerdote. Mas nem o estudo e nem sua ordenação lhe trouxe paz alguma. Ele estava tentando abençoar o descanso de sua alma através das boas obras, ir à missa, comungar, negando seus apetites e religião morta; porém nada funcionava.

Então, um dia ele abriu um exemplar do recém-traduzido Novo Testamento em grego, uma tradução proibida pela Igreja Católica. Se trancou em seu quarto e o primeiro versículo que lhe chamou atenção foi no primeiro capítulo da Primeira Carta do Apóstolo Paulo à Timóteo, onde escreve: "Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal." (v. 15)

Thomas Bilney percebeu que, se Jesus Cristo pode salvar alguém como Paulo que, antes era um bravo, violento, inimigo, assassino arrogante do evangelho, mesmo assim havia esperança para ele. A respeito desse momento assim escrito: "Esta sentença, através da instrução de Deus e trabalhando no meu interior... Fez animar o meu coração, sendo antes ferido com a culpa de meus pecados, e sendo quase em desespero; que mesmo imediatamente me pareceu até interiormente para sentir um conforto maravilhoso e com tranquilidade; de modo que meus ossos machucados saltaram de alegria!"

Bilney era um homem quieto, mas ele começou a orar para que outros possam vir a Cristo. Deus o usou para levar alguns dos professores de Oxford a Cristo, e muitos outros que seriam os grandes líderes da Reforma Inglesa - uma revolução que trouxe a tão necessária liberdade religiosa; quando ele compartilhou o evangelho que contou sua história pessoal e, muitas vezes apontou-lhes a 1a Timóteo 1.15, o versículo que mudou sua vida.

Ele foi preso por pregar o evangelho da salvação pela fé em Cristo, e seria queimado na fogueira por seu compromisso com Jesus, mas por esta altura já era tarde demais. Muitos tinham sido mudados e inspirados por seu testemunho. "As rodas da Reforma Inglesa estava rolando".

O testemunho de Paulo mudou a vida de Bilney. O testemunho de Bilney mudou a vida de muitos outros. Qual é o seu testemunho? Uma das melhores maneiras de compartilhar o evangelho é através da partilha de seu testemunho pessoal. Ela vai encorajar outros e dirão: "Se Deus pode mudar ele ou ela, sei que Ele pode me mudar também". Assim, humilhar-se. Seja transparente. Peça a Deus para ajudá-lo a ver a sí mesmo como um pecador, salvo e perdoado pela graça e de graça. Em seguida, abra a boca e comece a contar de como sua vida foi mudada e veja o que Deus fará.

Enquanto pregava em Ipswich em 28 de Maio de 1527, foi preso. E o mês de novembro seguinte foi levado perante Bispos do Tribunal de Westminster. Para Bilney foi dada uma escolha: a abjurar o que ele havia pregado ou morrer na fogueira. Curthbert Tunstall, bispo de Londres, que tinha o controle do processo, foi mais relutante para encontrar Bilney culpado, e tentou convencê-lo a se retratar. Durante dois dias, sob intensa pressão de Tunstall e amigos bem-intencionados, Bilney estava resoluto em suas convicções. Então, finalmente, em um estado confuso e cansado de espírito, ele se retratou, acreditando que seus amigos tem o melhor juízo. Ele argumentou que, se ele abjurou e salvou sua vida, ele ainda pode servir a Deus. Em 07 de Dezembro, foi Bilney desfilar na humilhação perante o Conselho de Bispos e levado de volta para a prisão a cumprir sua penitência.

Embora definhando na prisão, a mente de Bilney foi preenchido com remorso sobre a sua ação. Seu coração se afundou na escuridão e no desespero, como o escritor do Salmos 51, ele experimentou uma profunda prisão da alma. Por dois anos, Bilney habitou nas masmorras de St Paul's Cross, mais um prisioneiro de sua própria consciência do que da igreja. Foi só uma noite em 1531, quase um ano após o retorno à prisão de Cambridge que, em palavras de Latimer, ele tornou-se como uma ressurreição dos mortos. Bilney resolveu resgatar os anos perdidos e, como seu Mestre, disse aos seus amigos que ele iria "subir a Jerusalém e deve vê-los mais". Chegando em Norfolk, ele pregou com grande unção proclamando: "Essa doutrina, que uma vez eu falei é a verdade. Que meu exemplo sirva de lição a todos que me escutam". Sem medo, ele pregou o evangelho distribuindo Novos Testamentos e colocando expostos os erros de Roma.

Não demorou muito para Bilney ser preso, julgado em Norwich, e enviado a Londres para execução.


Extraído de: Protestantismo.com.br

Leia também outra biografia, disponível aqui! (em Inglês).
.

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Eu creio nos 5 Solas da Reforma

.


Por Rev. Ewerton B. Tokashiki


Somos uma igreja herdeira da Reforma protestante do século XVI. Os 5 pilares da nossa herança são:

               Sola Scriptura: somente a Escritura Sagrada
               Solus Christus: somente em Cristo
               Sola gratia: somente a graça
               Sola fide: somente a fé
               Soli Deo gloria: somente a Deus toda glória


1. Somente a Escritura Sagrada: é a nossa única fonte e regra de fé e prática.

O calvinismo possui o seu sistema doutrinário centrado na Escritura Sagrada. Desde a Reforma do século XVI foi ensinada a doutrina da sola Scriptura – ou seja, que a Escritura é a única fonte e regra de autoridade. Entretanto, a autoridade da Escritura resultado do fato dela ser a Palavra de Deus. John H. Armstrong corretamente observa que “a autoridade é encontrada no próprio Deus soberano. O Deus que ‘soprou’ as palavras por meio dos escritores humanos está por trás de toda afirmação, toda doutrina, toda promessa e toda ordem contidas na Escritura”.[1] Se rejeitarmos a Escritura Sagrada estamos desprezando a vontade preceptiva de Deus.

A Bíblia tem autoridade porque ela é revelação da vontade de Deus. Por isso, “as inspiradas Escrituras, revelando a vontade transcendente de Deus em forma escrita e objetiva, são a regra de fé e conduta através da qual Jesus exerce sua autoridade divina na vida do crente.”[2] Em outras palavras, esta doutrina significa que a base da nossa doutrina, forma de governo de igreja, culto e todas as esferas da vida, não se fundamentam no tradicionalismo, no subjetivismo, no relativismo, no pragmatismo, ou no pluralismo, mas é extraída somente na Escritura Sagrada. Cremos que suficientemente ela é a verdade absoluta, porque somente a Escritura é a Palavra de Deus (2 Tm 3:16-17; 2 Pe 1:19-20).

2. Somente Cristo: o único mediador da nossa salvação.

O nosso Senhor Jesus se fez um de nós para ser o nosso substituto. Ele é o nosso único representante diante de Deus. O Pai firmou o pacto da redenção que estipulava que o Filho viesse ao mundo para cumprir a sua vontade (Jo 4:34; 6:38-40; 10:10). A Confissão de Fé de Westminster declara que

aprouve a Deus em seu eterno propósito, escolher e ordenar o Senhor Jesus, seu Filho Unigênito, para ser o Mediador entre Deus e o homem, o Profeta, Sacerdote e Rei, o Cabeça e Salvador de sua Igreja, o Herdeiro de todas as coisas e o Juiz do Mundo; e deu-lhe desde toda a eternidade um povo para ser sua semente e para, no tempo devido, ser por ele remido, chamado, justificado, santificado e glorificado.[3]

Não temos outro mediador pelo qual possamos ser reconciliados com Deus, a não ser Jesus Cristo (At 4:11-12; 1 Tm 2:5). A sua obra lhe confere autoridade para declarar justo todos quantos o Pai lhe deu (Jo 6:37,39,65). Toda a obra expiatória de Jesus é suficiente para a nossa salvação (Rm 8:1). Somente através da perfeita obra de Cristo seremos salvos. A nossa culpa e merecida condenação caiu sobre ele (Hb 2:10). A sua obediência ativa cumpriu todas as exigências da Lei, bem como submetendo passivamente à condenação, fez com que pela sua humilhação, obtivesse plena satisfação da justiça de Deus. O Pai retirou o seu consolo e derramou sobre Cristo a sua ira divina, punindo nele o nosso pecado. As nossas iniquidades estavam sobre o Filho, e a justa ira de Deus veio sobre o nosso pecado na cruz (Hb 2:10). Jesus tornou-se amaldiçoado em nosso lugar sobre o madeiro (2 Co 5:21). O Filho de Deus sofreu os tormentos do inferno intensivamente na cruz, o que sofreríamos extensivamente na eternidade. Cremos que a sua morte expiatória na cruz satisfez a justiça de Deus e, eliminou completamente a nossa condenação futura (Rm 3:24-25), redimindo-nos de todos os nossos pecados (Ef 1:7).


3. Somente a graça: a única causa da nossa aceitação.

Cremos que a salvação do homem não é resultado de algum mérito pessoal (Rm 3:20, 24, 28; Ef 2:1-10). Todo ser humano possui uma disposição moral totalmente corrompida, de modo que, ele é incapaz de satisfazer perfeitamente a Lei de Deus (Tg 2:8-10). O empenho de merecer a salvação pelas boas obras somente resulta em condenação. Sem a graça a nossa predisposição natural é somente para o pecado (Rm 7:13-25).

A Escritura nos revela que todo ser humano em seu estado natural é inimigo de Deus (Rm 3:23; 5:10). O teólogo puritano Stephen Charnock observou que “todo pecado é uma espécie de amaldiçoar a Deus no coração. O homem tenta destruir e banir Deus do coração, não realmente, mas virtualmente; não na intenção consciente de cada iniquidade, mas na natureza de cada pecado.”[4] A dureza de coração lhe é normal, porque ele está rígido como uma pedra (Ez 36:26-27).

O livre arbítrio perdeu-se com a Queda.[5] Esta capacidade de agir contrário à própria natureza foi perdida com a escravidão do pecado. No início, Adão criado em santidade, foi capaz de escolher contrário à sua inclinação natural de perfeita santidade e, decidiu pecar. O primeiro homem livremente passou a agir de acordo com a escravidão dos desejos mais fortes da sua alma corrompida pela iniquidade. Ele é livre, mas a sua liberdade é usada tendenciosamente para pecar conforme os impulsos de sua inclinação para o pecado. Se ele for deixado para si mesmo, ele sempre agirá de acordo com a sua disposição interna, ou seja, naturalmente escolherá pecar (Rm 1: 24-32; 3:9-18; 7:7-25; Gl 5:16-21; Ef 2:1-3).

A nossa salvação é resultado da ação da livre e soberana graça do nosso Deus. AConfissão de Fé de Westminster declara que

todos aqueles que Deus predestinou para a vida, e só esses, é ele servido, no tempo por ele determinado e aceito, chamar eficazmente pela sua palavra e pelo seu Espírito, tirando-os por Jesus Cristo daquele estado de pecado e morte em que estão por natureza, e transpondo-os para a graça e salvação. Isto ele o faz, iluminando os seus entendimentos espiritualmente a fim de compreenderem as coisas de Deus para a salvação, tirando-lhes os seus corações de pedra e dando lhes corações de carne, renovando as suas vontades e determinando-as pela sua onipotência para aquilo que é bom e atraindo-os eficazmente a Jesus Cristo, mas de maneira que eles vêm mui livremente, sendo para isso, dispostos pela sua graça.[6]

Somente a ação soberana e eficaz do Espírito Santo é capaz de regenerar corações implantando uma nova disposição santa. O resultado é a libertação da escravidão do pecado. Esta obra Deus a realiza pela graça somente.


4. Somente a fé: é o único instrumento de posse da nossa salvação.

A fé é o meio normal pelo qual o Espírito Santo aplica o processo da salvação nos eleitos. Entretanto, devemos lembrar que a fé é dom de Deus e não uma virtude humana (Rm 4:5; 10:17; Ef 2:8-9; Fp 1:9). O Breve Catecismo de Westminster define este dom: “fé em Jesus Cristo é uma graça salvadora, pela qual o recebemos e confiamos só nele para a salvação, como ele nos é oferecido no Evangelho.” OCatecismo de Heidelberg esclarece que

a verdadeira fé é a convicção com que aceito como verdade tudo aquilo que Deus nos revelou em sua Palavra. É também a firme certeza de que Deus garantiu – não só aos outros como também a mim – perdão de pecados, justiça eterna, e salvação por pura graça e somente pelos méritos de Cristo. O Espírito Santo realiza essa fé em meu coração por meio do evangelho.[7]

Por isso, a teologia reformada entende que a verdadeira fé é o resultado de um iluminado conhecimento, da plena concordância verdade e da firme confiança na Palavra de Deus.


A justificação vem pela fé somente na obra de Cristo. Nenhum homem pode ser salvo, a não ser que creia na expiação realizada por Cristo, confiando exclusivamente nele (Rm 1:17; Tt 3:4-7; 1 Jo 5:1). A justiça de Cristo que é imputada sobre nós concede, garante e mantém-nos aceitos na comunhão eterna de Deus.

A verdadeira fé conduz as boas obras que evidenciam a salvação e glorificam a Deus. A salvação é pela fé somente, mas a fé salvadora nunca está sozinha. A fé salvadora produz amor prático ao próximo, santidade pessoal em obediência à Palavra de Deus. A Escritura Sagrada declara que “pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas” (Ef 2:10).

5. Somente a Deus toda glória: o único objetivo da nossa salvação.

Cremos no único Deus, que é Senhor da história e do universo, “que faz todas as coisas segundo o conselho da sua vontade” (Ef 1:11). É nossa convicção que a finalidade principal da vida não é necessariamente o bem-estar, a saúde física, a prosperidade, a felicidade, ou mesmo a salvação do homem, mas, a glória de Deus e na manifestação de todos os seus atributos. Johannes G. Vos comentando o Catecismo Maior de Westminster observa que “quem pensa em gozar a Deus sem o glorificar corre o risco de supor que Deus existe para o homem, e não o homem para Deus. Enfatizar o gozar a Deus mais do que o glorificar a Deus resultará num tipo de religião falsamente mística ou emocional.”[8] Deus não existe para satisfazer as necessidades do homem, embora ele o faça por amor de si mesmo (Ez 20:14). O homem foi criado para o louvor da glória de Deus (Rm 11:36; Ef 1:6-14).[9]

É verdade que a glória de Deus transcende ao nosso entendimento, mas ela pode ser percebida pela sua manifestação na criação e pela revelada Palavra da Deus. João Calvino no início de suas Institutas escreve que

a soma total da nossa sabedoria, a que merece o nome de sabedoria verdadeira e certa, abrange estas duas partes: o conhecimento que se pode ter de Deus, e o de nós mesmos. Quanto ao primeiro, deve-se mostrar não somente que há um só Deus, a quem é necessário que todos prestem honra e adorem, mas também que Ele é a fonte de toda verdade, sabedoria, bondade, justiça, juízo, misericórdia, poder e santidade, para que dele aprendamos a ouvir e a esperar todas as coisas. Deve-se, pois, reconhecer, com louvor e ação de graças, que tudo dele procede.[10]

Mas, por que a nossa felicidade depende da glória de Deus? Simplesmente porque a nossa dignidade e satisfação dependem de vivermos sem a insensatez, vícios e destruição causados pelo pecado. Somente quando obedecemos à vontade de Deus, segundo as Escrituras, podemos andar aceitáveis em sua presença e desfrutar dos benefícios das suas promessas. Aurélio Agostinho em sua obra Confissões declarou que “Tu o incitas para que sinta prazer em louvar-te; fizeste-nos para ti, e inquieto está o nosso coração, enquanto não repousa em ti.”[11] Assim, quanto maior for a nossa satisfação em Deus, ele será mais glorificado em nós!


O soberano Senhor não compartilha a sua glória com ninguém! O nosso orgulho é uma ofensa gravíssima ao nosso Deus. Não é em vão que ele denúncia a sua rejeição aos soberbos (Tg 4:6-10). Somente ele é o Altíssimo, enquanto o pecador consegue em suas fúteis pretensões ser apenas uma ilusória altivez. Não podemos esquecer de que somos chamados para ser servos do seu reino, e de que toda a abrangência de nossa vida está ao seu serviço (Rm 11:36).

O profeta Jeremias disse que assim diz o SENHOR: não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em entender, e em me conhecer, que eu sou o SENHOR, que faço benevolência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o SENHOR. (Jr 9:23-24). Assim, em compromisso, confessamos que “porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém.” (Rm 11:36).

_________
NOTAS:
[1] John H. Armstrong, “A autoridade da Escritura” in: Bruce Bickel, ed., Sola Scriptura numa época sem fundamentos, o resgate do alicerce bíblico (São Paulo, Editora Cultura Cristã, 2000), p. 90.
[2] Carl F.H. Henry, “A autoridade da Escritura” in: Philip W. Comfort, ed., A origem da Bíblia (Rio de Janeiro, CPAD, 1998), p. 28.
[3] Confissão de Fé de Westminster VIII.1.
[4] Stephen Charnock, The Existence and the Attributes of God (Grand Rapids, Baker Books, 2000), vol. 1, p. 93.
[5] A tradição agostiniana/calvinista interpreta a doutrina do livre arbítrio da seguinte forme: “o livre arbítrio é dividido em quatro modos, por causa dos quatro estados do homem. No primeiro estado a vontade do homem era livre para o bem e para o mal. No estado caído o homem é livre somente para o mal. O homem nascido de novo, ou o homem em estado de graça, é livre do mal e para o bem, pela graça de Deus somente, mas imperfeitamente. No estado de glória ele será perfeitamente livre do mal para o bem. No estado de inocência o homem era capaz de não pecar [posse non peccare]. No estado de miséria ele é incapaz de não pecar. No estado de graça, o pecado não pode governar o homem. No estado de glória ele se tornará incapaz de pecar.” Johannes Wollebius, Compendium Theologicae Christianae in: John W. Beardslee III, ed., Reformed Dogmatics (Grand Rapids, Baker Books, 1977), p. 65. Este manual de teologia de Wollebius [1586-1629] influenciou os teólogos que elaboraram os Padrões de Westminster.
[6] Confissão de Fé de Westminster, X.1.
[7] Catecismo de Heidelberg, Domingo 7, perg./resp. 21.
[8] Johannes G. Vos, Catecismo Maior de Westminster Comentado (Editora Os Puritanos), pág. 32.
[9] Breve Catecismo de Westminster, perg./resp. 1.
[10] João Calvino, Institutas, (edição estudo de 1541), vol. I, p. 55.
[11] Santo Agostinho, Confissões (Editora Paulus), vol. 10, p. 19.

***
Fonte: Estudantes de Teologia
Via Bereianos

Sexo na universidade

.


Por Rev. Augustus Nicodemus Lopes


A universidade, além de ser o local aonde os jovens vão para adquirir uma boa educação e se preparar para o futuro, acaba sendo o ponto de partida para o sexo casual, às vezes com consequências sérias para o resto da vida. Entre estas, podemos mencionar a gravidez indesejada, os abortos e as doenças sexualmente transmissíveis (DST). Em muitos casos, o sexo fortuito ocorre associado com uso de bebidas alcoólicas e drogas que se inicia nos bares no entorno das universidades.

Do ponto de vista cristão, o sexo é uma dádiva de Deus, que desfrutado da maneira correta, é fonte de alegria, satisfação e realização. O cristianismo limita o relacionamento sexual ao casamento. Mas, não é necessário lançar mão do viés religioso para se perceber que o apelo sexual na universidade acaba abrindo as portas para relacionamentos complicados. Os mesmos podem trazer problemas de ordem emocional, psicológico e até legal (como a curetagem e o aborto clandestinos), que acabam prejudicando não somente a carreira estudantil, acadêmica e profissional do jovem, mas sua vida como um todo.

O sexo não é apenas um momento fisiológico de prazer. Por causa da natureza humana, a sexualidade está entretecida com nossa dimensão emocional, psicológica, moral, social e religiosa. As relações sexuais, mesmo as fortuitas e casuais, acarretam apegos e paixões, por um lado, culpa, raiva e nojo, por outro – emoções poderosas que conturbam a paz interior das pessoas, especialmente de adolescentes recém-chegados à universidade.

Jovens com a vida emocional conturbada por relacionamentos sexuais complicados podem acabar levando para a sala de aula estas perturbações, que roubam a paz de espírito e a tranquilidade necessárias para ler, aprender, estudar, pesquisar e escrever. As estatísticas mostram que o maior índice de óbitos decorrentes de curetagem ilegal se dá entre jovens na faixa de 20 a 29 anos, faixa etária onde se insere a maior parte dos universitários. Uma pesquisa de 1993 da ocorrência de aborto entre jovens de uma universidade brasileira mostrou que mais de 50% das que engravidaram fizeram curetagem, com maior incidência das mais jovens. Todavia, não creio que precisemos de pesquisas estatísticas para afirmar que jovens viciados em sexo e afundados em problemas de relacionamento frequentemente acabam se dando mal academicamente.

É triste assistir ao desperdício voluntário de talentos por parte de jovens que cedem aos engodos da cultura pós-moderna na área de sexualidade, a qual reduz o sexo a uma mera função biológica orientada para o prazer momentâneo e inconsequente.

A fé cristã reformada valoriza a família, o sexo no casamento, sem reduzi-lo a mera função procriadora. Valoriza o trabalho, o bom desempenho acadêmico e o exercício eficaz da profissão como parte da cidadania e da vocação cristã. Na Bíblia encontramos a história de um jovem líder do povo judeu chamado Sansão, com potencial para ser um dos maiores juízes do seu povo. Todavia, os repetidos envolvimentos sexuais de Sansão, e as consequências que os mesmos trouxeram, acabaram por arruinar sua carreira (veja Juízes 14.1-2; 16.1; 16.4; 16.19; 16.28-30). A Bíblia também registra o encontro de Jesus com uma mulher sedenta de sentido e propósito na vida, mesmo após ter tido cinco maridos e estar vivendo com um amante. Em Jesus ela encontrou a plena satisfação para seu coração vazio (João 4.7-29).

Os pais e professores deveriam aconselhar os jovens a não trocarem um futuro promissor por prazeres inconsequentes e passageiros. No Evangelho de Jesus Cristo encontrarão perdão para erros cometidos e a força necessária para resistir aos apelos que não levam em conta as consequências e os efeitos de atos impensados.

***
Fonte: Perfil do autor no Facebook
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...